Correio da Cidadania

Fundo Amazônia: a mentira do Pinóquio


Imagem: ClimaInfo


O ministro do Meio ambiente, Ricardo Salles, em entrevista à Jovem Pan, disse que as ONGs foram beneficiadas com recursos do Fundo Amazônia (FA) em detrimento dos governos estaduais e federal.

É só ir até o relatório do FA de 2018, para conhecer a verdade sobre a distribuição dos recursos.

Conforme o balanço de 2018, do Fundo Amazônia, já foram desembolsados R$ 1.063.697.557,14 para custear projetos desde que as doações começaram. Desses recursos, 44% foram destinados a projetos aprovados para o terceiro setor e 56% para projetos do setor público, dos quais 34% são projetos com a União e 22% projetos com governos estaduais e municipais.

Mas ao compararmos a quantidade de projetos, pode-se perceber uma discrepância brutal. Pois a União e os estados juntos receberam R$ 1,099 bilhão para 31 projetos aprovados; em contrapartida, o Terceiro Setor (ONGs) e Universidades receberam R$ 722 milhões para 64 projetos aprovados. Ao longo de 10 anos.

Menor número de projetos para Estados e União contemplados com mais recursos.

União: 9 projetos – R$ 521 milhões
Estados: 22 projetos – R$ 578 milhões
Terceiro Setor: 58 projetos – R$ 706 milhões
Universidades: 6 projetos – R$ 16 milhões

Leia também:

Ricardo Salles, Bolsonaro e o Big Bang ambiental no Brasil

Telma Monteiro

Ativista sócio-ambiental, pesquisadora e educadora

Telma Monteiro