topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Estados Unidos e Síria nos anos 90 – o avanço norte-americano no Oriente Médio Imprimir E-mail
Escrito por Virgilio Arraes   
Sexta, 17 de Janeiro de 2014
Recomendar

 

 

 

Antes mesmo do encerramento da Guerra Fria, na virada da década de 80, a Síria precisou a contragosto reposicionar-se no intricado tabuleiro de xadrez médio-oriental, em decorrência da abrupta alteração política de seu mais importante aliado naquele momento, a União Soviética, desgastada por conta de sérios problemas internos, que resultariam de maneira inexorável na sua extinção em poucos anos.

 

A aproximação de Damasco com Moscou havia sido fundamentalmente estimulada por um fator externo, ocorrido no final dos anos 70: o estreitamento político entre o Cairo e Tel-Aviv – sob a supervisão de Washington – materializado na devolução progressiva da desértica península do Sinai àquele até 1982.

 

O relacionamento diplomático entre Síria e União Soviética não era naturalmente ideológico, a despeito da origem secular e socialista do Partido Baath durante o processo de descolonização afro-asiático. Os pontos comuns entre os dois haviam sido o militar e o geopolítico.

 

No tocante ao primeiro item, interessava aos soviéticos tornar seus aliados sírios o contraponto aos sauditas e israelenses, amparados pelos norte-americanos, em termos de sofisticação tecnológica no segmento bélico. Na prática, o país propagandearia a eficiência dos produtos russos naquela vasta região.

 

Quanto ao segundo, cobiçava a União Soviética manter-se firme no Oriente Médio e cercanias, ainda mais depois da ocupação do Afeganistão em fins de 1979 e dos reajustes expressivos ao longo da década de 70 do petróleo.

 

Dois anos após a mal executada política de abertura da União Soviética, o Kremlin comunicou a Tishreen que não seria mais possível manter a parceria militar no mesmo patamar, apesar de a conjuntura regional ser favorável à Síria, em vista do andamento prolongado da Guerra Irã-Iraque e da queda do preço do petróleo, o que afetava vários aliados dos Estados Unidos naquela área.

 

Sem o necessário apoio de Moscou, em fase de desintegração do regime comunista, Damasco teve de buscar alternativas locais diante do novo arranjo de alianças a partir de Washington. Nos anos 90, este conseguiu coordenar, ainda que temporariamente, o convívio entre Ancara, Tel-Aviv e Amã – uma ‘quádrupla aliança’.

 

Diante da configuração, a Síria tentou aproximar-se do Iraque e posteriormente do Irã, países bastante desgastados perante a opinião pública internacional. Sem um aliado de peso, ela temia ter de se retirar do Líbano, em cujo território estava desde 1976 e onde era acusada de coligar-se com um dos grupos políticos mais radicais do Oriente Médio: o Hizbollah. Por fim, o governo sírio subscreveria a opção iraniana.

 

O distanciamento concernente à União Soviética na parte final dos anos 80 não lhe assegurou melhoria duradoura na relação com potências ocidentais, notadamente com os Estados Unidos. Na primeira década do pós-Guerra Fria, o Departamento de Estado, em função de eventual apoio a uma operação frustrada de explodir um avião em Londres em 1986, ainda mantinha a classificação negativa do país, apesar de duas medidas bem acolhidas pelo Ocidente: a expulsão em 1987 do palestino Abu Nidal, fundador da Fatah, que migraria para a Líbia; e a participação na ampla coligação militar ao lado dos Estados Unidos contra o Iraque, na I Guerra do Golfo (1990-91).

 

No ano seguinte, o país acolheria a sugestão norte-americana de negociar de forma bilateral com os israelenses, em face da possibilidade de recuperar as colinas de Golã – território por paz sob a perspectiva de duas resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas (242 e 338). Até então, os sírios criticavam os egípcios pela escolha desta alternativa. De todo modo, as tratativas não prosperariam.

 

Mesmo com o recuo político de Damasco nos primeiros anos da década de 90, Washington não se satisfez e aumentaria a pressão sobre o governo sírio, ao abordar a questão dos direitos humanos. A visão da Casa Branca, através da Conferência dos Direitos Humanos em 1993, era a de que não se deveria tolerar nenhuma forma de relativismo – cultural, política ou religiosa.

 

Assim, a Síria comporia com a China, Irã, Coréia do Norte, Indonésia, Colômbia e Cuba, em tese, o quadro mais negativo nesse campo. Todavia, devido à importância econômica chinesa, política indonésia e militar norte-coreana e colombiana, a política externa estadunidense paradoxalmente relativizaria o tratamento a eles.

 

Destarte, as relações entre Síria e Estados Unidos permaneceriam ao longo dos 90 infrutíferas.

 

Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 22 de Janeiro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates