topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Assédio e trabalho Imprimir E-mail
Escrito por Claudionor Mendonça dos Santos   
Quarta, 07 de Maio de 2014
Recomendar

 

Embora a questão do assédio não seja fenômeno novo, sua intensidade se acentuou nos tempos atuais, especialmente em razão da entrada no mercado de trabalho da mulher. O tema vem sendo objeto de debates e pesquisas, especialmente na questão de gênero. E no que concerne ao assédio moral, a situação se agrava porque a exposição a situações humilhantes e constrangedoras impostas às trabalhadoras assume tamanha gravidade que se estende até a absurda interdição à fisiologia, controlando tempo e frequência nos banheiros, e à absurda exigência de comprovação do ciclo menstrual.

 

Embora invisível, a humilhação se concretiza nas relações de trabalho, influindo na saúde dos trabalhadores, pressionados num cruel sistema competitivo, provocando desestabilização emocional, gerando perda da autoconfiança e, consequentemente, de interesse pelo trabalho. O assédio moral no trabalho não se constitui em fato isolado. Ao contrário, ele se completa pela repetição ao longo do tempo através de práticas vexatórias, atentando de forma cruel contra a dignidade.

 

Pesquisas apontam que as multinacionais, desprezando o fato de que seu quadro funcional se constitui em seu maior patrimônio, são campeãs imbatíveis na questão do assédio. Humilhações, xingamentos, preconceitos raciais, cobranças de metas são tópicos abordados em várias ações promovidas por funcionários que não se calaram diante dos constrangimentos que lhes foram impostos. Também a categoria bancária se coloca no topo no requisito pressão e ameaças de dispensa, mantendo-se, até, serviço de espionagem para verificação dos afastamentos médicos.

 

Visando por fim a uma das modalidades de assédio da maior gravidade, o Código Penal estabeleceu, de forma tímida, sanção de um mês a dois anos de detenção à pessoa que constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência, inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função.

 

Além da sanção simbólica, enquadrando-se nas hipóteses previstas na Lei 9099/95, a questão probatória é dificílima. Exigindo-se prova e, notadamente, a testemunhal, tal comprovação é praticamente inviabilizada, notadamente em razão das testemunhas pertencerem ao quadro funcional que, dificilmente, irão se indispor com seu empregador. Restam as versões do agente e da vítima, enfraquecida, assim, a comprovação do assédio para a efetiva responsabilização.

 

Dessa forma, longo percurso ainda deverá ser percorrido para que a dignidade da pessoa, fundamento da República Federativa do Brasil, não seja mero enunciado.

 

 

Claudionor Mendonça dos Santos é promotor de Justiça e associado do Movimento Ministério Público Democrático.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 09 de Maio de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates