Correio da Cidadania

A “nova era” parece interessada em ingressar nesse pequeno grupo que se opõe ao concerto mundial.

Retorno dos negócios com Irã e relação com o Hizbollah mostram que Europa não quer se submeter como antes.

Enquanto as tensões aumentam, elencamos dez agressões dos EUA aos países do “quintal”.

A perversidade do Estado israelense continua a se superar.

É muito grave uma política externa orientada pelos tortuosos desígnios de Donald Trump.

Posições pró-Palestina se ampliam no partido e vencem batalhas no Congresso.

Não sabemos se as duas partes terão consciência de fazer concessões e evitar que o país vire uma nova Síria.

Saída do general Mattis da Secretaria da Defesa não se deve gerar mudanças básicas na política externa dos EUA.

Em troca de promessas vagas e abstrações, viagem de Bolsonaro aos EUA fez autênticas doações a Trump.

Filial da Al-Qaeda tenta atacar Idlib, mas já não tem como derrotar as forças de Assad.

Mais de 1000 já tentaram fugir do país, após sofrerem tratamentos bárbaros da família e discriminação da justiça.

Não se sabe de nenhuma vantagem econômica concreta em priorizar os EUA frente à China nas relações do Estado brasileiro.