topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Palestinos se unem para virar o jogo Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Segunda, 28 de Abril de 2014
Recomendar

 

 

Quando os palestinos buscaram na ONU o reconhecimento de sua independência, os EUA vetaram.

 

Determinaram que a independência da Palestina só poderia ser conseguida através de negociações diretas ente as partes.

 

Contra a opinião do Hamas, o Fatah, que administra parte da Cisjordânia, dobrou-se ao diktat de Tio Sam.

 

Pressionado por Obama, desistiu de exigir uma parada na expansão de novos assentamentos judaicos como pré-condição para iniciar conversações com os israelenses.

 

Há poucos dias do fim do prazo para se chegar a um acordo, não se chegou a nada.

Durante os nove meses de discussões, Netanyahu bateu o recorde na criação de novos assentamentos e, por fim, deixou de libertar o último grupo de 104 prisioneiros, como havia prometido.

 

Enquanto isso, Abbas, chefe do Fatah e da Autoridade Palestina, limitou-se a protestar e denunciar as transgressões de Netanyahu.

 

O máximo que ousou foi, depois da negativa dos israelenses em libertar os prisioneiros, assinar 15 convenções internacionais como um país livre.

 

De repente, os ventos mudaram: em vez de se deixar levar pelos manejos da Casa Branca, ele se voltou para os dirigentes do Hamas, até então totalmente excluídos das negociações de paz.

 

E os dois movimentos fizeram as pazes – brigados desde 2006, quando o Hamas ganhou as eleições parlamentares palestinas. A partir daí, o Fatah permaneceu na Cisjordânia, administrando parte da região através da Autoridade Palestina. Enquanto o Hamas ficou governando o Estreito de Gaza.

 

Rivais durante oito anos, Fatah e Hamas proclamaram o óbvio: que o verdadeiro adversário é Israel.

 

Em cinco semanas, irão formar um ministério de unidade, seguindo-se eleições de um novo parlamento, nove meses depois.

 

Tanto os governos de Israel quanto dos EUA apressaram-se em condenar o reatamento.

Para Netanyahu, os palestinos tinham de escolher entre a unificação e a paz. Com a opção que fizeram, a paz estaria morta.

 

Na verdade, já estava. Ninguém esperava que até o prazo final de 29 de abril surgisse uma solução mágica.

 

Para alguns analistas israelenses, aconteceu exatamente o contrário: longe de ser destrutiva, a participação dos dirigentes de Gaza nas reuniões era indispensável para que um possível acordo incluísse todos os palestinos, não somente os liderados pelo Fatah.

 

As razões do veto do premier de Israel e dos EUA às negociações com representantes dos movimentos unificados resumem-se a duas:

 

a) O Hamas é um movimento terrorista;

 

b) O Hamas não aceita a existência de Israel e defende a luta armada contra a ocupação.

 

A verdade é que o Hamas abandonou o terrorismo há muitos anos.

 

Além disso, depois da última trégua com Israel, deixou de lançar mísseis contra o território do seu vizinho. Chegou a criar uma força especial para tentar evitar que outros grupos revolucionários partissem para esse recurso inócuo (embora muitas vezes não consiga). Os raros ataques lançados pelo Hamas são em resposta a ataques anteriores de Israel.

 

Quanto ao não-reconhecimento de Israel pelo Hamas, convém lembrar que Israel, por sua vez, também não reconhece a Palestina como Estado. Fez o maior escândalo quando Abbas pleiteou o ingresso da nação palestina na ONU como Estado-membro.

 

De qualquer modo, assim como existem vários ministros de Netanyahu contrários à independência da Palestina, ele não tem direito de reclamar que, no futuro ministério da aliança Hamas-Fatah, haja quem não reconheça Israel.

 

Mesmo assim, acredito que os dirigentes do Hamas vão deixar claro que não se opõem à existência do Estado de Israel.

 

Não sei se EUA e Israel se contentarão com isso. Há razões não expressas que pesam mais nas rejeições à aliança do Fatah com o Hamas. Juntos, eles ficam mais fortes para lidar com a agressividade de Israel.

 

E menos dependentes dos favores e humores de Obama. Apesar da ruptura no processo de paz causada pela unificação dos movimentos palestinos, Abbas insiste em buscar uma solução negociada.

 

Ele defende um prolongamento das negociações desde que sejam satisfeitas algumas condições:

 

- libertação do último grupo de prisioneiros;

 

- dedicar os próximos três meses à discussão das fronteiras dos dois Estados;

 

- paralisação da criação de novos assentamentos.

 

Muito razoável. A libertação dos prisioneiros já era um compromisso assumido por Israel.

 

A questão das fronteiras, por envolver a possível troca de territórios de assentamentos por territórios em Israel, é absolutamente fundamental. Resolvida, representará um sinal verde para a solução dos dois Estados.

 

Quanto aos assentamentos, até Obama, no seu primeiro governo, considerou essencial que fossem interrompidos.

 

Caso Israel dê o contra, Abbas já disse o que fará: deve entregar a chave da Autoridade Palestina a Netanyahu.

 

Passará a administração para ele dizendo algo assim: “Aqui está a autoridade, vocês esvaziaram completamente seu conteúdo. Fique com ela”.

 

Netanyahu e seus principais aderentes afirmaram que não se preocupam nem um pouco com as declarações de Abbas. Pois deviam.

 

Como potência ocupante da Cisjordânia, Israel seria obrigado a prestar serviços de saúde, educação e segurança aos 2,5 milhões de habitantes da região.

 

O que custaria uma grande soma de recursos inesperadamente adicionados ao orçamento de Tel-aviv.

 

Além disso, o isolamento internacional de Israel ficaria ainda maior – fornecendo abundante munição ao movimento pelo boicote dos produtos israelenses em todo o planeta.

 

Sem contar que, caso não atendesse às suas novas obrigações para com os palestinos, poderia sofrer sanções, se não da ONU (os EUA provavelmente bloqueariam), pelo menos dos países da Europa, já irritados com as violências e violações israelenses.

 

Os EUA reagiram à ameaça de Abbas de fechar a Autoridade Palestina, anunciando cortes de subsídios a ela.

 

Totalmente inócuo, pois, não havendo mais Autoridade Palestina, não haverá a quem Tio Sam possa negar seus dólares.

 

Retaliação muito mais forte viria de Israel, que está acostumado a impor seus pontos de vista com desusada audácia e agressividade.

 

Os dirigentes palestinos estão conscientes disso, terão previsto como se defender.

 

Alguns observadores palestinos atribuem a surpreendente coragem do até agora fraco e submisso Abbas à sua idade avançada. Como não se recandidatará à presidência, quer deixar uma herança gloriosa.

 

Porém, a explicação parece residir naquele velho e batido chavão: “a união faz a força”.

 

 

Luiz Eça é jornalista e colunista do Correio da Cidadania.

Website: www.olharomundo.com.br

Recomendar
Última atualização em Quarta, 30 de Abril de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates