topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Crise no Iraque implode o projeto geoestratégico dos EUA para o Oriente Médio Imprimir E-mail
Escrito por Achille Lollo, de Roma para o Correio da Cidadania   
Sexta, 27 de Junho de 2014
Recomendar

 

 

Em janeiro de 2014, os grupos armados jihadistas que integram a estrutura militar do ISIS (Califado Islâmico do Iraque e da Grande Síria), depois de terem aniquilado fisicamente os batalhões do exército iraquiano que defendiam a cidade de Falujah, no centro do Iraque, lançaram outra ofensiva, desta vez, contra Tikrit, Tal Afar e Mossul, as cidades da região petrolífera no nordeste do Iraque.

 

A rendição do triângulo petrolífero aconteceu inesperadamente na primeira semana de junho, em função do despreparo do exército iraquiano. Algo que ficou evidente, sobretudo, na defesa de uma cidade tão importante como Mossul, onde o governo de Bagdá administrava a principal refinaria do Iraque, além de ter uma sucursal do Banco Central, que nos seus cofres guardava 465 milhões de dólares e cerca de 80 quilos de lingotes de ouro.

 

Este fato, associado à brutalidade dos combatentes do ISIS, que, em Mossul, assassinaram todos os prisioneiros civis e militares de religião xiita e cristã, foi relatado pelas televisões do mundo inteiro, tornando ainda mais firme a liderança de Abu Bakr al Baghdadi.

 

Por outro lado, a ousadia do líder do ISIS em atacar diretamente o governo de Bagdá fez com que os combatentes jihadistas fossem tratados com simpatia pelos sunitas, ao ponto de receberem o inesperável consenso por parte dos “Conselhos do Despertar” da Confederação Tribal Sunita dos Dulaimi, que controla, quase por inteiro, a província de al-Anbar, considerada o antessala da capital Bagdá.

 

Um cenário que estimulou os combatentes do ISIS em avançar em direção à capital Bagdá – por isso, no dia 15 de junho, os grupos armados de Abu Bakr al Baghdadi assumiram o controle das quatro cidades estratégicas da província de al-Anbar (Qaim, Rutba, Rawa e Anah). A seguir, no dia 19, outros grupos atacaram os destacamentos do exército iraquiano em al-Walid e em Turaibil – importantes postos fronteiriços com a Síria e com a Jordânia -, para depois, no dia 23, atacarem a refinaria de Baiji, localizada a 200 km da capital Bagdá.

 

A rapidez com que o ISIS se moveu na província de al-Anbar, com quase 20.000 homens, muito bem armados e em sua maioria vindos dos campos de batalha da Síria, assustou os estrategistas da Casa Branca, enquanto o pânico tomou conta de muitas chancelarias europeias, provocando o imediato aumento em cinco dólares do preço do barril do petróleo. Porém, a sensação de desastre e de derrota se deu quando o primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki, pediu aos EUA para enviarem urgentemente caças-bombardeiros e pilotos para aniquilar com bombas de fósforo branco e fragmentação as posições dos homens do ISIS em Mossul e Qaim. Esse pedido, de fato, provocou, ainda mais, a histeria do presidente dos EUA e da primeira-ministra da Alemanha, Ângela Merkel.

 

Em resposta, Barack Obama, orientado pelos generais do Pentágono e os diretores da CIA, rejeitou o pedido do primeiro-ministro do Iraque, reduzindo a ajuda militar a 300 especialistas em tecnologia para operações de inteligência (espionagem eletrônica), além de reforçar a defesa da embaixada estadunidense em Bagdá com 280 fuzileiros. De fato, para os militares estadunidenses, o Iraque é um capitulo fechado, que, além de ter custado mais de 2,2 trilhões de dólares ao Tesouro dos EUA, em termos políticos não alcançou os objetivos estratégicos fixados durante os dez anos de ocupação.

 

Por isso, Barack Obama ordenou ao primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki, acabar com o sectarismo político e, portanto, dissolver a coalizão que havia ganhado as eleições, para formar um governo de emergência nacional com a participação dos partidos sunitas e do ex-primeiro-ministro interino, Iyad Allawi, notoriamente conhecido por ser um homem da CIA. Desta forma, Obama – cuja arrogância fez lembrar o presidente Herbert Hoover quando se relacionava com os regentes dos "Estados banana" da América Central – esqueceu que os xiitas representam 61% da população do Iraque, enquanto o partido islâmico (xiita) Da’wa ganhou as eleições pela segunda vez, liderando uma coalizão que recebeu 65% dos sufrágios, dos quais 41%, isto é 5.021.137, foram votos do próprio Da’wa. Além disso, Nuri al-Maliki representa aquela corrente xiita que fez de tudo para estabelecer no Iraque o Estado de Direito com governos constitucionais majoritários, tal como os governadores militares estadunidenses impuseram durante os dez anos de ocupação.

 

Ao mesmo tempo, a Casa Branca enviava o Secretário de Estado John Kerry primeiro ao Egito e depois ao Curdistão, com o dúplice objetivo de entender o que estava acontecendo no Iraque e como intervir para impedir a chegada dos fundamentalistas do ISIS em Bagdá. Assim, no Cairo, John Kerry tentou negociar com o presidente do Egito, Abdul Fatah Khalil Al-Sisi, uma possível intervenção militar do exército egípcio, caso os combatentes do ISIS rompessem as linhas de defesa montadas na periferia da capital e assim ameaçassem tomar definitivamente de assalto Bagdá.

 

Kerry tentou aliciar Al-Sisi com a ampliação da cooperação militar entre os dois países, mas não logrou, do momento que a situação no interior do Egito é extremamente precária. De fato, Al-Sisi foi muito sincero em dizer que todas as unidades do exército estavam empenhadas em reprimir os grupos armados surgidos após a dissolução parlamentar do partido da Irmandade Muçulmana, além de dever exercer um controle territorial em toda a península do Sinai e na região de Luxor, ao longo do rio Nilo, onde se haviam concentrado os bandos jihadistas.

 

A seguir Kerry foi a Erbil, capital da região autônoma do Curdistão, para encontrar o presidente Massoud Barzani, que, apesar de ser um “estreito amigo dos EUA”, não garantiu a participação dos partidos curdos no desejado governo de unidade nacional. Além disso, Barzani não se manifestou entusiasta da proposta de Obama, lembrando a Kerry que “...hoje, estamos enfrentando uma situação nova que nós, os curdos, devemos avaliar com muita cautela”. Na prática, a posição diplomática de Barzani refletia a decisão do governo regional curdo, que mandou ocupar militarmente a região petrolífera de Kirkuk, logo após o exército iraquiano ter se retirado em flagrante debandada.

 

Na realidade, o presidente do Curdistão, Massoud Barzani, apesar das dissimuladas afirmações do Secretário de Estado, John Kerry, sobre a necessidade de aumentar no imediato futuro o grau de autonomia dos curdos, não se manifestou disposto em apoiar a solução proposta por Obama, porque o atual momento de crise poderá contribuir em resolver os principais conflitos políticos que existem com o governo central de Bagdá. De fato, é bom lembrar que o primeiro-ministro Nuri al-Maliki, para silenciar as contínuas reivindicações sobre a ausência dos curdos na administração dos centro petrolíferos de Mossul e de Kirkuk e, em represália ao acordo que Barzani assinou com o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdoğan, para a construção de um gasoduto gerenciado exclusivamente por empresas turcas e o governo regional curdo, mandou cortar todos os financiamentos destinados à região autônoma do Curdistão, além de congelar os salários dos funcionários públicos que trabalham na região autônoma curda.

 

Consequentemente, a ocupação militar preventiva do centro petrolífero de Kirkuk por parte das forças curdas “Peshmerga”, na realidade, visa alcançar dois objetivos estratégicos: 1) dissuadir Abu Bakr al Baghdadi em ampliar as posições do ISIS, com uma possível continuação da ofensiva em direção às regiões ocidentais e meridionais do Curdistão; 2) impor ao atual primeiro-ministro iraquiano, ou ao futuro governo de unidade nacional, a condição de que as empresas petrolíferas da região de Kirkuk e de Mossul terão uma administração majoritariamente curda, capaz de garantir ao governo da província autônoma do Curdistão uma justa percentagem de lucro com a venda no exterior do petróleo e do gás extraídos em território curdo.

 

Ao mesmo tempo em que Kerry deixava o Curdistão, o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, viajava para a Turquia e o Bahrein para pedir a intermediação do líder turco Erdogan e do rei Hamad bin Isa al-Khalifa, na tentativa de convencer o primeiro-ministro do Iraque em aceitar a solução da Casa Branca.

 

Apesar das pressões políticas de Obama, de Merkel e dos outros chefes de Estado árabes, e apesar do iminente ataque dos grupos armados do ISIS contra a capital Bagdá, o primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, diante dos microfones da TV nacional, declarou que “está fora de discussão a formação de um governo de emergência nacional com a participação dos partidos e de lideranças sunitas para tentar frear a ofensiva dos terroristas do ISIS, do momento que o exército nacional iraquiano está preparado para defender o país...”. Sublinhou ainda que “a formação de um governo de emergência nacional, antes de tudo, seria um golpe à nossa Constituição, além de representar uma flagrante negação do processo político que os eleitores iraquianos escolheram com vista à formação de um Estado de Direito no Iraque...”. Palavra que Nuri al-Maliki repetiu ao próprio John Kerry, dando, porém, a entender que algumas modificações políticas poderiam ser feitas no governo sem, porém, colocarem em causa a essência da coalizão criada pelo partido islâmico Da’wa. Um cenário que permanece ainda indefinido, deixando o Iraque aberto a qualquer solução política ou até militar.

 

O projeto estratégico dos EUA em frangalhos

 

Os Estados Unidos gastaram quase cinco trilhões de dólares na “exportação da democracia” para o Iraque e o Afeganistão, chegando a monitorar a política dos novos governos eleitos após a derrubada dos Taleban e de Saddam Hussein. Duas operações militares de grande envergadura que induziram os “neocons” (1) da Casa Branca a tentarem reformular, também, o contexto geopolítico do Oriente Médio.

 

Foi nesse âmbito que a invasão do Iraque, apesar das perdas e dos custos, foi sustentada durante dez anos para garantir ao Ocidente um regular abastecimento de petróleo e de gás. Um resultado que permitiu aos Estados Unidos começarem a efetivar o reajuste geoestratégico no Oriente Médio, com a transformação do Estado Sionista de Israel em uma superpotência regional e, em segundo lugar, com a implementação de uma série de planos subversivos que deveriam criar as condições políticas para a derrubada dos regimes de Kadafi e de Bashar al-Assad, na Líbia e na Síria, além de paralisar o Irã com as sansões econômicas e o isolamento diplomático.

 

Excluindo o processo de fortalecimento econômico e militar de Israel, o contexto geopolítico do Oriente Médio continua ainda mais confuso e complexo do que era antes, sobretudo por causa da distorção dos projetos subversivos que os aliados regionais (Arábia Saudita, Catar e Emirados Unidos) realizaram para sufragar seus próprios objetivos estratégicos. De fato, no caso da Líbia, os serviços secretos sauditas e catarianos apoiaram e financiaram grupos e lideranças islâmicas fundamentalistas, exclusivamente para impor as regras do islamismo sunita, conhecido também como wahhabismo.

 

Regras que não se limitam à interpretação teológica do Alcorão. Pelo contrário, utilizam a “pureza do Islã” para influenciar, de forma peremptória, o futuro político, institucional e socioeconômico das sociedades governadas por partidos islâmicos, que, normalmente, rejeitam ou contestam as metodologias da democracia liberal ocidental.

 

O caos político e econômico que tomou conta da Líbia, após a derrubada de Kadafi, é, hoje, o caso mais evidente da vergonhosa atuação da Arábia Saudita e do Catar, associada ao silêncio cúmplice e submisso da Casa Branca e das potências da OTAN para com as monarquias árabes.

 

Um silêncio que permaneceu também no caso da Síria e do Iraque, onde os agentes da monarquia saudita financiaram, armaram e monitoraram os grupos armados jihadistas, permitindo que os mesmos iniciassem uma confrontação fratricida contra o Exército Livre da Síria (ELS), oficialmente financiado e armado pelos EUA, a Grã Bretanha e a França. Uma atitude que permitiu ao exército sírio retomar a histórica cidade de Homs e cercar definitivamente Aleppo, voltando a controlar a fronteira com o Líbano e a Jordânia, anteriormente sob controle dos homens do ELS.

 

Foi, portanto, no sanguinário cenário beligerante da Síria que Abu Bakr al Baghdadi e os agentes do serviço secreto saudita planejaram a ofensiva do ISIS contra o governo de Bagdá. Uma operação militar de grande envergadura que nunca poderia ser realizada sem o apoio dos serviços de inteligência e, sobretudo, sem um pesado investimento da Arábia Saudita, com vista a realizar uma rápida ofensiva, deslocando da Síria mais de 20.000 combatentes, além de enviar clandestinamente outros 5.000 para se posicionarem nos arredores das cidades da periferia de Bagdá.

 

Por outro lado, é necessário lembrar que, sem a proteção política da Arábia Saudita, o líder do ISIS, Abu Bakr al Baghdadi, nunca teria quebrado a aliança com Abu Mohammed al-Golani, líder de Jabhat al-Nusra – a componente síria da Al Qaeda –, e nunca teria ousado rejeitar as ordens do chefe de Al Qaeda, Ayman Al Zawahir, segundo o qual o ISIS não devia assumir o controle da regiões orientais da Síria para criar um califado, unificando, apenas, a parte central da Síria com a do Iraque. Nesse contexto, resulta evidente que todos os beligerantes têm as costas muito bem protegidas: o xiita Nuri al-Maliki, mesmo sem os caças-bombardeiros dos EUA, já está recebendo armas e assessoria militar do Irã, enquanto o sunita Abu Bakr al Baghdadi pode contar com o dinheiro e a sustentação política da Arábia Saudita e do Catar e assim continuar a guerra até a dissolução do inimigo.

 

Tudo isto, somado ao silêncio da Casa Branca e dos países da OTAN para com a Arábia Saudita, indica claramente que os Estados Unidos não controlam mais a política daquela monarquia, enquanto os serviços secretos do Rei Faisal atuam unilateralmente com o objetivo de quebrar o Irã e, consequentemente, o governo iraquiano liderado pelo xiita Nuri al-Maliki.

 

Assim, os responsáveis do partido islâmico iraquiano Da’wa, em particular o primeiro ministro Nuri al-Maliki, não têm a mínima confiança nos sunitas que, apesar de representarem apenas 35% da população iraquiana, durante o regime de Saddam Hussein monopolizavam a administração das empresas petrolíferas, o Banco Central, o funcionalismo público e, sobretudo, o exército. Por outro lado, a nova burguesia xiita, que se apoderou da receita petrolífera, está disposta a enfrentar os efeitos de uma sangrenta guerra civil antes de dividir com a burguesia sunita os altos lucros da venda do gás e do petróleo ao Ocidente, algo avaliado em quase cinco milhões de barris por dia.

 

Na realidade, a teimosia da Arábia Saudita em acirrar a confrontação étnico-religiosa entre sunitas e xiitas contribuiu para fazer implodir o projeto estratégico dos Estados Unidos no Iraque e, consequentemente, no Oriente Médio. Um projeto que os contribuintes dos Estados Unidos ainda estão pagando.

 

Nota:

(1) Os “neocons” são os membros do grupo de excelência formado por conservadores radicais, que se tornou muito influente no Partido Republicano durante a administração de George W. Bush.

 

Achille Lollo é jornalista italiano, correspondente do Brasil de Fato na Itália, editor do programa TV “Quadrante Informativo” e colunista do "Correio da Cidadania".


Recomendar
Última atualização em Qui, 10 de Julho de 2014
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates