topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O calvário da CPMF Imprimir E-mail
Escrito por Léo LInce   
Qui, 18 de Outubro de 2007
Recomendar

 

O governo federal por inteiro está empenhadíssimo no esforço para prorrogar o imposto do cheque, a mal chamada CPMF. Um espetáculo no qual se movem mundos e, principalmente, fundos para aprovar o emplastro que garante recursos a um governo destituído de criatividade e coragem para atacar a distribuição injusta da carga tributária.

 

Com a liberação de grana grossa para as emendas paroquiais dos deputados, o governo já venceu a primeira etapa com a votação em dois turnos na câmara baixa. Baixíssima, aliás. Agora, pelo que se vê nos jornais, o balcão das barganhas se desloca para o terreno enlameado do Senado Federal, onde a correlação mais equilibrada pode propiciar alguma mudança no remédio amargo. 

 

O governo joga pesado e pisca ao mesmo tempo. O responsável  pela saúde pública diz que os hospitais vão fechar. E o presidente, que chegou a declarar que o governo não se sustenta sem a aprovação da emenda, sinaliza concessões e anuncia que, a partir de agora, a negociação será “explícita”. A julgar pelo que já aconteceu na Câmara, espera-se que tal anúncio seja acompanhado da advertência: tirem as crianças da sala.

 

A CPMF, essa cruz de letrinhas que todo brasileiro que é obrigado a receber em banco o seu minguado salário carrega nas costas, é um confisco que não ousa dizer o seu nome. É natural que sua defesa seja feita nas filigranas do embuste, afinal ela própria é um amontoado de falsificações. A começar pelo nome, falso da primeira até a última letra da sigla.

 

Não é contribuição, mas imposto. Adotou tal pseudônimo para livrar a União de ter que reparti-lo com os demais entes federados.  Não é provisório, pois se eterniza em repetidas prorrogações. E, por último, não se aplica ao que pode ser definido como genuína movimentação financeira. A especulação em bolsa não paga. Salários de qualquer tamanho, proventos e aposentadorias (que não são rendas financeiras) recebem mordidas de tamanho igual ao das grandes fortunas.

 

Quando surgiu, em tempos longínquos, a novidade se apresentava com sua verdadeira face: um confisco temporário para salvar a saúde pública. A saúde não foi salva, parte do dinheiro confiscado, via superávit primário, foi destinado a salvar a saúde da moeda, prioridade máxima do modelo neoliberal. Virou uma muleta bilionária que sustenta a acomodação dos governos. Afinal, não se faz reforma tributária sem tocar nos privilégios dos poderosos, coisa para um tipo de política diferente da atual. 

 

A possibilidade de flagrar sonegadores é a única dimensão defensável do trambolho. Apesar de pouco usada, sem dúvida, é uma dimensão potencialmente positiva e que poderia continuar. Basta adotar uma alíquota simbólica (0,001%) e assumir sua verdade em nome cristalino.   Uma sugestão para manter a sigla: Contribuição Permanente para Marcar Fraudadores.

 

A atual correlação de forças no parlamento brasileiro, infelizmente, não autoriza ilusões sobre mudanças positivas nesta questão. Os jornais estamparam a fotografia da reunião sorridente da tropa da elite no Senado Federal. Alguma coisa pode até ser abrandada, mas os brasileiros que vivem de salário vão continuar sangrando no calvário da CPMF.

 

Léo Lince é sociólogo.

 

Para comentar este artigo, clique aqui.

 

Recomendar
Última atualização em Qui, 18 de Outubro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates