topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

A voz dos surdos Imprimir E-mail
Escrito por Paulo Metri   
Segunda, 25 de Agosto de 2014
Recomendar

 

 

Quem lhe fala, na verdade, não quer falar, porque, se falasse honestamente, seu discurso não resistiria a uma análise de interesse social. Por isso, nas poucas oportunidades em que expõe seus pensamentos, pouco é dito, para não causar indignação. Quando lhe perguntam algo inconveniente diretamente, é comum fingir-se de surdo. É esperto, em todos os significados da palavra.

 

O conjunto dos surdos é pequeno, mas, devido às suas capacidades de articulação, ocupam posições-chave de dominação. Quem supõe ter alguma consciência faz o exercício de se colocar em seus lugares e imaginários. Se não for desta forma, a suposta verdade dos surdos nunca aparecerá.

 

Assim o fizemos:

 

Pensamos, resumidamente, da seguinte forma. A vida é curta e a felicidade se concentra em ganhar o jogo do acúmulo e usufruto de riquezas neste pouco tempo. A natureza diferencia os seres humanos e, assim, é natural que eles usem livremente as suas diferentes aptidões. Então, se a diferença entre os humanos representar um crime, sabe-se de antemão que o único culpado é a natureza.

 

Somos acusados de abocanhar a mais-valia alheia, mas as pessoas esquecem que nós entregamos a outra parte, os salários, que permitem aos trabalhadores viverem. Acusam-nos de, através de arapucas políticas criadas e executadas por nós, seguindo leis da nossa lavra, com conflitos mediados por pessoal ciente do nosso interesse e que sabe como agir para crescer, enfim, com nosso poder corruptor de dignidades, nos apropriarmos de grande parte dos recursos da sociedade.

 

A verdade é que retiramos a nossa compensação por bem arquitetarmos um sistema para nos servir. Não é simples articular para ter uma maioria congressual, de lideranças nos executivos e no judiciário, e uma mídia ao seu dispor. Aliás, não somos os beneficiários de todas as apropriações de recursos. Somos, em grande parte, repassadores destes recursos, comprando fidelidades. Quem não tem capacidade de articular e executar um plano é ou incompetente ou preguiçoso. Com o fracasso, passam a aderir às teses do socialismo como única solução para poder melhorar de vida.

 

A natureza ou Deus ou o acaso nos fez voltados a conceber, executar e receber o fruto do nosso trabalho. Entretanto, a grande maioria prefere ser mandada, não quer ter que pensar, tem verdadeiro horror a responsabilidades e não gosta de correr riscos. Como eles podem querer acumular riqueza?

 

Nesta hora, surge uma gama de pessoas mais alertas às perdas internacionais, que pregam a concentração de esforços da sociedade para anular estas perdas, sem tocar em questões internas. Obviamente, somos contra, pois somos os próximos da lista de ataques. Enfim, somos solidários aos empreendedores, não importando a sua origem.

 

Não há a chance de se formar um capitalismo com forte participação de forças nacionais com um mundo tão sem barreiras, todo internacionalizado, sob os ditames da Organização Mundial de Comércio, e com a invasão das multinacionais no país. Por isso, nós nos aliamos ao capital externo para não sucumbirmos.

 

Teoricamente, um governo apoiar o capital nacional, em detrimento do estrangeiro, não é impossível de ocorrer, mas, até hoje, tem sido difícil. Com o alto nível de satisfação do capital externo aos nossos políticos, será sempre difícil de acontecer. Só uma conscientização profunda do povo romperia este casamento antinacional, que, contudo, não acontecerá, principalmente porque nossa mídia, que tem grandes imbricações com o capital externo, nunca deixará tal desvio ocorrer. A realidade é que os brasileiros estão fadados, em grande parte por sua inocência, a ser um povo vassalo. Contudo, o importante é que a vassalagem do povo, felizmente, não diminui nossos ganhos.

 

Neste momento eleitoral atual, nós estamos tranquilos com relação aos três candidatos com reais chances de ser o futuro presidente, porque nenhum deles contesta o sistema instituído por nós. Existem diferenças entre eles, como, por exemplo, um deles, se eleito, irá nos proporcionar mais lucro que os outros dois, mas, em qualquer situação, o lucro estará presente.

 

Se houver alguma possibilidade de maior manipulação da eleição, nosso preferido estará eleito. O candidato com maior penetração nas massas tem a preocupação constante de distribuir renda, que impacta a lucratividade das empresas, mas, ainda assim, é possível ter um bom período com ele.

 

Existe um, que será um erro se for eleito, por ser uma figura instável. Infelizmente, alguns detentores de capital o estão apoiando. Há a tendência de não darmos ajuda a políticos que se supõem autossuficientes e nos dispensam, seus “facilitadores” com o povo, à medida que a popularidade aumenta. Passam a crer que foram ungidos ao poder pelas massas com a ajuda divina. Se acontecer de alguém do tipo chegar lá, poderá dar algum trabalho por querer impor decisões. Mas, com o tempo, terá de se submeter ao nosso sistema, senão não irá governar, ou irá renunciar. Portanto, esta eleição está sob controle, já ganhamos.

 

 

Leia também:

‘Marina é a terceira via dentro do sistema; não visualiza outro modelo de desenvolvimento’

A voz dos mudos

 

 

Paulo Metri é conselheiro do Clube de Engenharia e colunista do Correio da Cidadania.

Blog do autor: http://paulometri.blogspot.com.br/

Recomendar
Última atualização em Quarta, 27 de Agosto de 2014
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates