Correio da Cidadania

Bolsonaro começa a derreter

Irresponsável, Bolsonaro ignora coronavírus e brinca com saúde da ...


Duas pesquisas foram publicadas na semana passada sobre o desempenho do governo. A pesquisa DataFolha ainda não estava disponível na íntegra enquanto escrevi o artigo, o que dificulta sua análise total. De qualquer forma, em ambas se apresentam elementos interessantes e todos eles apontam para um derretimento, mesmo que as pesquisas divirjam sobre o ritmo, do apoio ao governo de Bolsonaro.

A avaliação do governo, segundo a pesquisa da XP Investimentos, mostra que a avaliação positiva do governo caiu 2 pontos percentuais em 15 dias (havia caído de 34% para 30% e agora para 28%). No meio de março não havia ainda reflexo na avaliação negativa, que se manteve em 36%, mas passados quinze dias de impacto da pandemia na vida das pessoas, o crescimento das avaliações negativas foi de 6 pontos, chegando a 42%.

Os números encontrados pelo DataFolha também mostram um crescimento da avaliação negativa em cinco pontos percentuais (de 33% para 39%). E uma queda de 2% na positiva, que ficou em 33%.

Quem está conseguindo capitalizar mais o enfrentamento da crise são os governadores e o ministro da Saúde.

A XP mostra um crescimento acentuado da aprovação dos governadores, passando de 23% para 44% as avaliações positivas em um mês. Para a DataFolha essa aprovação oscilou de 54% para 58%.

A imagem do Congresso também melhorou para a XP, que mostra uma queda da avaliação negativa do Congresso (caiu de 44% para 32%), melhorando avaliação regular (de 37% para 45%) e positiva (10% para 18%).

Tanto na XP quanto na DataFolha fica evidente que a confiança no ministro Mandetta está em alta. Na XP sua atuação avaliada é considerada positiva para 68% dos entrevistados e para o DataFolha esse percentual chega a 76%. Na outra ponta, apenas 29% consideram positiva atuação de Bolsonaro no gerenciamento da crise.

Tendo por base a pesquisa da XP, podemos afirmar que todas as perguntas sobre efeitos econômicos da pandemia possuem percepção negativa da população. No geral a percepção é de que a vida vai piorar e que seus empregos serão permitidos. São 82% que consideram que terão impacto financeiro nas suas vidas.

Levando em conta apenas os dados da XP, fica evidente que o medo da população com efeitos da pandemia está aumentando (muito medo subiu de 23% para 37%, por exemplo). Aumentou o percentual que afirma conhecer pessoas infectadas (pulou de 2% para 9%).

Dado muito relevante para explicar a queda de aprovação do presidente é que 80% apoiam o isolamento social. E apenas 12% concordam totalmente com a ideia do Bolsonaro de isolamento vertical, mesmo que ainda apareçam 22% que concordam em parte. Esse número, com o agravamento da pandemia, deve cair.

Para a XP os segmentos que estão puxando a avaliação negativa do governo são:
Nordeste (56%), Jovens (50%), Classe média (49%), Nível superior (48%) e Cidades grandes (55%).

O que podemos deduzir da fotografia (mesmo faltando dados mais detalhados do DataFolha)?

1. Há uma clara tendência de queda de popularidade do governo Bolsonaro;

2. A sua postura de defesa do isolamento vertical, entrando em guerra com demais poderes, mídia e o próprio Ministério da Saúde, é de caso pensado, tentativa de manter sua base eleitoral ou, pelo menos, reduzir a sangria. Sobre o sucesso dessa empreitada, os números são contraditórios, mas há clara tendência de continuidade do sangramento da base, vide impacto maior na classe média;

3. O agravamento da pandemia e da crise econômica conspiram contra o presidente. Recessão e mortes não colocam sua aprovação a salvo, pelo contrário. Sua aposta de que a pandemia não será tão grave (difícil saber qual o parâmetro que o leva a medir dessa forma) e de que sua postura de defesa dos empregos contra a histeria manterá parte de sua base no seu entorno, não parece ter elementos presentes de sucesso nas duas pesquisas;

4. Os governadores estão se tornando os principais beneficiados da crise. Não serão responsabilizados pelo desemprego e aparecem, pelo menos no momento, como gestores responsáveis por tentar salvar vidas. É lógico que a aposta de Bolsonaro é que ocorra uma pressão violenta pelo retorno as atividades a curto prazo e que isso vire o jogo, jogando o desgaste nas costas dos governadores. A experiência mundial não aponta existência desse fenômeno.

5. A governabilidade de Bolsonaro para essa virada de jogo está diretamente relacionada com a percepção da gravidade da pandemia e a necessidade de prorrogação das medidas de isolamento ou até de aprofundamento das mesmas (como tem acontecido em vários países, passando para o confinamento e paralisação maior de atividades econômicas). As pesquisas mostram que o medo está crescendo na proporção que mais pessoas se contaminam e morrem. E isso, pelo menos no próximo mês, não vai diminuir.

O derretimento de sua popularidade pode levar a que Bolsonaro seja pressionado a fazer uma guinada no seu posicionamento, tipo a que Trump fez? Teoricamente sim, mas existem dúvidas fundadas sobre sua capacidade de agir de maneira racional.

Caso não consiga dar este “cavalo de pau” e reverta o derretimento, ao final da pandemia seu governo estará bastante isolado. E as alternativas de encurtamento de seu mandato entrarão, de fato, na agenda política.

Luiz Araújo é professor da Faculdade de Educação da UnB.
Blog: https://rluizaraujo.blogspot.com