0
0
0
s2sdefault

Mais uma vez, os brasileiros esperavam dos norte-americanos boa vontade com suas exportações sem contrapartida imediata.

0
0
0
s2sdefault

A incipiente acomodação política do trabalhismo tropical teria sido escolha consciente, não imposição externa.

0
0
0
s2sdefault

A intermediação do Brasil e da Turquia entre EUA e Irã foi sem sombra de dúvida importante, embora sem êxito no final.

0
0
0
s2sdefault

Mudanças de governo no Brasil e EUA nos últimos períodos e a questão nuclear. Um problema de interesse global.

0
0
0
s2sdefault

A Casa Branca gostaria que suas companhias participassem das obras de infraestrutura dos megaeventos esportivos.

0
0
0
s2sdefault

Com a vitória sobre Serra, vieram a lume na política externa os primeiros traços de que ela não adotaria o mesmo ritmo do predecessor.

0
0
0
s2sdefault

Desta vez, seria o retorno momentâneo do realismo e o reconhecimento dos limites do país como potência.

0
0
0
s2sdefault

Chega-se ao fim de 2016 nos Estados Unidos com o lamento de parte da população acerca do resultado da eleição presidencial.

0
0
0
s2sdefault

A postura esperançosa - ou melhor, idealizada – da política externa no curto prazo se sobreporia às críticas de longa duração.

0
0
0
s2sdefault

Malgrado a preferência dos norte-americanos, o importante para Brasília seria a necessidade de reformar o CS-ONU, ou seja, alargá-lo.

0
0
0
s2sdefault

A gestão petista procurava emaranhar-se no torvelinho de grandes questões internacionais por duas motivações imediatas.

0
0
0
s2sdefault

altOs Estados Unidos desejavam aplicar sanções ao Irã, porém o Brasil discordava de seu emprego, por avaliá-las contraproducentes – isolá-lo não barraria o andamento da execução da política nuclear, nem contribuiria para torná-lo mais democrático ou amistoso.