topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Movimentos precisam resgatar sentido dos partidos Imprimir E-mail
Escrito por Valéria Nader   
Segunda, 01 de Outubro de 2007
Recomendar

 

Na entrevista que concedeu ao Correio e cuja primeira parte foi publicada no dia 19 de setembro (clique aqui para ver a primeira parte), Roberto Romano fez uma longa e profunda análise sobre o atual quadro político brasileiro.

Fugindo ao senso comum, que nega a existência de uma crise institucional - já que estão formalmente em funcionamento as instituições -, ou, por outro lado, enfatiza a paranóia dos pessimistas - já que inexiste a possibilidade de golpes armados ou que estamos diante de um governo fortalecido pela figura presidencial -, Romano vai além. O voto secreto no Senado foi, sim, um indutor de mais um dos “sutis golpes de Estado” que vêm vitimando a população desde que se depuseram as armas.

Nessa segunda parte de sua entrevista, que o Correio veicula abaixo, o professor da Unicamp explora, a partir do arcabouço de seu pensamento, e também de seu otimismo elucidador, as saídas que existem para o Brasil.

Confira abaixo.

 

 

CC: O que seria efetivo, tanto conjunturalmente quanto a longo prazo, para que tivéssemos um Estado de Direito e uma República de fato?

RR: Eu acho que, em primeiro lugar, os partidos políticos deveriam existir. Quando apoiei Heloísa Helena - e tenho muitas divergências em relação a ela e ao PSOL -, muita gente ficou escandalizada. A meu ver, o PSOL é um partido que tem um programa, que tem uma estratégia, que tem os seus problemas internos mas que está levando adiante a sua missão de partido, assumindo a sua dimensão própria na arena política.

Os outros partidos precisam ter uma posição e não serem esses partidos puramente eleitoreiros. É conhecida a análise de Max Weber de que os partidos europeus são ideológicos e que os partidos norte-americanos são possistas, estando ligados a vencer eleições e fazer negócios. Hoje em dia, tantos anos após tal análise, não é verdade isso para a Europa. A social-democracia, que era um partido ideológico, virou um partido possista.

Nos EUA, há muitas idéias surgindo, inclusive revivificando os programas dos partidos. O Brasil precisa decidir um pouco essa questão, pois, se não tivermos partidos políticos, não há luta democrática. É preciso também lutar para que esses partidos se modifiquem.

Sempre digo que a pior praga de que padece o Brasil é esse apoliticismo - que é inclusive instigado pela mídia - e essa caracterização da política como algo indesejável para as pessoas honestas. É preciso deixar muito claro que a política pode se exercitar nesse sentido tradicional brasileiro, mas que ela pode ter outras dimensões.

CC: Para resgatar esse papel dos partidos, seria necessário uma reforma política?

RR: Primeiro, no meu entender, seria preciso que os movimentos democráticos, ao invés de decidirem em separado da política, fizessem uma campanha nacional de filiação em qualquer partido. Por exemplo, se você ainda tem posições de esquerda, procure um partido que mais satisfaça os seus anseios e lá dentro brigue para derrubar as oligarquias partidárias existentes.

CC: Ou seja, é necessário mais efervescência e conscientização?

RR: Exato, e mais militância. Inclusive, essa questão tem extensa explicação do ponto de vista da comunicação social, onde o mundo de hoje não suporia mais militância, já que as pessoas estão diante da televisão, da internet etc. Isso eu acho balela. Nos EUA, há mais usuários de internet e as pessoas passam mais tempo em frente à TV, e, no entanto, as pessoas estão lutando e brigando. É claro que perderam, não só os filiados ao Partido Democrata, mas também os outros liberais de esquerda no país; perderam, pois quem está mandando no país é um governo corrupto, um governo imperial, aquilo que há de pior nos Estados Unidos. No entanto, há resistência.

Agora, nós aqui vamos ficar entregues a essa oligarquia partidária? Acho que o caminho é lutar para modificar as estruturas externas nos partidos.

CC: Devemos ter expectativas positivas quanto a esse processo? Não estaria a sociedade brasileira, hoje, muito apática?

RR: Declarar essa apatia, muitas vezes, é uma forma muito equivocada de ouvir a população. Nós, sobretudo aqueles de classe média, os intelectuais, temos alguns parâmetros lógicos que são definidos pela suposta modernidade. Aí, quando vamos conversar com gente do povo, há uma rede que impede que a gente entenda o que estão falando. Muitas vezes perdemos eleições, pois não temos a capacidade de entender antropologicamente com quem estamos falando.

Os semiólogos diriam que há ruídos em nossa comunicação com as camadas populares. É preciso pensar nisso.

Um exemplo dessa situação: quando o pessoal do PT diz que errou profundamente ao se colocar contra o Plano Real. Isso ocorreu porque, naquele momento, não perceberam, inclusive em termos de psicologia de massa, o que estava ocorrendo no país. Quem analisou qualquer processo inflacionário em termos históricos sabe que é um problema delicadíssimo mexer com a população quando se trata do poder de compra do salário.

O Plano Real teve milhões de defeitos, mil problemas, foi inclusive autoritário, feito de cima para baixo. Mas tiveram a inteligência de diminuir a inflação. Foi uma sensação falsa, pois o que ocorreu foi uma maior capacidade de compra do mínimo vital - enquanto isso, as dondocas do Cansei continuaram comprando na Louis Vuitton. Mas, por outro lado, essas massas não desejam voltar àquela situação do governo Sarney onde, para comprar uma geladeira, você pagava dois milhões. Essa é uma análise que Elias Canetti faz em Massa e Poder que é bem interessante. Eu já insistia nessa análise na época de Sarney: quando você tem o dinheiro, trata-se de uma relação antropológica com o corpo humano.

Além disso, como Marx mostra bem, é uma relação imaginária, na verdade o dinheiro é uma relação totalmente arbitrária, não tem uma existência real. Porém, define uma relação com o corpo. Canetti diz que, quando você tem duas moedas de ouro, que recebeu como fruto de seu trabalho, isso pesa em sua mão, te dá uma garantia. Quando você passa para o papel moeda, essa garantia diminui, é algo mais leve. Quando há inflação, você tem a incerteza máxima. Quando você vai comprar um pão e leva um carrinho de dinheiro, você não apenas se sente desvalorizado antropologicamente, como você passa a se ressentir, você começa a ter aquele sentimento de pavor, de insegurança. Elias Canetti arremata que, se na República de Weimar a inflação fosse alguns dígitos menores, milhões de pessoas teriam escapado dos campos de concentração.

CC: Ou seja, essa crítica deveria ter sido feita de outra forma.

RR: Sim, de uma outra forma, com outras estratégias de não bater tão de frente nesse ponto. Se quisessem fazer oposição ao governo, que procurassem outras fontes de crítica.

Não sei se vocês se lembram daquela sessão na Câmara dos Deputados onde Pedro Malan foi prestar contas de um processo de mudança de ordem monetária. Aquilo mostra bem a caricatura em que se transformou a percepção da realidade. Bateram tanto desse modo que, quando ganharam a eleição, tomaram um susto; não podiam decretar o fim do Plano Real e começar tudo de novo. O PT não deveria estar mais preparado?

Além disso, há a questão da obediência à democracia das bases nos partidos. No Brasil, o PT era um dos últimos partidos que tinham uma certa atenção para com as bases. No Brasil, as direções são donas do partido, não ouvem as militâncias, não ouvem os setores de base. E não dão oportunidade para gente jovem. Em todos os partidos, o jovem tem que servir um bom tempo de menino de recados até conseguir, pela bajulação, pelo serviço, ascender um pouco na máquina partidária. Enquanto isso, não tem essa chance.

Há ainda nesse cenário os cientistas políticos que falam em profissionalizar a atividade política. Aí seria o fim do mundo. Viraria tudo mais um setor da burocracia.

CC: O PSOL estaria começando a reproduzir os conflitos internos de outros partidos?

RR: Um partido, como instituição social, tem tendências, tem perversões, tem programa e desobediência a esse programa. Trata-se de elementos impossíveis de se retirarem. Justamente por isso, é extremamente necessário que esteja presente, na estrutura do partido – daí serem ridículas essas propostas de reforma política que não tocam na estrutura interna dos partidos -, uma ampla consulta obrigatória aos militantes com o intuito de definir a linha daquele partido.

Voltando ao caso do PT, que é mais gritante, trata-se de um partido que se dizia socialista e, com a prática governamental que está tendo, é preciso que ouça os militantes para definir mudanças no programa - até, inclusive, em suas diretrizes ideológicas. Hipoteticamente, se todos os militantes do PT decidem que o PT não será mais um partido socialista, isso precisa constar em seu programa, para que seja cobrado pela militância. O caso do PSOL é o mesmo; à medida que os partidos crescem, aumenta o seu raio de abrangência, a massa que atingem, os seus aderentes internos e não internos. Com isso, aumenta também a complexidade da instituição.

Uma coisa é um partido trotskista puro; outra coisa é um partido trotskista que já está vinculado a uma série de outras tendências ideológicas.

Quando há esse tipo de complexidade, aumentam inclusive as tarefas dos dirigentes e dos militantes mais responsáveis.

Um aluno de mestrado que tive fez uma tese sobre os líderes das comunidades eclesiais de base de Vitória (ES). A cada seis meses, enviávamos um questionário àqueles que estavam nas CEBs há mais de dez anos sobre a vida deles, sobre a organização de suas vidas de fora para dentro. O resultado que atestamos foi que aumentavam as tarefas e as pessoas não tinham mais tempo para si; havia militantes que eram sociólogos, filósofos e teólogos que não tinham mais tempo para estudar, só liam coisas relacionadas às comunidades eclesiais de base e não liam mais os textos fundamentais. Não tinham mais tempo para teatro, não tinham mais tempo para a família, não tinham mais tempo para o cinema e, no caso da Igreja, a missa era vista como um local de divulgação política. Assistiam televisão para ver o noticiário político.

Os últimos relatórios mostraram que alguns dos militantes se sentiam como laranjas chupadas. O que acontece é que, a partir desse açambarcamento das tarefas pelas lideranças, elas se esgotam; e o movimento não se renova se não entra gente nova em seu lugar.

Quando fui em um seminário intitulado "O PT e o Marxismo", organizado pelo próprio partido, disse exatamente isso. Após minha fala, fui cercado por diversos dirigentes, que me disseram que também estavam se sentindo como laranjas chupadas - e, note, justamente naquele momento em que o partido deixou de ser um partido de militância de rua.

Esse ponto é crucial para você verificar o sentido do encaminhamento de um partido. Um partido que cresce sem tomar tempo para esse aspecto do esgotamento das lideranças, que não abre espaço para novas lideranças e para grupos cada vez mais complexos, tende a se desfigurar - ou a se descaracterizar, quando a quantidade de aderentes é tão grande. Hoje, há gente que era da Arena e está no PT. Não digo isso em relação ao PT nacional; mas, se você viaja pelo Brasil, em determinados locais, lideranças que outrora eram extremamente conservadoras hoje estão no PT, e por um motivo muito simples: é o partido que está no poder.

CC: Uma reforma política precisa, então, considerar muito mais seriamente a estrutura interna dos partidos?

RR: Sim, se não houver uma democratização dos partidos, não há possibilidade. Agora, não enxergo possibilidade de democratização dos partidos se continuarem essa praga e esse dogma de que política é coisa de corruptos apenas. Herdamos essa noção do positivismo, que considerava que a atividade democrática, com eleições etc., era coisa do passado, superada pela idade da técnica, e que era possível governar apenas com base no saber teórico dos intelectuais. Os positivistas espalharam muito a idéia de que a política é suja, ultrapassada.

CC: Essa posição não é também muito ecoada pela mídia?

RR: É muito fácil você, sendo colunista ou intelectual, brincar de desencanto, dizer que o Brasil é sempre assim, que nunca vai mudar. Isso agrada muito o próprio ego, mas é um tremendo desserviço para a mudança social. Existem colunistas importantes que se entregam a essa produção de pessimismo.

 

 

Colaborou Mateus Alves.

 

Para comentar este artigo, clique comente.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 03 de Outubro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates