O poder mundial não precisa de golpe no Brasil

 

 

As riquezas minerais, especialmente o petróleo, continuam sendo o grande motivo de muitos golpes em diversas partes do mundo, para garantir a exploração e posse desses bens por alguns poucos países ricos. É óbvio, há interesse por outras riquezas também.

 

Há quem pense, talvez a grande maioria, que quem conduz todo o esquema de exploração das riquezas dos países periféricos seja apenas o imperialista EUA. Desconhecem o verdadeiro poder mundial das 300 famílias detentoras de imensas fortunas, lideradas por 13 dinastias, que habitam em vários países. Manejam o poder através de mecanismos que se pode conhecer em meu blog, no artigo “Governo Mundial”.

 

Diversos países foram invadidos ou sofreram golpes patrocinados pelos EUA, França, Grã Bretanha etc.

 

No Brasil, Getúlio Vargas, ao sair do poder em 1945, deixou créditos de cerca de US$ 500 milhões junto aos EUA e £100 milhões junto a Inglaterra. José Linhares exerceu a presidência por seis meses, passando para o Marechal Eurico Gaspar Dutra, que cedeu às pressões daqueles dois países devedores.

 

O primeiro, EUA, obrigou o Brasil a dilapidar os créditos em mercadorias que ainda não fabricava: importou rádios de pilhas, geladeiras, iô-iôs, canetas esferográficas etc. Não pôde aplicar em bens de capital. O outro país devedor obrigou o governo Dutra a encampar a falida e sucateada “The Leopoldina Railway Co.”, por quase todo o valor dos créditos brasileiros e, pior, faltando, pelo contrato, apenas alguns meses para voltar para a União sem nenhum custo. E Dutra, de quebra, criou a Escola Superior de Guerra, sob figurino desenhado por oficiais norte-americanos.

 

Voltando à presidência, em 1951, Getulio imprimiu orientação de defesa das riquezas nacionais. Caiu em 1954, após a aprovação da Lei 2004 (monopólio estatal do petróleo) e a limitação da remessa de lucros.

 

Jânio Quadros caiu em agosto de 1961, após restabelecer relações diplomáticas com países da “Cortina de Ferro”, preparar o restabelecimento com a URSS, mandar limitar a remessa de lucros para o exterior e impedir a criação de uma Força Interamericana para invadir Cuba, proposta pelos EUA.

João Goulart foi derrubado após editar decreto de limitação da remessa de lucros e medidas que desgostaram a burguesia rural.

 

O golpe que o derrubou, em 1964, iniciou-se em 1954, pois o poder mundial não permitia nenhum governo que tivesse autonomia. Em 1964, devido também à conjuntura internacional, militares, com apoio de civis, consumaram o golpe idealizado, conforme o embaixador Lincoln Gordon, pelos EUA. Afinal, Cuba estava atravessada na garganta do poder internacional e já se avizinhavam outros governos populares.

 

Quando Obama anunciou que iria bombardear a Síria, para derrubar o governo de Bashar Assad, era a aplicação da política de dominação universal concebida no final da II Guerra Mundial. Recuou devido à indecisão do Congresso e repúdio da opinião pública, mas não significa modificação da política para o Oriente Médio. Em 1953, ao derrubar o governo nacionalista de Mossadegh no Irã, recolonizou o país e estabeleceu uma base para toda a região.

 

Foi no governo de Franklin Roosevelt (1882/1945) – quatro mandatos, 1933/45 -, que foi criado o “War and Peace Program”, visando ao domínio perpétuo dos EUA sobre todo o mundo, quando ainda se pensava que, com a desagregação do Império Britânico, a Grã Bretanha deixaria de ser imperialista.

 

No início da ditadura militar-civil no Brasil, o grande capital internacional gozava de ampla liberdade. Porém, Geisel (1974/1979) impôs algumas medidas de defesa da nossa soberania. Fez acordo com a Alemanha para construir a usina nuclear de Angra, desagradando aos EUA, e denunciou o Acordo Militar Brasil-EUA, que Lula veio a restabelecer.

 

David Rockefeller cria e preside, em 1982, o “Diálogo Interamericano” e a política imperialista para a America Latina começa a mudar.

 

Sofreram golpes também, o Chile (grandes reservas de cobre), a Bolívia (gás natural), Argentina (petróleo) e até o pequenino Uruguai, estratégico para o pleno desenvolvimento das ditaduras latino-americanas.

 

Os golpes foram efetuados para liberdade de exploração das riquezas minerais dos diversos países. Essa necessidade dos países dominantes persiste até hoje, para que possam desenvolver suas próprias economias e dominar a economia mundial.

 

Esperava-se que, com o restabelecimento da democracia no Brasil, os governos eleitos tivessem autonomia, devido à legitimidade conferida pelas urnas, e defendessem os interesses nacionais e populares. Ledo engano. Os grandes grupos internacionais continuam dando as cartas.

 

Sarney, igual a peru tonto, empurrou com a barriga seus cinco anos. Collor foi mais incisivo na implantação da política econômica neoliberal que Fernando Henrique consolidou e aprofundou, com a desnacionalização da economia, as privatizações e a derrubada do monopólio estatal do petróleo, beneficiando as petroleiras multinacionais. Além de atacar os direitos sociais, trabalhistas e previdenciários, entre outras medidas lesivas aos interesses nacionais.

 

Lula manteve a mesma política e, mais realista que o rei, aceitou a nomeação para a presidência do Banco Central do Brasil do indicado por David Rockefeller. Anunciou o Sr. Meirelles em Washington, em novembro de 2002, após sair de uma reunião como George Bush. E, no mesmo mês e ano, passou um final de semana na fazenda da família Moreira Salles, testa de ferro da multinacional Molycorps, que explora nióbio no Brasil e é dona da maior reserva do mundo em Araxá. Esse preciosíssimo mineral está saindo desbragadamente para a Grã Bretanha e para os EUA, países que não dispõem em seus subsolos de nenhum grama do metal. O manganês do Amapá já acabou, e ficaram apenas os buracos.

 

Dilma aceita tudo e as empresas nacionais estão sendo adquiridas, livremente, pelas multinacionais que já dominam a rede de supermercados, lanchonetes, laboratórios, indústrias, distribuidoras de energia, telefonia etc. E privatizou o pré-sal.

 

Portanto, se o poder mundial, o grande capital, os bancos, os grandes órgãos de mídia, o agronegócio, estão à vontade e lucrando como nunca, por que tirar do poder quem lhe atende completamente? E, de quebra, se a oposição vencer, nada mudará. Será o original derrotando a cópia.

 

Interessa a esse poder, sim, derrubar governos que acabaram com a exploração de suas riquezas nacionais, como Venezuela, Bolívia, Equador, Nicarágua e até a Argentina, que está tomando medidas de defesa de suas riquezas.

 

Leia também:

O enigmático golpe contra Lula (1)

O enigmático golpe contra Lula (2)

O enigmático golpe contra Lula (3)

 

 

Ronald Barata é bacharel em direito, aposentado, ex-bancário, ex-comerciário e ex-funcionário público. Também foi militante estudantil e hoje atua no Movimento de Resistência Leonel Brizola. Autor do livro O falso déficit da previdência.

Comentários   

0 #1 RE: O poder mundial não precisa de golpe no Brasil Hildermes José Medei 24-04-2014 15:03
A meu ver essa análise peca por não levar em consideração os avanços do Brasil no campo institucional, econômico e político, principalmente, nesses doze últimos anos, desde que, dizendo sem rodeios, Lula e o PT chegaram ao poder. Sem entrar no cipoal de discutir se essa nova ordem seja na mesma linha dos governos anteriores,que não é, embora atuando dentro da prática capitalista sem afrontar aspectos básicos do sistema.
Muito menos fazer como faz a mídia e a oposição institucional não atribuindo méritos aos novos governantes. Por menos que se deseje, a verdade não é que não haja interesse em um golpe de estado, diante das dificuldades para retornar ao poder através do voto os governantes que anteriormente eram simplesmente serviçais dos interesses do capitalismo. Não só interessa o golpe como já tentaram e não deixam de se prepararem esperando uma oportunidade. O Brasil, que é territorialmente muito grande
cresceu e se desenvolveu em todos os sentidos, passou a contar com um grande e moderno parque industrial, desenvolveu seu setor agropecuário tornando-se um dos grandes celeiros do mundo, com um grande mercado interno que o tornaram em peça importante para o Sistema Capitalista. Essa nova condição a que chegou o país, onde os interesses capitalistas internacionais encontram-se em toda parte, tornou a tomada de poder através de golpe um risco político e econômico para todo o Sistema. De forma simples diria que o golpe de estado tornou-se política e economicamente inviáve. Outros meios, por exemplo uma revolução, padecem da mesma inviabilida, a não ser que fosse possível de ser alcançada sem a participação do povo, que no momento não está nada revolucionário. Querem melhorias, mais benefícios, e ficam por aí. As pseudo forças revolucionárias estão preocupadas em desconstituir Lula e seu partido, e afastá-los do poder, diante da única alternativa de fato possível que é voltar a condição anterior, que o povo rejeitou e não quer de volta, e isto não é de nenhuma forma melhor.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados