topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Impunidade dos EUA: o Golpe de 64, Bush, Operação Condor, a Comissão da Verdade e as guerras da Síria e Iraque Imprimir E-mail
Escrito por Ramez Philippe Maalouf   
Segunda, 12 de Maio de 2014
Recomendar

 

 

 

alt

 

Aos poucos, as suspeitas de que o presidente João Goulart (“Jango”), deposto pelo golpe de Estado de 1964, o ex-presidente Juscelino Kubitschek (“JK”) e o ex-governador da Guanabara Carlos Lacerda foram assassinados entre 1976 e 1977 estão sendo confirmadas com grande riqueza documental. Eles teriam sido assassinados pela Operação Condor, para ser mais preciso, uma espécie de “MERCOSUL do Terror”, conforme está sendo comprovado pelas comissões da verdade na Argentina e demais países do sul-americanos. Falta a confirmação a respeito de Carlos Lacerda, supostamente morto em decorrência de um infarto.

 

Como a Operação Condor foi inspirada na Operação Gladio, similar europeia do programa de “caça aos comunistas e aos nacionalistas”, perpetrado pela Agência Central de Inteligência (CIA), só podemos concluir que a CIA foi responsável indireta pelos assassinatos destas lideranças brasileiras.

 

Afinal, quem era o diretor da CIA na época do apogeu da Operação Condor, o ano de 1976? A resposta é George Herbert Walker Bush, uma das figuras mais sinistras do século XX, ao lado de Winston Churchill, Theodore Roosevelt, Adolf Hitler, Benito Mussolini, Lyndon Johnson, Richard Nixon, Ronald Reagan e Neville Chamberlain, entre outros genocidas e ditadores. George H. W. Bush foi diretor da CIA entre 30 de janeiro de 1976 e 20 de janeiro de 1977, sob a presidência de Gerald Ford, que assumira o comando dos EUA após o golpe de Estado que derrubara Richard Nixon, em 1974, que a mídia ocidental denominou de processo de “impeachment”.

 

Entretanto, Henry Kissinger continuou no poder como secretário de Estado mesmo após a derrubada de Nixon. W. H. Bush, Ford e Kissinger deram os primeiros passos do que nos meios de pesquisas de geopolítica chamam de “roll-back”, ou seja, a brutal “viradeira” para a retomada da hegemonia mundial do poder dos EUA, abalada (na visão dos ianques) pela deposição de Nixon, a derrota no Vietnã, a crise do petróleo, independência na África meridional, a revolução sandinista na Nicarágua, a ascensão da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), o desenvolvimento econômico do Brasil, do Iraque e da Coréia do Sul, a emergência da Europa e do Japão e, por fim, o surgimento de governos aliados da extinta União Soviética (URSS) na Ásia, África e América Latina. Com H. W. Bush na direção da CIA, os EUA promoveram, em 1976:

 

• a invasão e a ocupação militar do Timor Leste pela Indonésia, apoiada pela Austrália, na qual mais de 180 mil timorenses foram assassinados, iniciada em dezembro de 1975;

 

• a intervenção da Síria no Líbano, apoiada tacitamente, para “neutralizar” a coalizão “islamo-progressista”, liderada pela OLP, que estava prestes a vencer a guerra do Líbano (e de exterminar os libaneses cristãos), em maio. A intervenção síria favoreceria o ataque da extrema-direita cristã liberal à resistência palestina, culminando no Massacre de Tal al-Za’atar, no qual mais de 2 mil palestinos foram assassinados;

 

• o assassinato do diplomata chileno Orlando Letelier, opositor da ditadura liberal do general Augusto Pinochet, em Washington D.C., capital dos EUA, em setembro;

 

• por meio do governo de Pretória, o Massacre de Soweto, em junho, na África do Sul, feroz repressão a um levante de jovens estudantes negros contra o regime de “apartheid”, que exterminou cerca de 500 pessoas, inclusive crianças;

 

• golpe da Junta Militar da Argentina, em março, que inaugurou uma das mais sangrentas ditaduras da história recente do Cone Sul.

 

Foi neste contexto internacional que o ex-presidente Juscelino Kubitschek e o presidente e eleito constitucional e democraticamente João Goulart foram assassinados, sendo que o último, morto na Argentina, em dezembro de 1976. Recentemente, no entanto, no Brasil, a Comissão Nacional da Verdade (CNV), da qual um dos integrantes é o obscuro politólogo Paulo Sérgio Pinheiro (PSP), concluiu que a morte de JK na rodovia Presidente Dutra, que liga as capitais de São Paulo e do Rio de Janeiro, foi resultado de um mero acidente de trânsito, em agosto de 1976.

 

Negativas convenientes?

 

As conclusões da CNV, da qual Paulo Sérgio é integrante, colidem com o relatório da Comissão Municipal da Verdade de São Paulo (CMVSP), que afirma que JK foi assassinado por uma conspiração e um atentado político cujo objetivo era eliminar lideranças oposicionistas ao governo autoritário para controlar a abertura política. No caso, JK, com direitos políticos cassados, se articulava com o ex-governador Carlos Lacerda e o presidente deposto João Goulart para por fim à ditadura civil-militar.

 

No mesmo ano, outros políticos sul-americanos foram assassinados, sob circunstâncias misteriosas, por se oporem às ditaduras de segurança nacional impostas pelos EUA no Cone Sul a partir do golpe de 1964 no Brasil. A Operação Condor teria sido constituída pelos países sul-americanos para reprimir e “neutralizar” a ação dos opositores a estas ditaduras pró-ocidentais. É pouco crível que os EUA não estivessem por detrás da montagem deste aparato repressivo. Há vários informes de que a zona ianque do Canal do Panamá servia como local de coordenação de informação de inteligência de todo o Cone Sul na época.

 

Qual seria o objetivo da CNV em contrariar a CMVSP e negar o assassinato de JK? Paulo Sérgio jamais escondeu suas simpatias pelos EUA e Israel. Em agosto de 2013, ele presidia a Comissão Internacional de Investigação para a Síria (CIIS), quando ocorreu um ataque químico no subúrbio de Damasco, em Ghouta, de autoria desconhecida, matando centenas de pessoas. Em maio do mesmo ano, uma das integrantes da Comissão, Carla Del Ponte, afirmara categoricamente que o “rebeldes”, que combatem o governo de Bashar al-Assad, eram responsáveis pelo uso de armas químicas na Guerra da Síria. Os “opositores” do presidente sírio são armados, treinados e financiados pelos EUA e seus aliados regionais (Turquia, Catar, Israel e Arábia Saudita) desde o início dos combates, em março de 2011.

 

No início de junho de 2013, Paulo Sérgio veio a público afirmar que a CIIS não poderia determinar quem usou armas químicas no conflito após a entrega de supostas provas pelos governos dos EUA, França e Inglaterra. Só se podia afirmar, segundo ele, que armas químicas estavam sendo usadas no conflito. Em dezembro, o jornalista ianque Seymour Hersh, que em uma longa reportagem investigativa sobre o ataque a Ghouta, acusou o grupo al-Nusra, filiado à rede terrorista al-Qaeda, pelo uso e ataque de armas químicas no referido subúrbio damasceno, ratificando as declarações de Del Ponte.

 

No entanto, a mídia ocidental acusava abertamente o governo de al-Assad, sem apresentar provas concretas, pelo ataque químico contra a própria população nos arredores de Damasco. O uso de armas químicas foi considerado pelo presidente-ditador dos EUA Barack Obama uma “linha vermelha”, a qual o governo sírio estava impedido de atravessar, pois, do contrário, haveria uma resposta militar. Analistas internacionais entenderam que os EUA pareciam buscar apenas um pretexto, mesmo que fosse forjado, para atacar a Síria, tal como ocorrera no Vietnã, em 1964, e no Iraque, em 1991 e em 2003, quando a suposta existência de armas de destruição em massa foi usada exaustivamente pelo governo W. Bush e pela mídia ocidental como casus belli para o extermínio do país mesopotâmico.

 

Ao desmentir a comissária Del Ponte e aceitar as supostas provas indicadas por Washington D.C., Paulo Sérgio livrava tanto os “rebeldes” da acusação como também permitia a Barack Obama impor a sua versão dos acontecimentos na Síria, abrindo caminho para um bombardeio ianque sobre a Síria, cujo resultado poderia ter sido a deflagração de uma III Guerra Mundial aberta. Isto quase ocorreu de fato, pois a frota ianque no Mediterrâneo chegou a disparar um míssil contra a Síria, no início de setembro do ano passado, que foi interceptado pelos russos.

 

Ao se negar a reconhecer que JK foi assassinado (assim como Jango e Lacerda), apesar dos abundantes indícios neste sentido, que não param de crescer, a CNV parece tentar isentar não apenas a Operação Condor, mas, sobretudo, a participação dos EUA na repressão das ditaduras sul-americanas. Por tabela, a responsabilidade de George H. W. Bush no assassinato de um ex-chefe de Estado e de um chefe de Estado deposto ficou ocultada.

 

Com a impunidade garantida, a carreira de crimes cometidos por H. W. Bush não foi encerrada com sua saída da chefia da CIA. Ele se tornaria presidente dos EUA em 1989, e como um ditador ao estilo romano declarou guerras sem pedir autorização ao Congresso, invadindo o Panamá, em 1990, onde mais de 4 mil pessoas foram assassinadas, a Somália, em 1992, e, sobretudo, o Iraque, país em que mais de 150 mil pessoas foram exterminadas pelos bombardeios ianques de saturação por mar, ar e terra, ao longo de 41 dias, no inverno de 1991.

 

Um legado colonial

 

Seria, portanto, desnecessário dizer que os EUA têm uma longa tradição de invadir países e derrubar governos que não lhes agradam? Infelizmente, é necessário. É preciso lembrar que os EUA foram o principal autor do golpe de Estado de 1964 que derrubou o presidente João Goulart. Washington D.C. despachou uma frota para atacar o Brasil (a Operação Brother Sam), para motivar os golpistas e também para vergar uma provável resistência ao golpe. E existiam motivos para temer uma resistência, pois as eleições presidenciais se aproximavam e Jango e o seu projeto de “reformas de base”, visando um desenvolvimento econômico e social soberano, gozavam de enorme popularidade. Sem a ameaça de intervenção militar ianque, não haveria como dissuadir uma eventual resistência armada ao golpe (que poderia se esboçar com a mobilização do III Exército, no Rio Grande do Sul). Portanto, mesmo contando com empresários, classes médias e significativos efetivos militares favoráveis à queda de Jango, sem a participação dos ianques a deposição do presidente seria impossível.

 

Com o golpe dos EUA contra o Brasil, apoiado por setores do empresariado, dos militares e das classes médias, em 1964, inaugurou-se o ciclo de ditaduras de segurança nacional no Cone Sul. Com tais ditaduras, as forças armadas destes países foram convertidas pelos EUA em forças de ocupação militar estrangeira, dando prosseguimento às diretrizes geopolíticas traçadas pelo geógrafo ianque Nicholas Spykman para a contenção da URSS e o controle da Eurásia. Por meio destes governos antidemocráticos, Washington D.C. promoveu sua guerra contra as políticas econômicas nacional-desenvolvimentistas sul-americanas, que ameaçavam a retaguarda imperial, sem a qual seria impossível a projeção de poder sobre a ilha-mundo euro-afro-asiática e, portanto, sobre toda a humanidade.

 

Hoje, a direita brasileira reconhece a participação dos EUA no golpe de 1964, porém, como há um esforço por uma parte significativa da esquerda brasileira em subestimar e até mesmo negar a participação decisiva dos ianques no golpe e na ditadura civil-militar inaugurada em 1964 (a ponto de manter silêncio com a participação de um partidário de Washington D.C. na CNV), é preciso mais do que nunca resgatarmos as raízes históricas do nosso atual Estado liberal-colonial, que se consolidou a partir dos governos Collor e FHC. Sob o regime liberal, o Brasil se tornou uma das nações mais violentas do mundo.

 

Ramez Philippe Maalouf é historiador (UERJ), mestre e doutorando em Geografia Humana (USP).

Publicado originalmente no Oriente Mídia.

Recomendar
Última atualização em Qui, 15 de Maio de 2014
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates