Lulismo e bolsonarismo: enquanto uns procuram o freio, outros pisam no acelerador. Mas ninguém questiona o trilho.

O Mapa da cloroquina: como governo Bolsonaro enviou 2,8 milhões de comprimidos para todo o Brasil.

Nestas condições, como fica a intenção miliciana de ruptura? Esta não é uma questão fácil de ser respondida. Estamos em uma disjuntiva.

A generosidade dos governos ao Capital possibilitou a estes a possibilidade de superarem os efeitos da crise sanitária em apenas nove meses.

A deterioração é tamanha que até setores dominantes avaliam se não caberia um padrão de dominação com um pouco mais de mediações.

A semana começou com uma grande derrota do presidente com a renúncia de Araújo. Mas o epicentro foi transferido ao campo militar.

Alguns podem ter celebrado o ministro do STF Alexandre de Moraes como um grande campeão da luta contra o fascismo. Não a gente.

Tão obcecados quanto Bolsonaro pela faixa presidencial, Lula e Ciro acabam reduzidos a facilitadores de genocídio.

Rose Nogueira escreve sobre a prisão na época da ditadura civil-militar, 40 dias depois de dar à luz.

Reaparição de Lula ganha ares divinos em meio à tragédia da “nova era”. Direita lúcida parece capitular.

Debate sobre grupos prioritários naturaliza absurda incompetência governamental e, ainda por cima, despreza profissionais da saúde mental.