Correio da Cidadania

Na geopolítica não existe humanidade e nem respeito pelo povo. O poder nunca tem rosto humano.

Entrevistamos o professor e advogado Pietro Alarcón, colaborar internacional do movimento que chegou em segundo lugar no pleito de 17 de junho.

Nada no governo de López Obrador aponta para uma mudança substancial no regime, mas ao menos não o aprofunda.

38 mil foram presos, por serem estrangeiros. Um milhão podem ser deportados. Crianças aprisionadas podem nunca mais encontrar os pais.

O triunfo de López Obrador é uma boa notícia para a democracia de um país tão etiquetado como ‘ditadura perfeita’. E só.

Um destacado artigo do filósofo italiano falecido em 28 de junho.

Segunda parte do relato da campanha zapatista para as eleições presidenciais mexicanas, em 1º de julho.

Apesar do retorno do uribismo ao governo, o resultado do Movimento Colômbia Humana, de Gustavo Petro, é histórico.

Sobre uma escalada de violência que não era vista desde a ditadura de Somoza, falamos com Humberto Meza, jornalista nicaraguense residente no Brasil.

Falamos com o deputado francês Eric Coquerel, dirigente do Parti de Gauche, que fez parte da coalizão, e descreveu o atual cenário político do país.

Querem vender a ideia de que o ETA foi derrotado por conta dos créditos políticos dessa narrativa de vitória, cimentada na dureza da ação jurídico-política, no monopólio da violência; na doutrina do inimigo interno.

Conversamos com Margarita Lopez Maya, historiadora e socióloga da Universidade Central da Venezuela, além de autora de diversos livros sobre o processo político de seu país.