topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Três eleições e uma farsa Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Terça, 10 de Junho de 2014
Recomendar

 

 

 

Três eleições presidenciais se realizaram nos últimos meses. O Ocidente saudou duas delas – na Ucrânia e no Egito – e condenou a eleição síria como uma farsa.

 

Todos estes julgamentos foram repetidos exaustivamente, como verdadeiros mantras, pelos governos e a grande imprensa dos EUA e Europa.

 

Não custa nada verificar se estavam certos. John Kerry, Secretário de Estado e alter ego do presidente Obama, não hesitou em declarar a eleição egípcia como “um retorno à democracia”.

 

Para ele, a vitória de Poroshenko na Ucrânia foi “uma vitória da democracia”.

 

Já o primeiro lugar de Assad mereceu do Secretário de Estado uma qualificação pitoresca: “um grande enorme zero”. Isso porque “você não pode ter uma eleição onde milhões de pessoas não têm sequer possibilidades de votar”.

 

De fato, nas regiões ocupadas pelos rebeldes, não houve eleição. Ei! Mas não foi o que aconteceu nas eleições ucranianas? Lá, milhões de habitantes do leste do país não votaram, por terem assumido posições separatistas.

 

Bem, no Egito de Sissi houve eleições em todo o país. Mas conforme afirmou o Democracy International, grupo que monitorou as eleições, “o ambiente repressivo da política do Egito tornou impossível uma eleição presidencial democrática”.

 

Comparando a representatividade das três eleições, vemos que o estigmatizado Assad saiu-se melhor; 73% dos eleitores do seu país compareceram, sendo que o prazo de encerramento teve de ser adiado por cinco horas para atender às imensas filas de gente que queria votar.

 

No Egito, o prazo teve de ser adiado até por muito mais tempo. Mas, por razões diferentes. A abstenção nos dias de votação fora tão grande que o governo resolveu dar mais um dia de prazo, para ver se conseguia mais eleitores. E ainda pressionou o povo, via imprensa, oferecendo incentivos e brandindo ameaças.

 

Mesmo assim, somente uns esquálidos 47% do eleitorado votaram. Poroshenko ganhou de Sissi, com um índice de 60% de comparecimento, mas perdeu para os 73% de Assad.

 

Nenhum deles teve adversários pra valer. Aqueles políticos que representavam uma grande massa da população egípcia – a Irmandade Muçulmana – estavam na cadeia, no exílio ou na clandestinidade.

 

Poroshenko teve um rival com algum prestígio na Ucrânia: Julia Timoschenko. Mas, era uma política tradicional, sem chances num contexto totalmente adverso aos políticos tradicionais. E Assad competiu contra opositores polidos, inseridos no establishment local, pouco conhecidos dos eleitores.

 

Como se vê, mais uma vez o Ocidente usou os “padrões duplos” para condenar no adversário (Assad) o mesmo que os aliados (Poroshenko e Sissi) fizeram.

 

Isto, sim, é uma farsa.

 

Leia também:

Eleições no Egito: derrota da democracia, vitória de Israel

 

Luiz Eça é jornalista.

Website: Olhar o Mundo.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 11 de Junho de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates