topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Edição 888 - 02/12/2013 a 08/12/2013
Arquivos do Correio
Quarta, 11 de Dezembro de 2013
Recomendar

 

 


‘O papo de legado da Copa, melhorias em Itaquera, é um grande engodo’

Gabriel Brito e Leandro Iamin, da Redação

 

alt

 

Após a morte dos operários Fabio Luiz Pereira e Ronaldo Oliveira dos Santos nas obras do estádio de Itaquera, o lado obscuro dos megaeventos voltou a emergir. “Com certeza existe pressão sobre os prazos de entregas. Contatamos uns três operários. O medo deles de falar e se identificar é visível. Mas eles realmente confirmam as denúncias. Todos aqueles com quem conversamos são taxativos. Nas conversas que tivemos, falaram das pressões e intimidações, inclusive em relação ao acidente”, contou Serginho Lima, morador de Itaquera de toda a vida, em entrevista ao Correio.

 


 

‘O povo quer debater o modelo de segurança pública do Brasil’

Gabriel Brito e Leandro Iamin, da Redação

 

alt

 

Em entrevista ao Correio, Givanildo Manoel, membro do Comitê pela Desmilitarização da Polícia e da Política, defende a abertura do Estado brasileiro a tal debate, que ele lembra ter sido sufocado em nossa “falsa transição democrática”. Falsa porque se permitiu a parlamentares biônicos participarem da elaboração da Constituição de 1988, o que garantiu a manutenção de tal concepção de segurança e sua lógica de ‘inimigo interno’. “Ao limitar a concepção de segurança pública à polícia, cometemos um erro absurdo. A segurança se dá em diversas dimensões”, afirma.

 


 

POLÍTICA

 

A Classe Operária

José Benedito Pires Trindade e Otto Filgueiras

 

Do ponto de vista da burguesia, dos capitalistas, a organização sindical hoje, aqui, nos Estados Unidos, Europa, Ásia ou África, equivale-se aos clubes lítero-musicais do século XIX, tão anódina, inofensiva. Desse mato, não sai coelho. Qual, então, seria a organização adequada à classe operária, para que ela possa defender seus interesses de classe e opor-se à classe que a quer ver descaracterizada, enfraquecida, despolitizada, desideologizada, corrompida?

 


 

Meu celular, minha vida

Frei Betto

 

O aparelho corresponde muito bem às contradições da pós-modernidade: por ele me comunico, sem conversar; opino, sem me comprometer; me expresso, sem me envolver; troco mensagens e torpedos, sem me doar a ninguém e a nenhuma causa.

 


 

A luta contra o fechamento do PAM Lapa; ou negociação coletiva através da revolta

Paulo Spina e Edna Santana

 

Com o advento da democracia os confrontos políticos modificaram-se, tornaram-se menos radicais e as ações coletivas muitas vezes foram canalizadas para espaços institucionais. Mas, e agora, estes espaços ditos democráticos estão surdos para os apelos populares? Ou o fechamento de um serviço de saúde que atende crianças com problemas cardiológicos graves não é uma questão importante? Ou ainda uma pergunta mais profunda: vivemos realmente em uma democracia?

 


 

Eleições para o conselho participativo municipal de São Paulo: uma farsa com verniz democrático

Waldemar Rossi

 

Aos poucos, fomos percebendo que outros objetivos – diferentes dos anunciados oficialmente – estão por trás do ambicioso projeto “participativo”. Em momentos de manifesta descrença popular nas instituições e nos políticos, necessário se torna criar um clima de euforia entre o povão e nada melhor que um espaço de aparente democracia.

 


 

O petróleo brasileiro e a desestabilização da Bolívia

Raúl Zibechi

 

Analistas brasileiros admitem que a estratégia do Pentágono consiste em exercer pressão sobre as fronteiras, convertendo seus vizinhos em “Estados falidos”, categoria na qual podem colocar BOL e, talvez, ARG, PAR e até URU, com a desculpa do trânsito de drogas.



 

Inocentes úteis

Gilvan Rocha

 

Como um sistema socioeconômico esgotado, sem chance de apresentar esperança para os trabalhadores, mergulhado na UTI da história, poderia exibir tanta força, não fosse o papel contrarrevolucionário do “marxismo-leninismo” ou do “marxismo-leninismo-trotskismo”?

 


 

Eleição ou mera competição?

Frei Betto

 

A eleição de 2014 está fadada a se reduzir a uma competição de "caciques”. Nos bastidores, as coligações partidárias, de olho em maior tempo de TV, serão armadas à base de promessas na distribuição dos ministérios, caixa dois, loteamento de cargos e funções.

 


 

Classes e luta de classes: as realidades do capital

Wladimir Pomar

 

O que realmente mudou nas sociedades de economias capitalistas avançadas? Mudou o sistema de propriedade privada? A desindustrialização e a predominância relativa do setor de serviços naquelas sociedades modificaram a relação assalariada?



 

INTERNACIONAL

 

Acordo EUA-Irã: paz interina e guerra eterna

Ramez Philippe Maalouf

 

Para os EUA, o alívio oferecido pelo acordo permite-lhes mãos livres para se ocuparem do que realmente lhes interessa: concentrar poder de fogo no Leste Asiático, para o enfrentamento com a China. As negociações com os iranianos teriam começado em meados de março, sendo mediadas pelo sultão do Omã. Esta data coincide com o aumento das hostilidades não declaradas de Washington D.C. contra a China e seu aliado Coreia do Norte. Uma das ofensivas estadunidenses no leste asiático, neste mesmo período, foi a tentativa de fraudar as eleições presidenciais na Malásia.

 


 

ECONOMIA

 

Esperança de mudanças

Paulo Passarinho

 

O jovem senador procura resgatar a nossa própria história: “esse sentimento de mudança relembra que há 50 anos, no Comício da Central do Brasil, eram propostas reformas de base, como a melhoria dos serviços públicos, a garantia da reforma agrária, a garantia da soberania nacional e das nossas riquezas. As referidas reformas foram abandonadas pelos líderes do golpe civil-militar de 1964 e não foram retomadas pelos governos civis que os sucederam.

 


 

 

Recomendar
Última atualização em Quarta, 11 de Dezembro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates