topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
São Paulo, abertura da Copa: 'Foi uma das manifestações mais violentamente reprimidas que já vi' Imprimir E-mail
Escrito por Pablo Ortellado   
Sexta, 13 de Junho de 2014
Recomendar

 

 

Dois protestos haviam sido marcados para a manhã da abertura da Copa: uma manifestação contra os impactos da Copa do Mundo e uma manifestação organizada pela Conlutas em apoio aos metroviários demitidos. As duas aconteceriam na zona leste, a quinhentos metros uma da outra e mais de dez quilômetros da Arena Corinthians.

 

A Polícia tinha orientação para não deixar a manifestação acontecer. Mais de trinta policiais recebiam os manifestantes ainda na catraca do metrô e os revistava ou já detinha. Do lado de fora, pelo menos duzentos policiais da choque esperavam os que conseguiam passar. Na concentração, sem que nada tenha acontecido e quando apenas algumas centenas de manifestantes tinham conseguido chegar, a tropa atacou com bombas de concusão e gás lacrimogêneo. Quando o ataque acabava e as pessoas respiravam, ela, sem motivo algum, atacava de novo. Havia mais de uma centena de jornalistas estrangeiros e isso não parecia inibir a arbitrariedade da polícia. Umas dez pessoas devem ter se ferido neste momento, quatro deles jornalistas.

 

Não havia nenhuma possibilidade de sequer reunir os manifestantes e as pessoas que tinham conseguido chegar no protesto se deslocaram para o sindicato dos metroviários, onde cerca de duas mil pessoas apoiavam os demitidos na greve. O ato dos metroviários só foi permitido pela polícia com a condição de que não se movesse. A tropa de choque, que já estava bloqueando a saída para a Radial Leste, logo cercou as demais saídas.

 

A polícia começou a atacar os manifestantes que tinham se unido aos metroviários e os dois grupos se misturaram na correria, o que gerou muitos conflitos entre os metroviários e partidos que queriam respeitar o acordo com a polícia e os manifestantes anti-Copa que queriam exercer o seu direito de livre manifestação.

 

Por cerca de uma hora, a manifestação, que, somada, deve ter reunido 3 mil pessoas, foi atacada com bombas de concusão e gás lacrimogêneo. A maior parte dos manifestantes se protegeu no prédio do sindicato, mas muitos ficaram de fora. Acredito que tenhamos tido outros vinte feridos neste momento.

 

Depois de muitas idas e vindas, a polícia "autorizou" que a manifestação se dispersasse e os manifestantes se dirigissem de volta ao metrô. Enquanto as pessoas se dirigiam à estação, muitas bombas eram jogadas para acelerar a dispersão. Tivemos vários feridos novamente.

 

Com a chegada de muitos manifestantes no metrô Tatuapé, os protestos retomaram por lá, assim como a ação repressiva da polícia. Não consigo estimar os feridos, mas deve ter havido algumas dezenas, talvez tenham passado de cem. A polícia atacou gratuitamente e com muita violência - não há duvida que as garantias dadas pelo Governador Geraldo Alckmin e a presidenta Dilma Rousseff de que o direito de manifestação seria respeitado não foram cumpridos.

 

Foi uma das manifestações mais violentamente reprimidas que já vi. E como a ação repressiva foi articulada pelo governo estadual e federal, podemos esperar aquele silêncio político que uniu petistas e tucanos na repressão ao MPL durante a luta contra o aumento das passagens em 2013.

 

Boa Copa a todos e todas.

 

Pablo Ortellado é professor da Universidade de São Paulo (USP).

Recomendar
Última atualização em Quarta, 18 de Junho de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates