topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Fome no mundo Imprimir E-mail
Escrito por Dom Demétrio Valentini   
Quarta, 27 de Agosto de 2014
Recomendar

 

 

Em tempos de campanha eleitoral, é bom dar-nos conta que existem outras “campanhas”, mais arejadas e mais claras em seus objetivos.

 

Uma delas, sem dúvida, é a campanha contra a fome no mundo, lançada pela Cáritas Internacional, e assumida pelas cáritas nacionais, em mais de 150 países. Uma campanha, portanto, que conta com o apoio institucional de uma das organizações mais ativas hoje no mundo.

 

O lema da campanha é abrangente e motivador. “Uma família humana, pão e justiça para todas as pessoas!”

 

Se todas as cáritas estão dispostas a abraçar esta campanha, podemos dizer que a Cáritas Brasileira se sente particularmente envolvida, dado que o Brasil é um dos maiores produtores de alimentos no mundo.

 

Esta constatação nos apresenta diversas interpelações. Com vastas extensões de terras cultiváveis, e sendo um dos poucos países que ainda podem estender sua fronteira agrícola, ao se falar em fome o Brasil precisa mesmo se sentir questionado.

 

Com a pauta de exportações de alimentos tão significativa, o Brasil bem que poderia urgir uma política mundial de produção e distribuição de alimentos, que superasse a esfera meramente comercial dos produtos alimentícios.

 

Pois de fato, uma das questões pendentes em todas as esferas políticas é o caráter prioritário que deveria merecer a circulação mundial de produtos alimentícios. O alimento não pode ser relegado à condição de mera mercadoria.

 

Neste sentido, é evidente a complexidade da questão, pela incidência que uma determinada decisão tem sobre outras. As medidas adotadas para a esfera da comercialização têm reflexos imediatos na esfera da produção. É por isto que a agricultura é a atividade econômica que mais precisaria ser regulamentada com critérios humanitários, sem desconhecer sua dimensão comercial, que também precisa de adequada valorização.

 

Pois às vezes acontece que uma determinada ação governamental para baixar os preços dos produtos agrícolas acaba penalizando os agricultores que os produziram.

 

Tudo isto para dizer que esta campanha contra a fome no mundo tem horizontes amplos e traz questionamentos de ordem política e administrativa.

 

Mas, independentemente destas complexidades, a campanha tem caráter de urgência, pode contar com a adesão de todos e se expressar através de diversas iniciativas, que precisarão contar necessariamente com a arrecadação de recursos financeiros, cujo destino poderá ser convertido em alimentos que possam chegar ao alcance dos mais de um bilhão de famintos no mundo.

 

Assim, o sistema financeiro, que é o setor que mais lucra com a ordem econômica vigente hoje no mundo, poderá prestar o bom serviço de ser o mediador da solidariedade humana, neste causa tão nobre de saciar a fome dos famintos.

 

Outro aspecto importante desta campanha é o apoio que ela já recebeu do papa Francisco. Para entender o peso deste apoio, é bom dar-nos conta da estratégia do papa em pautar seu pontificado. Ele fez diversos gestos simbólicos, que encontraram grande receptividade no mundo. Mas não bastam os gestos. Ele tomou algumas iniciativas, que podem ser chamadas de exemplares, para sinalizar ações mais envolventes.

 

Pois bem, uma das iniciativas simbólicas foi o apoio dado a esta campanha da Cáritas, que ele quis assumir como sendo de toda a Igreja. Com isto, ele aponta as ações concretas contra a fome, como sendo a maneira prática dos cristãos colaborarem com a vida digna de todas as pessoas. Assim a Igreja atende o apelo de Cristo: “Dai-lhes vós mesmos de comer!”

 

 

D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales-SP.


Recomendar
Última atualização em Qui, 28 de Agosto de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates