0
0
0
s2sdefault

Não é só pelo lenço que lutam as mulheres, lutam pela dignidade de serem mulheres propositivas dentro e fora de suas comunidades.

0
0
0
s2sdefault

O papel da Academia Angolana de Letras, fundada em 2016, na sociedade deste país africano.

0
0
0
s2sdefault

No futuro, cada um desses presidentes estadunidenses, desde Truman, precisará ser colocado no devido lugar: criminosos de guerra.

0
0
0
s2sdefault

O atentado na capital Mogadíscio pode ser consequência de mais de duas décadas de guerra civil. Entenda um pouco da história deste combalido país e o que o levou à atual situação de caos social.

0
0
0
s2sdefault

Venezuela, Israel, Palestina, Iêmen mostram a dupla moral da mídia comercial na abordagem de tragédias humanas.

0
0
0
s2sdefault

Nesta entrevista, o ativista socioambiental Miguel de Barros conta a experiência de movimentos sociais e comunitários de Guiné Bissau na gestão sustentável de florestas e ecossistemas.

0
0
0
s2sdefault

Em 6/11, a Arábia impôs bloqueio a um Iêmen martirizado por dois anos de guerra; mais de 20 milhões precisam de ajuda.

0
0
0
s2sdefault

É patente a flexibilidade de critérios usados pela mídia conservadora para definir regime político no planeta.

0
0
0
s2sdefault

A luta feminista não é contra o sexismo alarmante do patriarcado apenas, mas contra todas as formas de opressão.

0
0
0
s2sdefault

Médico palestino responde às elaborações de um partidário do sionismo e suas políticas de destruição de um povo.

0
0
0
s2sdefault

No mês de outubro, dois atentados chacoalharam a Somália e deixaram, somados, quase 450 mortos. O grupo jihadista Al-Shabbab assumiu a autoria do segundo atentado, contra alvos militares, embora boa parte da sociedade somali atribua a ele a autoria também do primeiro, que visou alvos civis. O Governo Central prometeu uma ofensiva. Entrevistado pelo Correio da Cidadania, o sociólogo e pesquisador do continente africano Daniel Cunha atribui tamanha tragédia aos desdobramentos de mais de 20 anos de guerra civil.

0
0
0
s2sdefault

Conversamos com Aritz García, que atuou como observador de direitos humanos para o referendo, em Barcelona.