topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
“Para o Mais Médicos dar certo, é preciso mudar a mentalidade mercantil na saúde do Brasil” Imprimir E-mail
Escrito por Raphael Sanz e Gabriel Brito, da Redação   
Qui, 20 de Março de 2014
Recomendar

 

 

Como se podia prever, a vinda dos médicos cubanos para o programa do governo federal Mais Médicos foi uma das maiores polêmicas recentes da política brasileira. A tal ponto que talvez muitas pessoas sequer saibam que profissionais de dezenas de outros países também desembarcaram no país nos últimos meses, com estadia programada para alguns anos.

 

Por um lado, critica-se muito a forma como foi feito o contrato com os médicos vindos de Cuba, os quais têm parte do seu salário retido pelo governo da ilha, como numa espécie de terceirização; por outro, o programa foi altamente festejado por parcelas da população, tendo em vista que os médicos estrangeiros vieram atender em localidades que praticamente nunca desfrutaram de atendimento digno.

 

O Correio da Cidadania localizou – através de contatos da redação – um hotel no centro de São Vicente, no estado de São Paulo, que abriga 12 médicos estrangeiros do programa – são 15 no município –, a maioria vinda de Cuba e da Espanha. Numa manhã abafada de sexta-feira pós-carnaval, descemos a sugestiva Rodovia dos Imigrantes para uma conversa com cinco desses doutores. Dos entrevistados, dois são espanhóis: Freddy Barrueto, 42 anos, filho de pai cubano com mãe espanhola. Formou-se na faculdade de medicina em Cuba, já trabalhou na própria ilha, na Espanha e nos EUA; e Pilar Meyniar, 54, nascida e formada na Espanha, trabalhava em Madrid, onde deixou sua mãe e seus dois filhos para vir ao Brasil. As médicas cubanas presentes na conversa foram Moraima Martinez Fuentes, 46, que trabalhou por seis anos na Venezuela e agora veio ao Brasil; Noris Valladares, 45, que, entre outros lugares, trabalhou na Argélia; e Nerbis Carranza Sánchez, 44 anos, mais arredia na conversa, mas igualmente experimentada em terras internacionais.

 

Freddy foi o primeiro a chegar ao Brasil, mais exatamente em setembro, em São Paulo, logo na primeira turma do Mais Médicos. “Fiz cinco semanas de treinamento e depois vim para São Vicente, o meu destino final. Meu contrato inicial é de três anos e pode ser renovado por mais três”, contou. Moraima e as outras cubanas vieram na segunda turma, em novembro. Pilar, por sua vez, recém se instalou, a duras penas, em São Vicente. A despeito da polêmica mais midiatizada, que versava sobre o salário dos cubanos, a madrilenha era claramente a mais revoltada com a situação econômica com que se deparou. Pilar denunciou que ela e outros médicos da terceira turma ainda não tinham recebido do governo federal, através do Ministério da Saúde, os pagamentos, em torno de 2000 reais, para os primeiros dias da vida em solo brasileiro.

 

“Nós da terceira turma ainda não vimos nem um tostão. Não viemos mendigar, somos profissionais médicos que viemos com um contrato de trabalho e eu só quero que se cumpra o acordo. Tenho família na Espanha, dois filhos, mãe e não posso deixá-los à deriva. Vim participar de um programa que pretende ajudar a população carente de um país, que não é o meu, já faz um mês que estou aqui e não pude mandar absolutamente nada para o meu filho”, protestou. Segundo ela, graças à ajuda dos outros médicos e da (morosa) entrada em cena da prefeitura de São Vicente, ela conseguiu se instalar em um quarto do hotel.

 

Faz-se necessário assinalar que os honorários dos doutores cabem ao governo federal, enquanto suas demais necessidades estão sob responsabilidade das prefeituras, cada qual a oferecer as condições de moradia, alimentação e deslocamento que sua cidade possa comportar. Desse modo, não há um padrão uniforme de recepção e tratamento aos médicos estrangeiros nas diversas cidades brasileiras. Porém, é notório que muitas delas têm dificuldades em garantir condições adequadas.

 

Para Freddy, o fato de ter feito parte da primeira turma lhe soou como uma espécie de laboratório para o programa. Ele contou que os primeiros médicos a aterrissarem em São Paulo foram obrigados a ficar alojados no quartel do II Exército, no Ibirapuera.

 

“Eu e mais 54 pessoas da minha turma fomos os primeiros a chegar em São Paulo, de diferentes nacionalidades, do mundo inteiro, do Líbano, Mauritânia, Haiti, México etc., e ficamos em um quartel militar. Moramos sob uma normativa militar, ou seja, nós acordávamos às cinco e meia da manhã, tínhamos uma hora para tomar o café da manhã, banho gelado, trinta minutos para pegar o ônibus e fazer o treinamento, tudo muito complicado. Nós tivemos que sofrer essas condições”.

 

Para o espanhol, a “experiência na caserna” não foi das melhores. Além do mais, ao chegar em São Vicente também viveu as agruras experimentadas por Pilar, e só não abandonou o programa pois foi pessoalmente à prefeitura exigir soluções. “Puseram minhas malas fora do hotel, por falta de pagamento. Fui à prefeitura às 10 da manhã e disse que, se até meio dia nada fosse feito, eu pegaria minhas coisas e iria direto para o aeroporto de Guarulhos, não sem antes registrar a situação no consulado da Espanha”, revelou.

 

Freddy trabalha na favela “México 70”, um dos bairros mais carentes e violentos da cidade litorânea. Lá, trabalha 40 horas por semana, atendendo em média 32 pacientes por dia, oito por hora, jornada similar à de seus colegas (São Vicente ainda receberá mais 7 médicos estrangeiros).

 

Concepções conflituosas

 

Enquanto os espanhóis falavam mais e davam suas opiniões com maior desenvoltura, os cubanos se mostravam mais reservados. Com exceção de Moraima, respondiam de maneira mais simples e objetiva, sem muitas voltas no assunto. Aparentemente, mantém uma grande desconfiança com os interlocutores brasileiros da mídia, uma vez que não puderam deixar de notar a imensa polarização política erigida em torno de sua presença.

 

“Nós (cubanas) já estivemos em outros países, mas esse aqui tem suas condições diferentes. Desde que chegamos, foi tudo bem, nosso alojamento não só foi um hotel cinco estrelas, como todo o resto foi ótimo; o difícil foi não sabermos falar o português e ter que enfrentar esse idioma. Não é tão difícil, mas falar bem é complicado para nós, que nunca tivemos a oportunidade”, explicou. Ainda disse que, apesar de a mídia e setores da população rechaçá-los por questões políticas, a recepção nos locais onde trabalham foi, sempre, muito positiva. “As pessoas são mais carinhosas onde vamos. Nós, para eles, somos seres humanos. Apesar de a televisão e os jornais falarem (mal) de nós por sermos cubanos, o que se vê com as pessoas é o oposto desse discurso”, afirmou.

 

“Uma coisa que me deixou muito revoltada foi quando cheguei e uns médicos brasileiros, formados no exterior, nos disseram que muitos médicos daqui falavam que só estávamos vindo porque não tínhamos o que fazer em nossos países, como se fôssemos alguma merda... Não é verdade. A maioria de nós, espanhóis, tinha emprego lá, temos nossas especializações e viemos porque quisemos, porque achamos o programa interessante e vemos que o Brasil tem um futuro enorme”, contou Pilar, testemunhando que o chauvinismo brasileiro foi mais “democrático” do que o imaginado.

 

De poucas e certeiras palavras, as médicas cubanas foram paulatinamente cedendo espaço, ao passo que Freddy colocava suas impressões a respeito da recepção brasileira aos médicos estrangeiros. “Naquele momento (em setembro) era quando pior se encontrava a situação de receptividade dos médicos brasileiros para com os estrangeiros, de todos os países, não só dos cubanos. Mas eu acho que a imprensa, por uma questão política, se centrou mais nos médicos cubanos. E essa atitude de uma minoria da classe médica, em minha opinião, responde a interesses políticos de um determinado partido”, disparou o espanhol, aparentemente bem informado a respeito da conjuntura do país.

 

“Não é essa a opinião de todos os médicos brasileiros, é de uma minoria. Mas preciso entender também que, se eu fosse agredido, como um colega cubano foi, a minha opinião seria bem diferente. Porque, primeiro, independentemente de eles terem razão em algumas questões, das quais estavam reclamando, é responsabilidade do governo evitar que um médico cubano tome uma cusparada na cara. Eu acho que a postura de alguns médicos brasileiros está justificada, outras defendem interesses políticos ou econômicos, mas em geral é uma minoria”, frisou.

 

Diferentemente do que acreditam setores mais inflamados, tanto à esquerda como à direita, Moraima e os cubanos em geral não vieram ao Brasil fazer política, mas para exercer seu ofício, como há 20 ou 25 anos já o fazem. Para ela, “cada um tem uma visão política diferente, uma maneira diferente de entender as coisas. Eles podem dizer o que bem entenderem (sobre nós, médicos cubanos), mas nós sabemos como vivemos, como trabalhamos, o que fazemos, estamos conscientes de tudo o que queremos na vida e não estamos obrigados aqui, viemos porque quisemos, então a política não nos interessa, o que interessa é dar assistência médica para esse povo que necessita”, concluiu, marcando clara distância de qualquer julgamento ideológico. Mais uma vez, ficou a impressão de estarem plenamente a par dos jogos de interesses do país em que estão. Transparecem, inclusive, um certo enfado, ou desprezo, a respeito da mesquinhez de um debate que brilha por ignorar todo o desastre social representado pela saúde pública no Brasil, ponto fulcral do Mais Médicos.

 

Não à toa, Freddy compartilha da opinião de Moraima, de que os médicos têm a função de atender pessoas, e não de fazer política, e que, independentemente das implicações, o povo está satisfeito com o serviço prestado. “Coloquei um aparelho no ouvido de um paciente. É um aparelho básico para um clínico geral, mas aqui no Brasil só o especialista (otorrinolaringologista) o possui. E o paciente saiu falando para toda a família e toda a comunidade que o médico colocou um aparelho no seu ouvido”. Para ele, os pacientes estranham qualquer tipo de atendimento mais próximo. “Estão acostumados, de acordo com o que pude observar, a ter um atendimento primário ‘express’. O paciente entra, eu não olho pra ele, nem para seus olhos, pergunto o que tem e o que precisa, levanto minha cabeça e ele vai embora atrás de um especialista”, descreveu.

 

Ele acredita que essa prática, sem nenhum toque de medicina preventiva, pode vir a lotar as agendas dos especialistas e agravar o quadro dos pacientes durante o período de espera, enquanto boa parte das pequenas ocorrências médicas pode ser diagnosticada e tratada logo no primeiro atendimento, sem consequências que exijam um tratamento de emergência. “Se eu não falo com você, não pergunto nada, e você me diz que quer ir a um dermatologista, eu preciso dar uma olhada. De repente, é só um pequeno furúnculo, que deixa a pessoa assustada porque não tem conhecimento em medicina; depois, ela vai embora sem que o médico lhe olhe ou toque, mas na verdade não era um problema que demandasse o dermatologista”, exemplificou.

 

“Uma medicina mercantilizada”

 

Freddy critica ferozmente o uso político do Programa Mais Médicos. Para ele, uma medicina de qualidade não tem a ver com o sistema político vigente no país em questão, mas com a mentalidade do povo e dos profissionais médicos. “Eu me formei em Cuba e trabalhei na Espanha. É o mesmo tipo de medicina. O mesmo atendimento que se faz na Espanha, se faz em Cuba, é o mesmo sistema de trabalho. O Brasil quer implantar agora um sistema de medicina preventiva. Eu acho uma boa idéia em teoria, mas, para levá-la à prática, é necessário mudar muitas questões, como a mentalidade do coletivo médico e da população em geral. E sem isso, não se consegue implantar um sistema novo, de medicina preventiva”, opinou.

 

A relação entre médico e paciente é uma das coisas que, na compreensão de Freddy, urge mudar. “Muitas vezes, uma consulta com um ortopedista não dura mais do que um minuto”. Enfatizando várias vezes na conversa, o grupo entrevistado acredita que a saúde no Brasil é altamente mercantilizada. E Freddy ilustra a tese:

 

“Um profissional médico, que dá aula na universidade em Santos, trouxe os alunos dele para conversarem comigo. Eles pagam, sei lá, 3 mil reais por mês para cursar a faculdade de medicina. E eles me perguntaram por que eu estou aqui. Aí eu disse que, quando se termina o curso, é preciso dar plantão, atender em lugares mais necessitados, porque, além de melhorar a vida das pessoas, ainda vai render muita experiência. Mas na cabeça deles isso não existe”, explicou. Talvez não exista por conta da necessidade de o jovem médico dar retorno à família, pelo investimento em sua formação. “Mas se você quer ficar rico, torne-se um banqueiro, um empresário, mas não um médico! Eu estudei em um país comunista, trabalhei e trabalho em países capitalistas e isto (questão política) não tem nada a ver com medicina”, pontuou.

 

O espanhol ainda afirmou que “muitos médicos estão mais preocupados em ficarem ricos do que em exercer a medicina. Eu vejo essa mentalidade muito forte no Brasil, me dá a impressão de que a medicina aqui é mercantilizada e isso é uma questão de mentalidade, e não de qualidade dos profissionais, pois os médicos brasileiros são muito bons também”, concluiu.

 

Com a continuidade da conversa, o debate político torna-se realmente desinteressante, ou até irrelevante, diante das experiências que os profissionais contam de seus contatos com a população.

“Onde eu trabalho tinha um médico brasileiro e as pessoas dizem que o atendimento agora não é tão rápido como antes, que examinamos tudo, olhamos, tocamos e que antes era mais rápido. Do ponto de vista humano, isso (de um paciente ficar 5 anos sem acesso a um médico, como nos relataram) não entra na nossa cabeça, porque em Cuba não acontece. Todos que precisam de atendimento o têm, e rápido”, disse Noris.

 

Na mesma hora, suas colegas endossam os comentários, realçando a necessidade de um caráter humanitário nos tratamentos de saúde. “Lá a medicina é domiciliar também. Não é apenas no consultório, também visitamos os pacientes em suas casas. Trabalhamos muito com a medicina preventiva, para evitar certos quadros, e é muito eficiente, coisa que não vi aqui. É essencial conhecer a pessoa que se está atendendo, ou pelo menos conhecer algumas coisas mais básicas, como o lugar onde vive, os familiares. Se o médico não olha para o paciente, ele não sabe o que o paciente tem”, complementou Moraima.

“Tem que conhecer não apenas a doença, mas todo o contexto em que vive o paciente, sua família, seu bairro, seu trabalho, suas atividades...”, resume Pilar.

 

“Mudar a mentalidade”

 

Sem dúvida, o ponto dominante de toda a conversa foi a questão humana do atendimento médico e da relação com os pacientes, culminando na convicção de que o sucesso do programa passa por uma grande mudança de mentalidade.

 

“Precisa ensinar humanidades na faculdade de medicina, ensinar aos novos médicos que eles precisam olhar para o paciente mais além de um ou outro sintoma de que se queixe na consulta. Hoje eu não estou doente, mas amanhã posso estar e terei de ir a um médico. Todos precisamos dessa facilidade e os governos têm de ajudar para que o acesso chegue a todos. Eu trabalho com uma médica brasileira e ela é muito boa, o problema não é com os profissionais, mas com a mentalidade brasileira, em geral, não apenas dos médicos”, reforçou Moraima.

 

Entretanto, após tanto se discutir as vantagens da medicina preventiva, era preciso perguntar aos médicos como promover tal opção, diante de grandes interesses corporativos, precisamente da indústria farmacêutica.

 

“Todos sabemos que representantes da indústria farmacêutica visitam os consultórios. Eles oferecem ao médico uma compensação econômica para receitar determinados medicamentos. E isso também acontece na farmácia. Você pode chegar lá com uma receita minha de um remédio genérico e o farmacêutico tentar te empurrar o mesmo remédio, com o carimbo do laboratório, que é bem mais caro”, assinala Freddy.

 

Imediatamente, ele prossegue com uma afirmação que considera decisiva para o programa Mais Médicos. “Para criar um sistema de atendimento preventivo, precisa de toda a estrutura. O que acontece no Brasil é que um paciente qualquer vai a um clínico geral, é mandado para um especialista e tem de esperar semanas ou meses para ser atendido. Mas o problema pode se agravar, pois não existe estrutura para atender a todos que precisam de cuidados médicos especializados, no tempo em que precisam, no tempo em que a doença possa ser tratada sem que cause complicações. E para este programa dar certo, essas questões tem de ser resolvidas”, arrematou, contando com a concordância generalizada de seus colegas.

 

“O que podemos fazer é plantar essa semente aqui para que, com muita resistência de uma parcela dos médicos que trabalham daquela maneira, e não querem perder um determinado movimento econômico, profissional, social e certo poder político (e isso é muito difícil), possamos no futuro ter a estrutura ideal para exercer tal tipo de medicina”, falou Pilar.

 

A questão salarial

 

Ao contrário do que se poderia imaginar, as perguntas sobre a questão salarial não geraram fortes polêmicas, sendo prontamente respondidas pelos doutores. “Todos recebemos o mesmo salário do governo brasileiro. A diferença é que o governo de Cuba retém parte do salário deles e é o intermediário do pagamento. O problema é que o governo do Brasil tem conhecimento dessa situação há muito tempo e é quem permite essa diferenciação de salários entre cubanos e o resto dos médicos. Eles recebem 10 mil reais do governo brasileiro. Parte já se recebe aqui, a outra parte fica em Cuba e, quando eles voltarem, receberão uma porcentagem desta parte lá”, esclarece Freddy, autêntico porta-voz da turma.

 

“Quando viemos de Cuba pra cá, assinamos um contrato. Já sabíamos que receberíamos esse salário, já sabíamos de tudo, viemos porque quisemos. O que acontece é a diferença de custo de vida do Brasil para outros países. Aqui é tudo muito caro, o custo de vida é altíssimo. E os municípios não têm uma linha de atuação. Há municípios onde a prefeitura não ajuda em nada, por exemplo, e em outros a prefeitura dá um bom auxílio. E a vida é diferente. Os médicos de outros países podem alugar uma casa, um apartamento. Nós cubanos, não, dependemos das prefeituras e secretarias de saúde para nos arrumar alojamento”, completou Moraima.

 

As críticas de Moraima em relação ao alto custo de vida no Brasil foram endossadas na nossa pré-apuração. De acordo com Reynold Morales, professor cubano entrevistado pela redação, que trabalha legalmente no Brasil e volta para seu país de tempos em tempos, o custo de vida brasileiro é realmente muito elevado. “Com mil dólares em Cuba, você vive como um rei por meses. Já no Brasil, com os mesmos mil dólares, você paga suas contas básicas, aluguel, água, luz, comida, e sobra muito pouco”, relata.  De todo modo, Morales faz também referências ao custo de vida dos cubanos que vivem em Cuba. “Para quem mora no Brasil, talvez não seja tão caro (o custo de vida em Cuba), mas, para os cubanos é muito caro. Em média, um cubano ganha 250 pesos cubanos, que totalizam uns 10 CUCs (moeda local similar ao dólar). Uma garrafa de óleo, por exemplo, custa 2,15 CUCs. Então, imagina como é cara a vida na ilha”, explicou.

 

Ainda que alusões ao “trabalho escravo” para se referir aos profissionais cubanos, levantadas até por parlamentares-latifundiários que votaram contra a famosa PEC do trabalho escravo,  possam parecer exageradas, são concretas as diferenças salariais entre médicos cubanos e os de outras nacionalidades.* Tão concretas quanto as diferenças conjunturais e de custo de vida entre os diversos países, conforme o relato de Moraima, assim como o acesso (ou não) à saúde de umas e outras populações.

 

Com cordiais cumprimentos, nos despedimos sob a expectativa de lá retornar, a fim de continuar averiguando a execução de um programa que visa melhorar o atendimento médico de pessoas historicamente ignoradas por nossas políticas públicas.

 

Nota:

* A partir de março, os cubanos tiveram oficializado o salário de 1245 dólares mensais, algo em torno de 3000 reais, enquanto estiverem no Brasil.

 

Gabriel Brito e Raphael Sanz são jornalistas. Colaborou Valéria Nader, jornalista, economista, e editora do Correio da Cidadania.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 28 de Março de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates