topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Socialismo e forças produtivas Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Segunda, 09 de Abril de 2007
Recomendar

 

 

A questão das forças produtivas, isto é, da capacidade de gerar as riquezas sociais, continua como um dos pontos mais polêmicos da discussão sobre o socialismo. Apesar de estar na raiz dos problemas que levaram o socialismo do leste europeu à bancarrota, forçar os socialismos chinês e vietnamita a diferentes ziguezagues, e até hoje manter os socialismos cubano e coreano como incógnitas de futuro incerto, é uma questão praticamente ausente do debate socialista brasileiro.

 

A capacidade de gerar riquezas está historicamente associada às formas de propriedade, ao grau de desenvolvimento das ciências, das tecnologias, dos diversos meios de produção, circulação e distribuição, e da qualificação da força de trabalho. Foi o surgimento e desenvolvimento da propriedade privada dos meios de produção e do mercado que desempenhou o papel fundamental no desenvolvimento dessas forças produtivas e na geração de riquezas sociais, atingindo seu ápice com a formação social capitalista.

 

Mas o capitalismo, ao desenvolver plenamente seu mercado, também demonstrou crescente incapacidade de redistribuir a imensa riqueza gerada, realizar a igualdade e a liberdade, e estimular a solidariedade. Vem criando uma contradição absurda entre tal riqueza e as necessidades do mercado, por um lado, e as camadas da população carentes de meios de subsistência, em número cada vez maior, por outro. A necessidade de socializar a propriedade dos meios de produção, circulação e distribuição, e limitar ou superar o mercado, surge dessa contradição.

 

Portanto, o socialismo não é um sonho utópico. É uma necessidade histórica. Se os homens, em particular os trabalhadores e as camadas populares, não forem capazes de realizá-la, e escapar da barbárie e da destruição, isso está dentro das possibilidades dialéticas, mas não nega aquela necessidade. Afinal, a história está cheia de exemplos de autodestruição, apesar das necessidades e tendências positivas. Por outro lado, sendo uma necessidade, o socialismo também é uma possibilidade capaz de realização. Porém, como a superação do mercado e de suas desigualdades, assim como a universalização das liberdades, da solidariedade, da democracia e da igualdade, demandam tempo, mesmo nos países capitalistas avançados, isso caracteriza o socialismo como uma sociedade de transição.

 

Isto é ainda mais verdadeiro para os países do mundo cujas forças produtivas eram ou são insuficientemente desenvolvidas. Haver surgido como solução para países desse tipo representou um nó teórico e prático para as primeiras revoluções socialistas. Como implantar a igualdade enquanto persistir uma produção insuficiente de riquezas? Como praticar a liberdade, enquanto os trabalhadores forem obrigados a vender sua força de trabalho como condição de sobrevivência? Como realizar a solidariedade, enquanto grandes maiorias mal têm como viver?

 

Esses socialismos, em função disso, precisam ter como missão básica o desenvolvimento das forças produtivas. O que exige a participação da propriedade privada, mesmo capitalista. Voltamos, assim, àquela polêmica básica.

 

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

 

Para comentar este artigo, clique comente

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates