Correio da Cidadania

Logo depois da posse, Obrador tomou decisões para encarar questões que pressionam a administração.

2020 é logo ali: democratas poderão nomear presidentes de comissões e emparedar Trump por suas contas pessoais.

Quarenta e seis por cento das pessoas vivem abaixo da pobreza, sendo que 25% estão ameaçadas de cair para essa situação.

Porém, não é de se crer que os empresários ingleses tenham muito a temer do “socialismo do futuro”.

Cansaço começa a abater centro-americanos, também pressionados pela repressão militar ordenada por Trump.

O rei Salman deve ter aprendido que não foi uma grande jogada ceder tanto espaço a seu filho dileto.

Sumiço do jornalista Jamal Khashoggi traz hipótese de sanções à Arábia Saudita; mas poder de barganha do reino é imenso.

Neste ano, atos de representantes dos EUA no Afeganistão entraram no foco do TPI.

Em dois anos, sobram gestos autocráticos de Trump que geram instabilidade e empobrecimento globais.

Constrangimento internacional não deve bloquear o business as usual, ainda que a responsabilidade de Bin Salman salte aos olhos.

A situação do país, que já era grave, tende a piorar ainda mais.

Hipocrisia do lobby anglo-israelense ataca, mas ala esquerda do partido de Corbyn segue a se fortalecer.