Estado laico: Estado do Povo

0
0
0
s2sdefault

Resultado de imagem para trabalhadores brasileiros
A palavra “laico” ou “leigo” (em português) deriva da palavra “laikós” (em grego), que significa “do Povo”. Neste sentido, todos e todas somos igualmente laicos ou leigos, ou seja, “do Povo“.  

Portanto, o Estado - em nível local (governo municipal), regional (governo estadual) e nacional (governo federal) - é do povo (popular). É o povo que faz o Estado, pela prática da democracia indireta (eleições livres de seus representantes) e da democracia direta (plebiscitos, referendos e leis de iniciativa popular). O povo é soberano e não pode ser manipulado, comprado e usado por grupos poderosos, em função de seus interesses econômicos e políticos.

Outro Brasil é possível e necessário! Como povo de trabalhadores e trabalhadoras, que produzem todos os bens do país, precisamos com urgência tomar as rédeas do Estado (Poderes Judiciário, Legislativo e Executivo), que é nosso, construindo o projeto popular (social, econômico, político, ecológico e cultural), que é a Sociedade do Bem Viver e do Bem Conviver, ou, à luz da Fé, o Reino de Deus na história do ser humano e do mundo.

Poder é serviço. Todos e todas temos algum poder, que devemos exercer em benefício do bem comum. Nas eleições precisamos escolher partidos ou correntes de partidos e políticos(as), que estejam imbuídos(as) desse espírito e se identifiquem com o projeto popular, como projeto alternativo ao projeto capitalista neoliberal, que - por ser um projeto estruturalmente desigual e violento, iníquo e perverso, injusto e antiético - não pode ser reformado ou humanizado, mas deve ser superado.

Sendo a história um processo dialético (contraditório), a única coisa que podemos fazer - enquanto construímos (dando passos concretos), no meio de contradições e ambiguidades, o projeto popular - é amenizar, com programas sociais assistenciais e promocionais, os efeitos deletérios do projeto capitalista neoliberal para a maioria do povo. Os(as) que estão preocupados(as) com a “governabilidade capitalista neoliberal” e a reforçam com sua prática política, não estão comprometidos(as), mesmo que digam o contrário, com o projeto popular.

Entre os partidos ou correntes de partidos e seus políticos(as), que defendem a construção do projeto popular e os partidos ou correntes de partidos e seus políticos(as) que defendem a manutenção do projeto capitalista neoliberal - numa prática coerente (não oportunista), humana e ética - não dá para fazer “aliança” (que é “comunhão de projetos”), mas somente “acordos pontuais” (muitas vezes por razões diferentes e até opostas) em determinadas situações conjunturais concretas.

Lembremos disso nas eleições! Não nos deixemos enganar por políticos(as) oportunistas, hipócritas e demagogos, que usam todos os meios - inclusive a religião e o nome de Deus - para legitimar situações políticas injustas, desumanas, antiecológicas e antiéticas, e para defender seus próprios interesses e os dos grupos políticos poderosos aos quais servem e dos quais são meros fantoches.  

O Estado do Povo (laico) e todas as realidades temporais são autônomos, em sua estrutura e funcionamento. Não dependem de nenhuma religião ou igreja. Por exemplo, não existe partido político “cristão”. O que existe é somente partido político, que - em seus quadros - pode ter cidadãos(ãs) que são também cristãos(ãs). Não existe democracia “cristã”. O que existe é somente democracia, que pode ser praticada por cidadãos(ãs) que são também cristãos(ãs).

Por autonomia das realidades temporais entende-se que “todas as coisas possuem consistência, verdade, bondade e leis próprias, que o ser humano deve respeitar, reconhecendo os métodos peculiares de cada ciência e arte”.   

As realidades temporais e as da Fé “têm origem no mesmo Deus. Antes, quem se esforça com humildade e constância por perscrutar os segredos da natureza, é, mesmo quando disso não tem consciência, como que conduzido pela mão de Deus, o qual sustenta as coisas e as faz ser o que são” (Concílio Vaticano II. A Igreja no mundo de hoje - GS 36).

Portanto, a Fé - se for verdadeira - não aliena e não é ópio do povo, mas é uma luz que ilumina a razão para que o ser humano possa entender melhor e mais profundamente o sentido de sua vida e de todas as formas de vida que existem no mundo. “A fé esclarece todas as coisas com luz nova. Manifesta o plano divino sobre a vocação integral do ser humano. E por isso orienta a mente para soluções plenamente humanas" (GS 11).  

O plenamente humano, para os cristãos(ãs), inclui a dimensão da Fé. Quando verdadeira, a Fé humaniza, torna o ser humano mais ser humano. O autêntico cristianismo é um humanismo pleno (radical). Ser cristãos é ser plenamente (radicalmente) humanos. O plenamente (radicalmente) humano é cristão (divino em Cristo) e o cristão é plenamente (radicalmente) humano. "Todo aquele que segue Cristo, o Homem perfeito, torna-se ele também mais ser humano" (GS 41).   

Como seres humanos e como cristãos(ãs), lutamos por um humanismo pleno (radical) que seja natural e um naturalismo pleno (radical) que seja humano. A natureza é o jardim e o ser humano, o jardineiro. O jardim não existe sem o jardineiro e o jardineiro não existe sem o jardim.

Em tempo de eleições, estejamos de olhos bem abertos e gritemos alto e bom som: o Estado é do povo (laico), o Estado somos nós!


Frei Marcos Sassatelli é frade dominicano e teólogo.
 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados