topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...

Resenha

Desmilitarização da Polícia e da Política: uma resposta que virá das ruas

Imagem

    Desmilitarização da Policia e da Política: uma resposta que virá das ruas, de Givanildo Manoel da Silva (Org.), Editora Pueblo, Ano 2015
Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Apr   May 2015   Jun
SMTWTFS
   1  2
  3  4  5  6  7  8  9
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Tráfico humano Imprimir E-mail
Escrito por Dom Demétrio Valentini   
Sexta, 07 de Março de 2014
Recomendar

 

 

O tema da Campanha da Fraternidade deste ano de 2014 começa nos intrigando. Pois parece acenar para  um assunto que não faria parte de nossa realidade. Ao falar de tráfico humano, num primeiro momento a expressão pareceria exagerada, dado que o regime de escravidão já foi banido em todos os países, ao menos oficialmente.

 

Acontece que esta é uma realidade tão disfarçada que facilmente é encoberta, e passa desapercebida, valendo-se de expedientes muito sofisticados, que produzem situações de verdadeiro comércio de pessoas humanas, altamente lucrativo, às custas do regime de verdadeira escravidão, em que muitas pessoas se veem envolvidas.

 

Por isto, desta vez, a Campanha sugere que, primeiro, nos demos conta da verdadeira dimensão da realidade que deve ser denunciada como um verdadeiro tráfico de pessoas, que acontece em nosso tempo, fruto dos diversos tipos de exploração a que são submetidas milhões de pessoas.

 

Desta vez a Campanha começa nos alertando a sermos mais perspicazes, para perceber as tramas em que muitas pessoas se vêem enredadas, e delas não conseguem mais se desvencilhar.

 

A primeira tarefa, portanto, é conferir a realidade, ajudados pelas estatísticas que a própria ONU nos apresenta.

 

Mesmo sabendo como é difícil obter dados precisos a respeito de uma realidade que costuma ser acobertada,  os dados são mais do que suficientes para flagrar a gravidade da situação.

 

Vale a pena deter-nos, num primeiro momento, a olhar os fatos.

 

Segundo cálculos feitos a partir de constatações comprovadas, o tráfico de pessoas humanas rende, anualmente, trinta e dois bilhões de dólares.

 

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, vinte milhões de pessoas são vítimas de trabalho forçado. Destas, 4,5 milhões (22%) são exploradas em atividades sexuais forçadas; 14,2 milhões (68%), em trabalhos forçados em diversas atividades econômicas; 2,2 milhões (10%) pelo próprio Estado, sobretudo os militarizados.

 

Segundo a mesma pesquisa, 11,4 milhões (55%) são mulheres e jovens; 9,5 milhões (45%), homens e jovens.

 

Em relação à idade: 15,4 milhões (74%) são adultos; os outros 5,5 milhões (26%) têm até 17 anos, o que mostra ser alto o número de traficados entre crianças e jovens.

 

As vítimas do tráfico humano são presas fáceis dos que se aproveitam de situações de vulnerabilidade na luta pela sobrevivência. Os aliciadores iludem pessoas com promessas de emprego garantido, alta remuneração, documentação assegurada, entrada para o mundo dos modelos de grandes marcas ou para o mundo dos artistas de muitas áreas, especialmente a dança.

 

Aparentemente, nada que se pareça com tráfico. Por isso, as pessoas enredadas não querem falar,  por constrangimento de reconhecer que foram ludibriadas, por vergonha de contar o que estão passando.

 

É um crime invisível e silencioso, que descobriu na fraqueza humana o jeito de se disfarçar,  para encobrir os seus procedimentos.

 

Como o cego de Jericó, sentado à beira do caminho, também pedimos: Senhor, que eu veja! Esta Campanha tem ainda outras realidades a nos mostrar!

 

 

D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales-SP.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Editorial

Regressão e Reação


Manifestos, protestos, greves se espalham pelo país, conformando uma onda de reação e resistência já comparável à conjuntura de greves do ano de 1989. Não poderia ser diferente. Trata-se de insatisfação e revolta que explode face a uma das mais impiedosas retiradas de direitos sociais após a promulgação da Constituição de 1988. Do Legislativo ao Executivo, por motivos e estímulos diversos, a ordem é cortar na carne.

Leia mais...

Vídeos

'Índios e camponeses ficaram em segundo plano na Comissão da Verdade'

Imagem

Entrevista com Marcelo Zelic, presidente do Grupo Tortura Nunca Mais e colaborador da Comissão da Verdade.
Leia mais...

A Ordem na Mídia

O governo enterrou de novo o debate da regulação da mídia?


A democracia existe no papel, mas não se realiza na prática. O artigo 220 da Constituição define que não pode haver monopólio ou oligopólio na comunicação social eletrônica. A Globo, no entanto, controla 70% do mercado, faturando sozinha mais do que todas as demais empresas de comunicação. Isso acontece porque o Congresso Nacional nunca elaborou leis definindo mecanismos que impedissem a formação de monopólio.,
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates