topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Condições objetivas Imprimir E-mail
Escrito por Gilvan Rocha   
Sexta, 13 de Dezembro de 2013
Recomendar

 

 

 

Permita-me fazer uso de uma imagem simples para que eu possa transmitir o conceito de condições objetivas. Para tudo que se vá fazer é necessário que haja as condições objetivas e subjetivas para fazê-lo. Um bolo, por exemplo. Para fazê-lo, necessitamos das condições objetivas, isto é: fogão, panelas, farinha, ovos, sal, açúcar... ; junto a isso, são necessárias as condições subjetivas, isto é: saber fazer. Quando dispomos apenas das condições objetivas ou apenas do saber, não teremos êxito.

 

Quando Marx disse, em 1871, que o proletariado parisiense quis tomar os céus de assalto, pretendeu dizer que ainda não existiam as condições objetivas para o advento de uma nova ordem econômica e social. Objetivamente, o capitalismo ainda estava em desenvolvimento, não havia atingido a plenitude, tinha ainda um caráter progressista. Posteriormente, Lenine afirmou que a fase imperialista do capitalismo era a sua fase superior e última. Supunha-se que haviam se dado as condições objetivas para a viabilização da proposta do socialismo.

 

A Primeira Guerra Mundial foi expressão das contradições do capitalismo imperialista. Naquela ocasião, o movimento socialista, através de alguns dos seus segmentos revolucionários, propôs transformar o embate bélico em insurreições proletárias. Mas o jogo político é algo que não se joga sozinho. Então, em 1912/13, travou-se uma luta entre a proposição política da burguesia imperialista, levantando a bandeira da defesa da pátria, e os setores revolucionários, clamando para que o proletariado voltasse as suas armas contra a burguesia e promovesse a vitória do socialismo.

 

Nesse confronto político venceu, acachapantemente, a burguesia imperialista, que conseguiu transformar partidos socialistas em partidos social-patriotas. Eis aí o ponto fulcral de nossa tragédia, pois, derrotada a revolução socialista, a contrarrevolução se impôs e se consolidou em escala mundial, apoiada em duas grandes forças: a direita explícita e a direita travestida de esquerda, usando o carimbo do “marxismo-leninismo” e, até mesmo, do “marxismo-leninismo-trotskismo”. Por decorrência, a Terceira Internacional foi transformada na maior multinacional da contrarrevolução.

 

Assim sendo, ouso dizer que a crise da humanidade é de natureza política, uma vez que, somente através da saída socialista, poderemos evitar o desastre. Não é à toa que padecemos de um grau tão profundo de raquitismo político, de confusão generalizada. Atravessamos mais de noventa anos de hegemonia stalinista que, através de seus múltiplos instrumentos, semeou o equívoco, a lenda, o atraso, a mentira, a fantasia, e desconstruir tal herança não é tarefa fácil. Não é da Academia que deverá brotar a resposta para a nossa crise teórica. Dessa mata não poderá sair coelhos, dada a própria natureza dessa instituição.

 

Perguntas como: o que realmente foi o nazifascismo? O que foi o maoísmo? O que foi a ridícula formulação da “guerra popular e prolongada”? E a tese do “caminho pacífico para o socialismo”? E o golpe contrarrevolucionário de 1964, no Brasil? O que ocorreu em 1965, na Indonésia? E o Chile, em 1973? E a guerra civil espanhola, com o assassinato dos dirigentes do POUM pelos agentes da Terceira Internacional? Será que o sr. István Mészaros, ocupado com o “para além do capital”, responderá a essas questões? Ou será que Slavoj Zizek e o seu “marxismo psicanalítico” haverá de vir em nosso socorro?

 

Não, “dessa mata não saem coelhos”. O caminho é outro. É na História que haveremos de encontrar respostas para questões tão graves. Não dizemos, com isso, que as questões da filosofia e da economia são desprezíveis. Mas reconhecemos que nas águas distantes da História velejam subjetivismos estéreis, que muito bem se prestam a conferir títulos e louvores a uma plêiade de pessoas que disso se nutrem, sem nos prestar a grande colaboração necessária, que seria a elucidação desses “mistérios”, quando estamos frente ao dilema: “decifra-me ou te devoro”.

 

Gilvan Rocha é presidente do Centro de Estudos e Atividades Políticas – CAEP.

 

Blog: www.gilvanrocha.blogspot.com

Recomendar
Última atualização em Sexta, 13 de Dezembro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates