topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Edição 894 - 27/01/2014 a 02/02/2014
Arquivos do Correio
Segunda, 03 de Fevereiro de 2014
Recomendar

 

 

Argentina: corrida cambial inaugura nova conjuntura de crise geral

Roberto Ramírez, de Buenos Aires para o Correio da Cidadania

 

alt

 

É mais uma dessas crises “recorrentes”, que explodem a cada tantos anos. A razão? A fragilidade da economia dependente da Argentina e sua incapacidade de gerar divisas. Vem daí o chamado “stop and go”. Chegada a um certo ponto, a economia se paralisa. Isso conduz às corridas cambiais, às escaladas inflacionárias e outros fenômenos econômicos. Essa crise está se repetindo mais uma vez, porque o relato K da “década ganha” é só uma fábula. O kirchnerismo, em dez anos de governo, não realizou uma só modificação estrutural no capitalismo dependente da Argentina.

 


 

‘O poder público não tem interesse algum em realmente ressocializar os presos’

Gabriel Brito, da Redação

 

 

alt

 

Como em outras ocasiões, o Brasil voltou a se alarmar com uma crise no sistema carcerário, desta vez no complexo prisional de Pedrinhas (MA). A novidade deve-se aos adventos tecnológicos, responsáveis pela divulgação de cenas de violência. Apenas mais do mesmo, dentro de um dos países que mais encarcera no mundo. Tentando olhar muito além da terra dos Sarney, o Correio entrevistou Maria Railda Silva, da Associação dos Amigos e Parentes de Presos, que há cerca de três anos faz um silencioso trabalho nos presídios do país.

 


 

POLÍTICA

 

Sonegação global

Frei Betto

 

Prevê-se que em 2030 estarão na pobreza extrema 342 milhões de pessoas. Hoje, são pouco mais de 1 bilhão. No entanto, não se mexe uma vírgula na estrutura capitalista que produz pobreza extrema e agrava a desigualdade social.

 


 

Vésperas de ditaduras do capital?

Miguel Urbano Rodrigues

 

Noam Chomsky, num Festival de Ciências em Roma - ignorado pelos grandes media -, procedeu a um inquietante e implacável diagnóstico da crise mundial. Na sua opinião, as chamadas democracias representativas aproximam-se de um colapso porque as instituições não funcionam. Quem hoje na Comunidade Europeia toma as decisões importantes são dois ou três governantes e os burocratas de Bruxelas. O objetivo prioritário é a destruição das conquistas sociais – saúde, educação, seguridade social, pensões de aposentadoria etc. – conquistadas pelos trabalhadores após a I Guerra Mundial.

 


 

A questão do Estado operário no marxismo

Milton Pinheiro

 

Para Lukács, com base em Lenin, o Estado proletário é aber­tamente um Estado de classe, sem a farsa montada pela burguesia para transformar seu Estado em Estado de todos. Mais uma vez, esse debate teórico demonstra que a atualidade da revolução ainda hoje passa pela problemática do Estado e do socialismo. Portanto, os conselhos operários estão na gênese dessas possibilidades.

 


 

Os rolezinhos e o que acontece no Brasil desde a eleição de Lula

Antonio David

 

O conflito presente nos rolezinhos de alguma maneira evidencia o impasse da estratégia dos governos Lula e Dilma.

 


 

Bomba de efeito retardado: pavio aceso

Waldemar Rossi

 

Diante de tamanha crise econômica e social, as jovens gerações vêm reagindo e exigindo um mínimo de ética e de justiça, exigindo seu direito de intervir em tudo que diga respeito às nossas vidas e aos rumos da nação. E o que nos oferece o governo Dilma? Tropas.

 


 

Classes e luta de classes: retornando à classe média

Wladimir Pomar

 

O conceito de classe média, que pode ser usado genericamente para situar a classe social intermediária entre a burguesia e a classe trabalhadora assalariada, se torna um imbróglio quando se procura colocar à mostra suas características econômicas, sociais, culturais, ideológicas e políticas.

 


 

O porto de Mariel, Brasil, Cuba e o socialismo

Beto Almeida, da Carta Maior

 

O marinheiro aposentado Jorge Luis, que já esteve nos portos de Santos e Rio de Janeiro, que vibra com o samba carioca, foi agudo na sua avaliação: “Com Mariel, Brasil rompe concretamente o bloqueio imperialista contra Cuba”, disse.

 


 

Em câmara lenta

José Benedito Pires Trindade

 

Saudemos, louvemos, respeitemos os que resistiram, especialmente os presos, torturados, assassinados. Exaltemos e glorifiquemos a generosidade e a coragem de quem se atirou à luta.

 


 

Sobre os rolezinhos

Renato Nucci Jr.

 

Ao ocuparem um espaço reservado (de fato) para os “dignos” e “sofridos” representantes das novas e velhas camadas médias circularem em segurança, a garotada que organizou os rolezinhos rompeu, sem intencionalmente querer, uma linha divisória que separa “os de lá” dos “de cá”.

 


 

Sexo e Celibato na Igreja Católica

Frei Betto


O celibato é apenas uma opção de vida, sem a qualidade do matrimônio, que a Igreja enaltece como um dos sete sacramentos. Se não é um dogma, como afirmou o cardeal Parolin, então pode ser removido, facultando optar ou não por ele.

 


 

Ariel Sharon: trajetória de um liberal genocida e o legado de ódio

Ramez Philippe Maalouf

 

Amado por alguns e odiado por muitos, inclusive pelos próprios israelenses civis e militares, a vida e especialmente sua conduta militar e política confundem-se com a do próprio Estado de Israel, sempre marcada pelo uso sistemático da extrema violência para a “solução de problemas” políticos.

 


 

SOCIAL

 

30 anos do MST e o ódio da mídia

Altamiro Borges

 

Na semana passada, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra, o MST, completou 30 anos de lutas. A mídia “privada” – nos dois sentidos da palavra – simplesmente omitiu este importante acontecimento histórico. Alguns jornais, como o oligárquico Estadão, que nasceu vendendo anúncios de trabalho escravo no século retrasado e sempre foi um raivoso inimigo das mobilizações sociais, até publicou um editorial com seus velhos ataques ao MST.

 


 

Demissão política na EMBRATEL

Sinttel-RJ

 

Voto contrário à mudança no fundo de pensão leva EMBRATEL a demitir funcionário com 38 anos de casa, numa clara atitude de agressão ao direito democrático de expressão e participação sindical.

 


 

 

Uma Igreja pobre, para os pobres, com os pobres e dos pobres

Frei Marcos Sassatelli

 

O Encontro foi realmente um novo Pentecostes, uma verdadeira irrupção do Espírito Santo na vida da Igreja e uma experiência única. Ele nos permitiu vivenciar intensamente, até o mais profundo das entranhas, a Igreja que Jesus de Nazaré sonhou.



 

Chacina em Campinas: o que 12 pessoas brutalmente assassinadas não param de nos perguntar?

Mariana Conti

 

São 12 pessoas mortas, com boa parte das famílias indicando o envolvimento policial no extermínio. Estamos falando, portanto, de algo como a chacina de Vigário Geral e da Candelária. Terá a sociedade se tornado insensível a um acontecimento como este?



 

INTERNACIONAL

 

Genebra 2: paz é secundário

Luiz Eça

 

A postura rígida do governo Obama, expressa por Kerry em Genebra, não parece permitir um único passo à frente. Tudo ou nada costuma dar em nada. Assad não vai aceitar um suicídio político, cujo desdobramento seria sua transferência do gabinete presidencial de Damasco para o banco dos réus do Tribunal Criminal Internacional, em Haia. E mesmo que os 40 países de Genebra 2 exijam transição sem Assad, a Rússia e provavelmente a China vão vetar no Conselho de Segurança da ONU. Impossível supor que Obama e seus estrategistas não estejam a par disso.

 


 

O quase milagroso fortalecimento da Celac e o sonho da "Pátria Grande

Atilio Borón

 

Assim como em Honduras, todo o aparato já foi colocado por Washington, para quem uma derrota da direita neocolonial costarriquenha seria um revés de amplas repercussões. Se isso acontecesse, a Celac poderia dar um novo passo em direção a sua definitiva institucionalização.

 


 

A questão Guantánamo

Pietro Alarcón

 

Guantánamo deve deixar de ser uma base militar, um território ocupado, e passar à jurisdição do Estado cubano, como uma manifestação de coerência com os novos tempos, que não suportam mais as atitudes que, além de moralmente falidas, conduzem a uma calamidade humanitária e à reprodução de velhos e ultrapassados esquemas de dominação. Fechar a prisão e respeitar a soberania e os direitos humanos é uma exigência moral e jurídica.

 


 

Estados Unidos: a aposta síria em 2014

Virgilio Arraes

 

Embora resignados com o malogro militar no Iraque e Afeganistão, os EUA indicam a Síria como o possível ponto de maior reversão de seus infortúnios políticos no Oriente Médio As negociações em Genebra são importantes para a diplomacia norte-americana.

 


 

ECONOMIA

 

É a estrutura, enroladores

Adriano Benayon

 

No  “modelo brasileiro”, não há  como incorporar a maior parte da força de trabalho a um processo produtivo de qualidade, nem elevar  o padrão de vida do grosso da população: só cresce a já esmagadora concentração da renda nas grandes empresas e os modestos programas de transferência de renda, na tentativa de sustentar parte do número gigantesco dos  marginalizados, a grande maioria da população; tudo como o Banco Mundial gosta, enquanto  as transnacionais extraem os recursos naturais do país e transferem para o exterior os lucros.

 


 

Dominação cultural e outras dominações

Paulo Metri

 

Os governos FHC, Lula e Dilma, com suas naturezas privatistas do petróleo nacional, já fizeram 13 rodadas de leilões de áreas para busca de petróleo, já assinaram cerca de 1.000 contratos, sendo um, o da partilha amofinada, e os demais, os de concessão. “Partilha amofinada” porque o governo criou tantos benefícios para as empresas na lei, no edital e no contrato, que, para a sociedade, sobrou pouco. Em outras palavras, estes governos entregaram-se ao mercado. O remédio natural contra a imposição dominadora estrangeira é a nossa reação soberana, como um movimento para a rescisão do contrato de Libra, assinado com uma rapidez incrível pelo governo brasileiro.

 


 

MEIO AMBIENTE

 

De algoz a vítima: ainda sobre a EBSERH na UFPE

Heitor Scalambrini Costa

 

Não houve discussão. Tentativas infrutíferas foram realizadas para que um debate fosse levado à comunidade universitária e à sociedade. Mas a censura imperou e a iniciativa foi vetada, pois seria, de fato foi, muito mais fácil aprovar a adesão manipulando um conselho subserviente.

 


Recomendar
Última atualização em Segunda, 03 de Fevereiro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates