topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Quando a dignidade não morre Imprimir E-mail
Escrito por Feres Sabino   
Quarta, 16 de Julho de 2014
Recomendar

 

 

Os homens dignos, quando falecem, deixam uma espécie de estrela candente na visão e na memória dos que ficam. Com o passado e a legenda que souberam construir, ela representa a prova definitiva de que valeu a pena viver, como valeu a pena morrer. O corpo inerte gera, então, o milagre da intensidade vívida, já que o espírito daquele corpo cede à vida a inspiração do exemplo. A morte, por isso, é uma mentira.

 

Plínio de Arruda Sampaio, revestido da dignidade pessoal, é dessa estirpe que os tremores do tempo não conseguiram apequená-la.

 

Estudou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, tempo em que se tornou membro da Juventude Universitária Católica (JUC). Formado, tornou-se promotor público.

 

Como cristão e católico, vinculou-se à religiosidade da vida militante, vivendo e lutando para que o sentimento da caridade invadisse o espírito e o conteúdo de políticas públicas, até alcançar a rampa da realização da justiça.

 

O padre francês Louis-Joseph Lebret, fonte ideológica assumida pelo Partido Democrata Cristão (PDC), serviu-lhe de inspiração, e, na sua palavra, Lebret “é um padre dominicano, uma figura muito especial, é inclusive o homem que redigiu a Encíclica Popular no Congresso. Ligadíssimo ao João XXIII, ele foi capitão da Marinha francesa. E depois da guerra ele se converteu ao catolicismo. Acabou frade dominicano. E ele tinha uma teoria chamada de economia humana, economia das necessidades. Que não era socialista, nem capitalista. Nós éramos católicos. Mas nós não éramos convencionais. Nós éramos da estação popular, gostávamos do povo e ele nos ofereceu um norte naquele tempo”.

 

Adepto da teologia da libertação, sempre foi a figura de pregação rígida, mesmo com aquela personalidade suave e palavra veraz, que dizia com o coração e a alma o que sonhava para o país.

 

Entre 1962 e 1964, quando deputado federal pelo PDC, foi o relator do projeto da reforma agrária, quando criou a Comissão da Reforma Agrária. Essa matéria já o empolgara como coordenador do plano de ação do governo de Carvalho Pinto, em 1958, nomeado, que fora, para a subchefia de Casa Civil, da qual se desligou em 1961 para exercer o seu mandato.

 

Defensor da reforma agrária na democracia, teria, só por isso, o desagrado impenitente do conservadorismo armado, que, golpeando as instituições, o inclui no primeiro rol das cassações realizadas pelo Ato Institucional n. 1, de 9 de abril de 1964.

 

Antes, durante e depois de 1964, mesmo quando cassado, Plínio foi o mesmo cavaleiro andante, aprofundando princípios e os inter-relacionando com os problemas sociais que marcam o Brasil de nosso tempo.

 

Exilado, foi para o Chile, onde trabalhou, por seis anos, para a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Em 1970, vai para os Estados Unidos e defende sua tese de mestrado em Economia Agrícola na Universidade de Cornell. Retorna ao Brasil em 1976. Ingressa no Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Quando o bipartidarismo morre, funda o Partido dos Trabalhadores (PT), do qual se desliga, após vinte anos, para ingressar no Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), pelo qual foi candidato à presidência da República e ao governo de São Paulo. Justifica essa sua ruptura com a inteligência desta frase: “Eu não saí do PT, foi o PT que saiu de dentro de mim”.

 

Eleito deputado constituinte, foi relator da subcomissão do poder judiciário, membro da Comissão de Sistematização e da Organização do Estado, e presidiu a Comissão de acompanhamento da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). É dele a didática explicação sobre o retrocesso entre o que foi decidido na Comissão de Sistematização e a votação em Plenário, mediante alteração do regimento interno da Constituinte por força de deputados que se uniram num grupo denominado Centrão para seguir as votações, não permitindo os avanços que tanto medo causavam na elite nacional. Por isso, defendeu, com 71 associações, a realização de plebiscito sobre o texto da Constituição.

 

No primeiro governo Lula, coordenou a elaboração do II Plano Nacional de Reforma Agrária, que poderia ter transformado o rosto do país. Em 2009, sua experiência e saber colocaram-no, outra vez, junto aos representantes do episcopado nacional, apresentando-lhes a sua narrativa da realidade brasileira materializada no documento “Igreja e a Questão Agrária no início do século XXI”, aprovado pela Assembleia Nacional da CNBB.

 

Sua ética pessoal e sua pregação de democrata radical às vezes se tornaram um verdadeiro incômodo para os que viviam nas esferas só dos conchavos da política miúda, da abastança pessoal. Vivia o interesse público, que na sua narrativa político-cristã quase sempre ganhava o conceito de bem comum. A última vez em que pude celebrá-lo pessoalmente e aplaudi-lo foi na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), quando a Seção de São Paulo lhe conferiu solenemente o Prêmio de Direitos Humanos.

 

Se a construção democrática está sempre inacabada, a ação e as ideias de Plínio, como a de todos os sonhadores, cristãos ou não cristãos, servem de motivo e razão para o desenho futuro de todas as sociedades pacificadas na justiça.

 

Plínio inspirou essa certeza como esperança. Louvado seja.

 

Feres Sabino é advogado e foi Procurador Geral do Estado no governo de Franco Montoro.

Publicado em seu blog: http://advogadoferessabino.wordpress.com/2014/07/14/quando-a-dignidade-nao-morre/#comments

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates