Pobre Amapá

Pobre Amapá
Durante quatro dias, 700 mil habitantes do Amapá ficaram inteiramente no escuro. A causa do “apagão” é simplesmente inacreditável. Um raio atingiu a subestação de energia da capital. O equipamento deveria ter proteção para esse tipo de acidente natural. Não tinha. O transformador principal e o auxiliar deveriam ter impedido a desativação da central. Não impediram.

Mesmo assim, a reativação imediata teria que ser assegurada pela redundância dos equipamentos. Não havia essa duplicidade. Por fim, uma equipe técnica no local deveria agir imediatamente para restabelecer o funcionamento da subestação o mais rápido possível. Nem isso aconteceu.

O Amapá só começou a ser reconectado ao sistema integrado nacional a partir das três hidrelétricas do rio Araguari (uma estatal e duas privadas) em conexão com a hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, graças à mobilização de técnicos da Eletronorte e da Eletrobrás, transportados por avião da FAB junto com os equipamentos necessários, a partir da sexta-feira.

O prejuízo material foi grande. O imaterial, difícil de ser calculado, pelos dramas e privações que acarretam aos seres humanos, se revelará muito maior se for devidamente apurado por investigação oficial, dos órgãos de controle do setor (o ONS e a Aneel), mas também pelo Ministério Público e a Defensoria, além dos particulares que tomarem essa iniciativa.

Todas as demandas devem se dirigir contra a LMTE, subsidiária da multinacional espanhola Isolux Corsan, vencedora da concorrência pública para a linha, em 2008.
Ela é a concessionária e responsável por todo sistema.

O acidente revela novamente a falta de investimentos e de manutenção adequada nas extensas linhas de transmissão de energia que atravessam o Brasil, principalmente do Pará e de Rondônia para o sul do país, com mais de dois mil quilômetros de comprimento.

Como o Amapá fica longe demais do centro do poder nacional, o presidente da República não se deu ao trabalho de ir ver a situação e a imprensa tratou do grave acontecimento com desinteresse e desconhecimento de causa.

A imagem deste artigo mostra populares em protesto contra o apagão de energia em Macapá, capital do Amapá, no dia 07 de novembro de 2020
(Foto: Rudja Santos/Amazônia Real)

Lucio Flavio Pinto é jornalista e colaborador do Portal Amazônia Real, onde este artigo foi originalmente publicado.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados