topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Perigo! O Irã ameaça atender à ONU Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Sexta, 19 de Outubro de 2007
Recomendar

 

 

Mohamed El Baradei, Prêmio Nobel da Paz e diretor geral da Agência de Energia Atômica da ONU, acredita que a crise vai acabar. O Irã concordou em esclarecer tudo sobre seu programa nuclear e permitir inspeções minuciosas em todos os locais onde a Casa Branca acusa estarem sendo produzidas bombas atômicas. Só resta algum receio iraniano de que a assinatura de um sub-protocolo ao Tratado de Não-Proliferação permita ações de espionagem.

 

O presidente Sarkozy, que falava numa “catastrófica alternativa: ‘a bomba iraniana ou o bombardeio do Irã”, o presidente Bush, que vislumbrava a 3ª. guerra mundial, Hillary Clinton, Condy Rice, Robert Gates e outros falcões, que insistiam em manter “todas as opções sobre a mesa”, e o vice Cheny, que pregava “ataques cirúrgicos” contra o Irã - todos eles deveriam estar muito felizes, certo?

 

Errado.

 

Logo que El Baradei reportou o acordo a que chegara com o país dos aiatolás, Bush apresentou ao Conselho de Segurança propostas de novas e muito mais duras sanções contra Teerã. Vetadas pela China e a Rússia, o fiel Sarkozy levou essas medidas terríveis à consideração da Comunidade Européia, num claro desrespeito à ONU. Embora apoiado pela previsível Inglaterra, não conseguiu nada diante da oposição da Áustria, Itália e até da Alemanha. Numa atitude que faria inveja a Blair, seu ministro, o ex-socialista Kouchner, anunciou, então, sanções pela França mesmo que sozinha.

 

Não levaram em conta que o Irã estava prestes a atender precisamente ao que se exigira no início da crise. Aferraram-se ao bordão “eles têm de abandonar o enriquecimento de urânio”, o que, como se sabe, é necessário tanto para usos pacíficos ou militares.

 

A custo, El Baradei conseguiu um prazo até novembro para que o Irã demonstrasse de forma irretorquível sua boa vontade, cumprindo tudo o que se havia proposto.

 

Mas não se pense que, isto acontecendo, Bush e aliados irão se acalmar. Jamais, pois seu verdadeiro objetivo é derrubar o atual regime iraniano, estrangulando sua economia, se possível; destruindo-o militarmente, se necessário. Simplesmente porque não podem tolerar um Irã forte, desafiando sua hegemonia no Oriente Médio. As palavras de Nicholas Burns, subsecretário de Estado do International Herald Tribune, comentando o fornecimento de armas aos amigos da região, não permitem dúvidas: “Este pacote de armas diz aos iranianos que os Estados Unidos são o poder maior no Oriente Médio, continuarão a ser e não irão embora”.

 

As razões são muitas. Saindo do Iraque, os americanos perderiam fatalmente o controle do país, que se aliaria aos seus irmãos xiitas, que são governo no Irã. As imensas jazidas de petróleo, que os americanos pretendem conseguir mediante contratos que estão tentando impor, poderiam sair de suas mãos. O suprimento de petróleo do Oriente Médio, vital para os Estados Unidos, não estaria garantido pela provável hegemonia do Irã na região.

 

Mas a principal razão talvez esteja no receio dos desafios à sua hegemonia mundial partindo num futuro próximo da China e da Índia. Economicamente, a China já causa não poucos problemas aos Estados Unidos. Politicamente, ela vem se opondo aos americanos em um sem número de questões. A Índia, que Bush tentou conquistar com o recente acordo nuclear, já está se afastando, pois esse acordo está para ser cancelado pelo governo de Delhi. Com amplo apoio popular, evidenciado em pesquisa realizada em 31 de agosto, quando 70% da população rejeitaram o alinhamento com Washington.

 

Ora, a expansão destes dois países depende fundamentalmente de energia suficiente, da qual, aliás, são carentes. O Irã, quarto país mundial em jazidas de petróleo e segundo em gás, pode atendê-los. Além disso, controla o estreito de Ormuz por onde passa o tráfego de petrolíferos da Arábia Saudita e outros países árabes. Dominando o Irã, diretamente ou através de um governo títere, os Estados Unidos terão todas as condições para conter as ambições da China e da Índia.

 

Para demonizar o Irã diante do seu público interno, o governo Bush, segundo Larry Chin, no New York Times, desenvolve uma propaganda que é “...incrivelmente semelhante à campanha de Hitler contra a Polônia e a blitzgrieg do 3º. Reich, em 1939”. Apesar disso, em 26 de setembro, pesquisa da Opinion Dynamics mostrava que 54% dos americanos querem que Bush deixe o problema para seu sucessor resolver. Não confiam mais nesse “lame duck”.

 

Em novembro, é bem possível que o problema desapareça sozinho, com os iranianos atendendo às solicitações da Agência Internacional de Energia Atômica, da ONU. O que poderiam então alegar os decepcionados Bush e falcões americanos e europeus? Fácil. Aferrarem-se à proibição de enriquecer urânio é uma possibilidade. Outras seriam as ameaças contra Israel, o apoio ao terrorismo e aos xiitas iraquianos que “matam our boys”, para citar as mais óbvias.

 

Todas altamente discutíveis.

 

Se os iranianos admitirem total transparência não há porque proibi-los de enriquecer o urânio necessário a seu programa de uso pacífico da energia nuclear. Já foi claramente provado que Ahmadinejad jamais falou em “varrer Israel do mapa”, pois tal frase foi erradamente traduzida. O Hezbolah, apoiado por Teerã, não pratica o terrorismo, é um movimento reconhecido legalmente no Líbano. Usou armas do Irã para defender seu país do invasor israelense, esse sim municiado pelos Estados Unidos, num ato pelo menos eticamente condenável. Não está provado que o governo iraniano forneça armamentos às milícias xiitas, mas isso não seria nada reprovável, uma vez que elas estão em guerra com os sunitas, inclusive com a Al Qaeda que, por sinal, tem promovido grande numero de atentados suicidas contra bairros habitados por xiitas.

 

No entanto, todos esses argumentos não pesam muito na Casa Branca.

 

Afinal, como disse o lobo ao cordeiro: “se não é você que está turvando a água que eu bebo, deve ter sido seu pai”.

 

Luiz Eça é jornalista.


Para comentar este artigo, clique aqui.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 19 de Outubro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates