topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Plínio e a ética na política Imprimir E-mail
Escrito por Pe. Alfredo J. Gonçalves   
Segunda, 28 de Julho de 2014
Recomendar

 

 

 

Alguns guerreiros estão nos deixando: Dom Tomás Balduino, Dom Waldyr Calheiros, Rubem Alves e agora Plínio de Arruda Sampaio. Para todos estes – e para um punhado de outros – a bandeira da ética na política estava na ordem do dia. Sequer lhes precisava manifestar abertamente a temática. Ela vinha implícita em seus gestos, palavras, posturas e obras. Impregnava-lhes a vida pública como uma espécie de segunda natureza. Boa parte do século XX e início do século XXI foram palco privilegiado de sua ação pela justiça, pelo direito e pela paz.

 

Mas o último deles – Plínio de Arruda Sampaio – fez dessa bandeira um verdadeiro sacerdócio de toda a sua vida. Homem político por longas décadas, extremamente preocupado com a rex publica, combateu como poucos em favor uma via alternativa ao destino do Brasil. Crítico vivo e ativo de uma política econômica subordinada aos interesses do capital financeiro nacional e internacional, do latifúndio vazio e improdutivo e do agronegócio a serviço do lucro de algumas empresas, bem como dos conglomerados transnacionais, o velho Plínio deixou sua marca de cidadão empenhativo e engajado.

 

Com veemente teimosia profética, lutou por uma maior regulação dos fluxos de capital virtual, os quais, entrando e deixando o país com a velocidade de um toque na tecla do computador, costumam deixar atrás de si um rastro devastador de danos à nação e ao povo. Transformou-se em arauto defensor da reforma agrária e agrícola, mas seu projeto não encontrou boa aceitação naqueles que então detinham as rédeas do poder. Com uma persistência intrépida e indomável, fez de seu tempo e de sua clarividência científica instrumentos de conscientização de grupos, organizações de base, entidades, pastorais, Igrejas, movimentos sociais...

 

De uma forma impressionante, Plínio soube combinar uma postura firme e radicalmente transformadora com um trânsito bastante livre e frequente entre as mais diversas posições políticas. Intransigente naquilo que é inegociável e, ao mesmo tempo, aberto ao diálogo e à colaboração nos pontos de convergência. Incisivo nos argumentos, sem necessidade de ser autoritário; flexível no debate, sem jamais abandonar seus princípios básicos; duro e implacável com os fortes e poderosos, terno e compreensivo com os pobres, indefesos e excluídos.

 

A marca registrada do cientista, professor e político Plínio, entretanto, centra-se na ética quanto ao manejo das questões públicas. Seguir e exprimir publicamente os princípios de retidão e integridade fazia parte de seu DNA. Semelhante comportamento, como é notório, granjeou-lhe aprovação e não poucos amigos e companheiros, é verdade, mas também acarretou-lhe hostilidade e outros tantos opositores. Sua voz, porém, sempre mansa, calma, mas penetrante como faca afiada, jamais silenciou diante das adversidades e perseguições.

 

O velho guerreiro Plínio de Arruda Sampaio, juntamente com seus similares em grandeza ética e envergadura política, partiu como um fruto maduro em experiência e sabedoria. Mas nos legou uma estátua – não em bronze, erguida ostensivamente no meio da praça central, como relíquia de museu para toda a cidade – mas na memória viva de todos os lutadores que buscam um mundo justo, solidário e sustentável. Na lembrança daqueles que, como o apóstolo Paulo, sem orgulho nem falsa modéstia, ao final da vida podem erguer a cabeça e dizer: “combati o bom combate, terminei minha carreira, guardei a fé; só me resta esperar a coroa da justiça que me está destinada” (2Tm 4, 7-8).

 

Padre Alfredinho é formado em teologia e filosofia e colabora com a Pastoral do Migrante da CNBB.


Recomendar
Última atualização em Terça, 29 de Julho de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates