Contra o pensamento binário

0
0
0
s2sdefault

 

 

Junho chegou. Há um ano, o Brasil fervia e sacudia os incautos. Agora, às vésperas da Copa do Mundo e das eleições de outubro, um ponto em particular chama a atenção. Trata-se das análises sobre a realidade brasileira. Podemos pensar sobre ela a partir de vários focos. Sugiro três, especialmente: aquele que achincalha o país dos petralhas corruptos; aquele que venera as conquistas das últimas décadas e solta o verbo contra a tucanada conservadora; e, por fim, aquele que não acha o seu lugar nesse complexo contexto.

 

Nas redes sociais e também nas ruas existe um sentimento de que é necessário mudar. O período de reinado dos petralhas frente ao governo federal precisa terminar. O país está virando muito comunista (?), dá bolsas demais, oferece serviços demais para a população. Sendo que os direitos imperativos (saúde e educação) nunca melhoram. Sem falar dos mensaleiros, da violência e da impunidade constante. Esse é o Brasil que muita gente enxerga. Lugar onde ninguém quer trabalhar, mas muitos gostam de viver nas costas dos outros. Ninguém quer estudar, mas muitos ganham vagas nas Universidades. Ninguém quer fazer nada, mas muitos conseguem tudo a partir do Estado.

 

Na outra ponta, os rivais da tucanada conservadora apontam para o passado e demonstram que tudo está muito melhor agora. Que, agora, muitos milhões de brasileiros saíram da miséria através de incentivos estatais. Hoje, as universidades se tornaram populares e coloridas. Vivemos em pleno emprego. A desigualdade está caindo. Nossa economia figura entre as dez maiores do planeta. Não somos mais o país do futuro. Somos a nação do presente. Se voltarmos ao passado, se colocarmos a tucanada no poder de novo, nós jogaremos fora todas as vitórias duramente conquistadas. Recordar é ter medo do passado.

 

O terceiro foco possível desconjura as perspectivas acima e, assim, desconfigura uma capacidade de localização binária nesse cenário político. É inegável que os governos dos petralhas modificaram alguns setores. A desigualdade de renda, medida pelo Coeficiente de Gini, diminuiu como nunca na história nacional. O índice passou de 0,594 em 2001 para 0,527 em 2011 (1). O salário dos 10% mais pobres aumentou 91,2% de 2001 a 2011 (2). A população autodeclarada negra teve um aumento de 66,3% na sua renda na última década, e a parda, de 85,5% (3). De 1997 até 2011, o número de estudantes negros nas Universidades cresceu de 4% para 19,8% (4). Não resta dúvida de que as cotas raciais e as demais Políticas de Ações Afirmativas têm imensa responsabilidade positiva nesse avanço do processo de democratização do ensino superior.

 

Outro detalhe intrigante direciona-se ao programa de assistência social mais rechaçado por parte da sociedade brasileira. O Bolsa Família demonstra algumas faces distintas daquelas sentenciadas pelos seus opositores. Diz-se que gera preguiça e acomodação. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), 72% dos adultos beneficiários do programa estão trabalhando no mercado formal ou informal; as crianças das famílias participantes possuem frequência escolar acima de 85% (dados de 2013). A Organização das Nações Unidas (ONU), por sua vez, declara que o Bolsa Família reduziu em 17% a mortalidade infantil nas áreas em que sua cobertura é profunda e extensa (5).

 

E aí, o que pensar? Acho que o caminho é não aderir ao pragmatismo eleitoreiro que se aproxima. Parece que, perto do pleito que está por vir, ou devemos defender a tucanada conservadora ou a petralhada no poder. É promissor ir além dessa falsa única dicotomia. Sim, houve mudanças no Brasil. Porém, essas mudanças, ainda que muito importantes, não alteraram a estrutura política e econômica sob a qual desenvolvemos as nossas vidas. A política econômica parece permanecer orientada pelo tripé câmbio flutuante, metas de inflação e superávit primário – embora os economistas divirjam sobre uma continuidade ortodoxa ou flexível (6). Os bancos calculam lucros de dar inveja a qualquer agiota (7). As manifestações populares dão a entender, no mínimo, que as pessoas não se sentem integradas às instituições políticas e aos seus representantes.

 

Vejamos exemplos mais concretos. O Estado brasileiro, desde as instituições policiais, mata e mata demais. Amarildos e DG’s não são casos isolados. O já clássico livro do jornalista Caco Barcellos, Rota 66, para não citar pesquisas científicas, ilumina uma das séries históricas de violência exercida pela coerção institucionalizada. A sonegação de impostos é altíssima (cerca de 415 bilhões de reais por ano, o que representa um valor superior a tudo o que foi arrecadado pelo Imposto de Renda em 2011 (8) ) Os ricos no Brasil têm sua renda menos taxada do que os ricos na maioria das nações que compõem o G20 (9). As favelas dividem espaço com os poucos, mas exuberantes, bairros europeus cravados nos trópicos. A educação básica e a saúde pública patinam.

 

Estas são três possíveis abordagens acerca da atual realidade brasileira, o que tento refletir com este ensaio. Com o recurso de alguns dados quantitativos, tornou-se possível evidenciar as transformações ocorridas, sobretudo, na última década. Entretanto, a estatística mapeia horizontes amplificados e por isso carrega o prejuízo de não explicar as subjetividades intrínsecas aos pontos fora das curvas. O fato de defendermos as conquistas das últimas décadas não pode obliterar as nossas visões sobre as mazelas que persistem e insistem. O real se mostra, portanto, muito mais complexo do que as assertivas formuladas pela (in)capacidade do pensamento binário.

 

Notas:

 

1) Conforme o estudo “A década inclusiva”, produzido pelo IPEA em 2012.

 

2) Conforme o estudo “A década inclusiva”, produzido pelo IPEA em 2012.

 

3) Conforme o estudo “A década inclusiva”, produzido pelo IPEA em 2012.

 

4) Segundo o Censo da Educação Superior, produzido pelo IBGE em 2011.

 

5) Disponível em http://www.onu.org.br/estudo-avalia-impacto-do-programa-bolsa-familia-na-reducao-da-mortalidade-infantil/.

 

6) Debate em http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=
com_content&view=article&id=20234
.

 

7) Ver em http://www.feebpr.org.br/lucroban.htm.

 

8) Dados divulgados pelo Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (SINPROFAZ), em 2013.

 

9) Ver em http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014
/03/140313_impostos_ricos_ms.shtml
.

 

 

Bernardo Caprara é sociólogo e professor.

Website: http://www.sociologiapopular.com

Comentários   

0 #1 Esse o problemaHildermes José Medei 07-06-2014 23:00
Realmente o diagnóstico do que se passa e dos grupos políticos que estão no jogo, muito se aproxima da realidade, mas esse é o problema. As duas vertentes políticas que denomina petralhas e tucanada (melhor tucanalhas)estão estruturadas para o jogo político da Democracia, que consiste em chegar ao poder através do voto, e atuar obedecendo as Leis e a Constituição. É verdade que os tucanalhas, especialmente seus apoiadores que denominaria de viúvas da ditadura, continuem ainda acendendo velas para a possibilidade de um golpe ou um empeachment. O problema é a terceira visão política,que se autointitula de progressita, de esquerda, mas tem sérias divergências com os petralhas. Esta não se estrutura para chegar ao poder, não prima por esse objetivo que deve ser a primeira e principal característica de qualquer partido político. Desejam nos salões, gabinetes e nas cátedaras escolher o melhor para o povo, sem a este orientar, ligando-se e estrurando meios de ação política. Ou são linhas auxiliares do poder, ou meios que auxilia as ações desestabilizadores da oposição que está estruturada, os tucanalhas. Esse o problema. Essas lúcidas análises, que nem de longe se estruturam em ações, deixam todos os progressistas sem opção que não seja alinhar-se aos petralhas, e os oposicionistas nas mãos (ainda bem) dos tucanalhas. Para todos que desejam o poder no Brasil em lugar dos petralhas, o problema é tomar as bandeiras, praticamente todas, de algum sentido popular, que bem ou mal estão sendo conduzidas pelo Governo, vale dizer do PT e aliados. E, agora?...
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados