topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

‘Só a luta muda a vida e o povo está se apropriando cada vez mais dessa concepção’ Imprimir E-mail
Escrito por Raphael Sanz e Gabriel Brito, da Redação. Colaborou Valéria Nader   
Sexta, 20 de Junho de 2014
Recomendar

 

 

Completa-se um ano do estouro das grandes manifestações de junho de 2013, impulsionadas pela brutal repressão policial aos atos pela tarifa zero em São Paulo, e o Correio da Cidadania volta a conversar com o protagonista inicial, o Movimento Passe Livre, que também comemora um ano da vitória contra o aumento da passagem dos coletivos.

 

“O MPL acredita que um dos grandes ganhos de junho foi justamente as pessoas voltarem a acreditar que só lutando podemos ter vitórias reais. Passamos de um histórico de imobilismo para uma explosão de auto-organização popular em várias lutas, sem falar na radicalização de várias delas. Isso tudo é muito positivo pra luta popular”, afirma o movimento, que respondeu à entrevista coletivamente.

 

Enquanto o país testemunha essa referida retomada do movimento popular, com ímpeto há muito tempo esquecido, o MPL continua fazendo o ‘trabalho de formiguinha’, pautando diversas questões da política de transportes (não só a tarifa) pela cidade e apostando na estratégia de fazê-lo a partir das periferias da metrópole, aparentemente um dos grandes débitos da esquerda mais tradicional e partidária.

 

Sobre a reação do Estado, em todas as esferas, ao crescimento das mobilizações, o movimento é curto e grosso. “As estratégias são sempre reprimir com um brutal efetivo policial e tentar desmoralizar as reivindicações e as táticas de luta. Ou mesmo as velhas táticas de cooptação”. De toda forma, mostra e otimismo em relação ao atual momento político, a despeito dos interesses eleitorais cada dia mais em voga. “O que importa é que houve um crescimento significativo do desejo de participação política direta e o povo está se apropriando cada vez mais de tal concepção. Tudo indica que os níveis de abstenção e voto nulo cresçam na eleição”, analisa o MPL.

 

A entrevista completa pode ser lida a seguir.

 

Correio da Cidadania: Como vocês analisam o cenário político um ano depois da eclosão das grandes manifestações que balançaram o país em 2013? Como avaliam esses últimos 12 meses das movimentações populares nas ruas?


MPL: O MPL acredita que um dos grandes ganhos de junho foi justamente as pessoas voltarem a acreditar que só lutando podemos ter vitórias reais. Passamos de um histórico de imobilismo para uma explosão de auto-organização popular em várias lutas, sem falar na radicalização de várias delas. Isso tudo é muito positivo pra luta popular. O crescimento das ocupações urbanas, os bairros se organizando por seus problemas locais de transportes, os trabalhadores se organizando e lutando por fora de sindicatos pelegos e sindicatos que têm compromisso com sua categoria fazendo lutas bem avançadas, como a recente greve dos metroviários em São Paulo.

 

Correio da Cidadania: Como enxergam as recentes manifestações lideradas por movimentos como o MTST e alguns sindicatos, muitas vezes a partir das bases e à revelia das direções?

 

MPL: Entendemos que muitas dessas lutas têm uma relação direta com junho, que é principalmente dizer um “basta” a um modelo massacrante de cidade. A luta pelo direito à cidade perpassa várias dessas lutas, e por isso entendemos que estamos do mesmo lado da barricada. Sobre as mobilizações por fora dos sindicatos pelegos, acreditamos principalmente que a disposição para a luta fez com que categorias enfrentassem o medo, diante de direções mafiosas que impediam a luta dos trabalhadores, como os garis no Rio e os rodoviários em São Paulo.

 

Correio da Cidadania: Quanto ao MPL, como se movimentou nesse período recente e quais foram, e são, as prioridades do movimento em suas atividades? Vocês planejam se manifestar durante a Copa?

 

MPL: O MPL segue se organizando junto com a população que está questionando o sistema de transporte coletivo na cidade, atuando especialmente das periferias para o centro. Fizemos várias lutas contra cortes de linha e para a criação de linhas em regiões que não são atendidas pelo transporte coletivo. Faremos um ato no dia 19 de junho, comemorando um ano da derrubada dos 20 centavos (agora só faltam três reais!). Será um ato por tarifa zero, que terminará com uma festa na Marginal Pinheiros e mostrará na prática nossa proposta de transporte verdadeiramente público: as pessoas têm que poder circular para conhecer e transformar a cidade. Enquanto a Copa é dos ricos, a cidade vai ser nossa (nota da Redação: a entrevista foi concedida em 18 de junho).

 

Correio da Cidadania: No transporte público, além da tarifa zero, quais as pautas mais importantes na visão de vocês?


MPL: Acreditamos que a tarifa zero é parte de um processo de organização popular que vise a gestão popular do transporte. Ou seja, a gente acredita que a tarifa zero é o caminho para que quem usa e trabalha no transporte todo dia mande nele, e não os técnicos, empresários e políticos. Só assim teremos um transporte realmente popular e que atenda às necessidades da população.

 

Correio da Cidadania: Como vocês veem a atual greve dos metroviários e as respostas da justiça (que considera a greve abusiva e impôs multa) e do governo?

 

MPL: O MPL prestou total apoio à greve dos metroviários, porque entendemos que, só com a união dos trabalhadores e dos usuários do transporte, é que podemos enfrentar os interesses por lucros que massacram o nosso cotidiano superlotado nos trens e ônibus. Não é crime lutar por melhores condições de trabalho, que se revertem na melhora das condições de uso do transporte. Os metroviários estão sendo perseguidos por expor para toda a população os desmandos do PSDB no metrô há mais de 20 anos, com contratos superfaturados e falhas técnicas que geram um cotidiano de risco aos trabalhadores e usuários. Entendemos como um ataque a todos os lutadores a demissão dos 42 companheiros metroviários pelo governo do estado e lutaremos junto com o sindicato até a readmissão de cada um deles.

 

Correio da Cidadania: E quanto aos governos federal e estaduais, no geral, como vocês avaliam as suas reações e estratégias recentes frente aos protestos que se espalham pelo país?

 

MPL: As estratégias são sempre reprimir com um brutal efetivo policial e tentar desmoralizar as reivindicações e as táticas de luta. E há ainda as velhas táticas de cooptação das organizações populares. Entendemos todas essas estratégias como lamentáveis, mas também vemos, hoje em dia, um movimento mais forte de resistência.

 

Correio da Cidadania: Recentemente, vocês se acorrentaram na Secretaria de Segurança Pública contra o famoso “inquérito dos black blocs”. Há militantes do MPL sendo investigados nesse inquérito? Como vocês analisam esse subterfúgio repressivo?

 

MPL: Sim, há vários militantes do MPL, apoiadores do movimento, um de nossos advogados e até mesmo mães de militantes sendo investigados. Para nós, essa é só mais uma das ilegalidades a que o “Estado penal” submete todo dia a população que resiste contra a barbárie do Estado, especialmente a população negra e periférica. Estamos propondo um Habeas Corpus de trancamento desse inquérito ilegal.

 

(Ver mais em: http://saopaulo.mpl.org.br/2014/06/09/pelo-trancamento-do-inquerito-ilegal-no-12013-do-deic/)

 

Correio da Cidadania: Acreditam que 2014 repetirá 2013 com suas multitudinárias manifestações?

 

MPL: 2013 não foi planejado para ter aquela extensão, processos como aquele não podem ser fabricados, reproduzidos. Acreditamos que 2014 já teve momentos de forte mobilização, mesmo que com uma adesão menor. Pensamos que os casos mais emblemáticos foram a greve dos garis no Rio, a greve dos rodoviários em São Paulo e agora a greve dos metroviários. Estamos vendo uma ascensão de várias formas de luta, que não são apenas as marchas na rua.

 

Correio da Cidadania: Como imaginam que a atual conjuntura do país vá impactar as eleições de outubro, tanto no que se refere às eleições majoritárias, como no sentido de incentivar um debate e união de correntes mais progressistas?

 

MPL: O MPL é um movimento apartidário, o que importa para nós é que houve um crescimento significativo do desejo de participação política direta, ou seja, vemos um esgotamento da política representativa. Só a luta muda a vida e o povo está se apropriando cada vez mais de tal concepção. Tudo indica que os níveis de abstenção e voto nulo cresçam na eleição, expressando esse fenômeno.

 

Leia também:

‘Automobilização sindical e movimentos urbanos fortalecem ativismo social’ – entrevista com Ruy Braga

‘Temos agora uma cultura para discutir política nesse país’ - entrevista com Mayara Vivian, do MPL, realizada em junho de 2013.

Manifestações pelo transporte coletivo revigoram juventude e lutas sociais do país – análise da Redação em 14 de junho de 2013

 

Raphael Sanz e Gabriel Brito são jornalistas. Valéria Nader, jornalista e economista, é editora do Correio da Cidadania.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 03 de Outubro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates