altQuando o entrevistei longamente em 2003, dom Paulo já era um homem combalido, que caminhava com dificuldade e tinha problemas de audição – decorrentes, esclareceu-me, de ferimentos sofridos quando de uma tentativa de sequestro num país latino-americano (pretendiam obter, em troca, a liberdade de um chefão do narcotráfico). Tal entrevista permanece bem atual, daí reproduzirmos aqui seus principais trechos.

 

altPara analisar tais problemas do desenvolvimento capitalista brasileiro não nos serve a economia política weberiana, nem a dos “capitais culturais” de Bourdieu, e muito menos a clássica liberal, a neoclássica neoliberal ou a “marxista-keynesiana”.

altDessa avaliação dependerá, em grande medida, o futuro do processo de reorganização aberto pelo fim do ciclo de hegemonia do petismo/lulismo. Infelizmente, aqueles que perderem a bússola de classe naufragarão.

 

altEssa é a frase que mais ouvi nos últimos tempos, de pessoas tão diferentes, que nem se conhecem. Ou nos reconciliamos na justiça, ou jamais nos reconciliaremos.

altA foto de Temer sob pressão tucana, expressa, mesmo timidamente, a campanha já assimilada por uma ala do PSDB do Fora Temer.

 

altO arquivamento do pedido de impeachment de Gilmar Mendes, enquanto ainda tramitava no Senado, não surpreendeu Fábio Konder Comparato, um dos integrantes do grupo de juristas que apresentou o pedido.

 

altÉ de se notar no último período uma prevalência de mudanças impactantes no âmbito jurídico, com um aparente esvaziamento do papel do Poder Legislativo nas tarefas estratégicas de dominância.

alt“Só quatro partidos votaram a favor da abertura de voto para a anistia ao caixa 2. Os outros não disseram a que vieram”.

 

altUma das bandeiras de luta para os próximos passos é anular, através de um plebiscito nacional, as decisões tomadas pelos traidores.

altO governo atual voltou com o discurso do “combate à seca”, eliminou os programas de convivência com o Semiárido e despejou novamente os recursos no Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DENOCS), sob comando do PMDB. O raciocínio dispensa comentários.

altNas prisões dos peixes grandes, ficou estranha a coincidência entre a prisão de Garotinho e uma gravação de voz atribuída a ele em que se mostra satisfeito por seu processo ter ido para uma relatora do TSE.

 

altÉ facilmente compreensível (e respeito esta posição) que os garantistas ou abolicionistas queiram preservar a pureza e a coerência não violenta da pena em si. Contudo, há um dilema fundamental.