Projeto de lei em regime de urgência

TCE-RJ aponta sobrepreço na compra de respiradores | Agência Brasil
Um deputado de esquerda apresenta o projeto de lei que visa retirar dos médicos a “escolha de Sofia” de quem ganha um respirador na fase mais grave do ataque do coronavírus e, assim, passa a ter maior probabilidade de viver.

Este projeto está sendo esperado por todos os deputados, tendo sido acordado que ele e suas eventuais emendas serão aprovados no mesmo dia. A votação unânime de lideranças e a presença mínima conseguida através de videoconferência e mais algumas presenças físicas garantem a legitimidade do processo legislativo.

O autor do projeto argumenta que o princípio usado pelos médicos até o momento de sempre ganhar o doente mais jovem, pois pouco viveu, não necessariamente é justo. Por exemplo, se for comparado um bandido jovem, autor de vários assassinatos, e um religioso que dedicou a sua vida a obras sociais, o mais jovem não é uma boa opção.

No projeto, recebe o respirador o doente que tiver o melhor “currículo social”, no qual são considerados nobres os profissionais das áreas da saúde, do ensino e da pesquisa, os servidores públicos e aqueles que exercem atividades de contribuição social. Neste instante, ouve-se a voz de um congressista do plenário.

- Este projeto de Vossa Excelência é extremamente meritório e importante, porque resolve uma questão crucial, neste momento de calamidade. No entanto, eu gostaria de sugerir um adendo, que é a inclusão de um artigo que proíbe os “negacionistas” de receberem respiradores, uma vez que, ao negarem a gravidade da crise, ao negarem a possível falta futura deste equipamento, eles dificultaram a sociedade de se preparar para o combate à esperada escassez deles.

Outra voz ecoa vindo da tela dos “presentes” graças ao vídeo.

- Tenho dúvida se há necessidade deste projeto. Contudo, como ele pode vir a ser aprovado, devo propor, agora, a correção de uma injustiça contida nele.

Contribuem socialmente, também, os empreendedores, os empresários, que criam os empregos.

O presidente da sessão, querendo impor a ordem, passa a palavra para o primeiro inscrito. Até então, tinha a palavra quem fosse mais ágil.

- Desejo saber como se vai ter o “currículo social” a tempo da tomada de decisão. O vírus não espera.

- O próprio médico pode fazer perguntas sobre o paciente aos seus familiares e amigos ou podem ser usados os dados do levantamento que a “Inteligência” do Executivo vem fazendo das lideranças da nossa sociedade, há algum tempo. Mas, é preciso interpretar este levantamento com outra ótica, ou seja, uma pessoa com compromissos sociais não é uma ameaça à sociedade. Aliás, ela é benéfica à sociedade.

- Tenha a palavra, o segundo escrito, Excelentíssimo Deputado do recém-criado partido.

- Grato. Quero concentrar minha intervenção na valorização da geração de empregos, já mencionada. Têm-se má distribuição de renda. Pois uma maior geração de empregos contribui para a melhoria desta distribuição. O combate à fome é desejado e os empregos também a combatem. Assim, quem mais tem capacidade de gerar empregos, maior contribuição dá à sociedade. E quem tem maior capacidade de gerar empregos é quem tem maior patrimônio.

- Agora, pela ordem de inscrição, tenha a palavra Excelentíssimo Pastor.

- Estamos aqui buscando salvar os melhores da nossa população, tarefa que só poderia ser bem executada por Deus. Assim, estamos tendo a pretensão de substituir Deus. Quem somos nós, além de reles pecadores? Mas, temos uma questão prática, que é a escolha dos critérios de quem vive e quem morre.

Proponho que entreguemos a questão de volta ao Divino, bastando perguntar aos doentes: “Você tem fé?” ou “Você acredita que Deus existe?” ou “Você professa alguma religião?” Merecedores dos respiradores são aqueles que têm fé.

Neste momento, um deputado manda este whatsapp para um colega: “estou aqui fazendo número porque o Presidente da Casa pediu muito que participasse desta videoconferência. Hoje, vejo o acerto que fizemos ao aceitar as contribuições dos donos de capital para nossas campanhas. Pensei que eles ajudariam só na eleição. Mas eles nos ajudam e às nossas famílias a viver. Não será o caso, se Deus quiser, mas se o pior acontecer, já soube que temos respiradores garantidos”.

Paulo Metri

Conselheiro do Clube de Engenharia

Paulo Metri

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados