0
0
0
s2sdefault

altSem uma visão sistêmica do ciclo das águas e sem uma ética do uso da água que implique o cuidado dos mananciais, comprometeremos sempre mais o abastecimento humano, a dessedentação dos animais e os demais usos. O óbvio ulula.

0
0
0
s2sdefault

altEm um momento que deveria ser de amplo debate nacional sobre o Código de Mineração, assistimos, dentro de um cenário de seca sem precedentes no Sudeste brasileiro, a construção do mineroduto da Anglo American.

0
0
0
s2sdefault

altOs desenvolvimentistas apostam em mais do mesmo. Sinceramente, não percebo que governos, gestores e consumidores realmente compreendam a dimensão da crise e que as soluções passam pelas mesmas recomendações que cientistas, pesquisadores e ambientalistas fazem há mais de uma década.

0
0
0
s2sdefault

altSem a Amazônia para gerar chuvas e sem o Cerrado para armazenar e distribuir nossas águas, é fácil entender o que está acontecendo com todas as bacias brasileiras que estão secas nesse momento: São Francisco, Grande, Doce, Piracicaba, Mogi e assim por diante.

0
0
0
s2sdefault

altPara nossa sorte – dos “comuns dos mortais” – um número crescente de “especialistas” e de “não-especialistas”, mundo afora (mais em outros países do que aqui no Brasil), está contando coisas que nos ajudam a superar nossas dúvidas e a começar a compreender o que se passa.

0
0
0
s2sdefault

altJá passou do tempo de utilizar a estratégia de somente contar vantagens sobre este empreendimento, e impedir a discussão crítica do modelo adotado, impondo esse modelo, pela força, como opção única.

 

0
0
0
s2sdefault

altO documentário “Entre a Cheia e o Vazio” é um recorte de uma batalha de sentidos em torno dos efeitos de larga escala produzidos pelas Usinas Hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira, o afluente mais caudaloso do Amazonas. Batalha que se intensificou com a chamada “cheia histórica” de 2014.

0
0
0
s2sdefault

altNão queria estar na pele de Geraldo Alckmin quando essa eleição passar. Quando os “sem água” saírem às ruas, como fizeram em Cochabamba (Bolívia), em Rosário (Argentina), a classe política vai conhecer o que é a fúria popular causada pela sede.

0
0
0
s2sdefault

altEsta situação por que passa a população paulista e paulistana poderá se estender a outras regiões do país nos próximos anos, caso persistam a má gestão, o desperdício e a devastação de nossas florestas. É um alerta à questão da privatização dos nossos bens naturais.

0
0
0
s2sdefault

altO problema maior do Brasil nesse momento de diminuição das chuvas reside exatamente aí: para muitos especialistas estamos causando a “ruptura no ciclo de nossas águas”. Por um detalhe que merece atenção.

 

0
0
0
s2sdefault

altO desmatamento progressivo da floresta e a degradação decorrente dessas atividades exploratórias na região estão destruindo tal capacidade de regulação climática da Amazônia, o que pode nos levar a mudanças abruptas e profundas no clima do continente – como, por exemplo, a prolongada estiagem que São Paulo vive em 2014.

 

0
0
0
s2sdefault

altOs problemas hídricos de hoje, se os levarmos a sério, não apenas do ponto de vista eleitoreiro, são o começo da “vingança da natureza” contra uma civilização predadora.