topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Informação é poder Imprimir E-mail
Escrito por Frei Betto   
Segunda, 18 de Novembro de 2013
Recomendar

 

 

A presidente Dilma não teria sido pega de surpresa com as revelações de Edward Snowden – de que o Planalto é espionado pelo governo dos EUA – se a sua assessoria fosse mais atenta às novas estratégias da Casa Branca após a queda do Muro de Berlim e o desaparecimento da União Soviética.

 

Joseph S. Nye e William A. Owen escreveram na revista Foreign Affairs, de março-abril de 1996, um intrigante artigo intitulado "A vantagem informativa dos EUA". Nye dirigiu o Conselho Nacional de Inteligência e foi subsecretário assistente de Defesa para Assuntos Internacionais no governo Clinton. Em seguida, dirigiu a Escola de Governo John F. Kennedy, da Universidade de Harvard. Owen foi subchefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas no governo Clinton.

 

Os autores ressaltam que, malgrado a superioridade estadunidense nas esferas militar e econômica, "sua mais sutil vantagem comparativa é a habilidade para coletar, processar, atuar sobre e disseminar informação". Para eles, a informação exerce, agora, o papel de "poder suave" (soft power), graças ao qual os EUA podem influenciar a política internacional, substituindo a coerção pela sedução.

 

As transmissões por satélite reduzem o nosso planeta às dimensões de uma pequena aldeia. Esse olho instantâneo que nos permite ver, do Sul da América, o momento em que ocorre uma enchente na China produz profundas modificações na estratégia militar, que hoje utiliza drones – aeronaves não tripuladas – para bombardear supostos terroristas.

 

Que as guerras são sujas, todos sabemos. O complicador é quando telespectadores dos quatro cantos do mundo assistem ao procedimento criminoso das forças militares de países que se gabam de não agir como Hitler. E agem exatamente como os nazistas: segregação étnica, sequestros, torturas, confinamento territorial, invasão de propriedades etc.

 

Durante a Guerra Fria, a frágil estabilidade internacional dependia do arsenal nuclear dos países antagônicos. Segundo Nye e Owen, na era da globalização tudo depende da capacidade estadunidense de manter seus aliados informados. E aliados não são apenas governos, mas também amplos setores da população de países cujos governos são contrários à Casa Branca.

 

No Irã, na China ou em Cuba, há pessoas convencidas de que o símbolo da democracia é um McDonald's em cada esquina e, portanto, suscetíveis de serem mobilizadas pelo poder informativo dos EUA. Entenda-se: pela versão estadunidense dos fatos.

 

Nye e Owen não relutam em afirmar que "à medida que sua capacidade de prover este tipo de informação crescer, os EUA serão vistos, cada vez mais, como o líder natural de coalizão, não só por ser o mais forte, mas porque podem produzir o insumo mais importante para as boas (sic) decisões e a ação efetiva a outros membros da coalizão". Portanto, "assim como o domínio nuclear foi a chave para a liderança na era passada, o domínio da informação será a chave nesta era informativa".

 

O que encanta os autores é constatar que a informação gerada desde os EUA tem ampliado os espaços do livre mercado e restringido a esfera de ação dos poderes centralizados. Citam como exemplo o papel dos computadores e das máquinas xerox no governo Gorbachev, quando "as tecnologias puderam disseminar também diversas ideias políticas".

 

Agora, com a proliferação de redes sociais e a conexão propiciada pela internet, dilatam-se os espaços democráticos na China. "O belo da informação, como recurso de poder” - dizem os autores – “é que, enquanto reforça a efetividade do poder militar, inelutavelmente democratiza as sociedades".

 

Através do "poder suave", os EUA podem projetar, em todo o orbe terrestre (como diria um papa), sua ideologia, sua cultura, seu modelo de democracia, suas instituições sociais e políticas, "liderando as redes de negócios internacionais e as telecomunicações".

 

Esse "poder suave" visa a quatro objetivos prioritários: 1) Favorecer as transições democráticas dos atuais Estados considerados autoritários e ditatoriais; 2) Prevenir a reversão das frágeis democracias; 3) Prever e resolver os conflitos regionais; 4) Enfrentar a ameaça do terrorismo, do crime internacional e da proliferação de armas, sobretudo atômicas (que EUA e Israel têm, mas não admitem o direito de outros países tê-las).

 

A internet é outra arma nada desprezível. "Deixado a si mesmo, o mercado provavelmente continuará a tendência de concentrar desproporcionalmente o acesso à Internet". Por isso, a Agência de Informação dos EUA (USIA) e a AID "devem trabalhar para melhorar o acesso global à Internet".

 

Informação globalizada, por enquanto, é isso: uma versão que se impõe como a única e se julga a verdadeira. E é precedida por inescrupulosa espionagem eletrônica, doa a quem doer.

 

 

Frei Betto é escritor, autor, em parceria com Marcelo Gleiser, de

“Conversa sobre a fé e a ciência” (Agir), entre outros livros. Página e Twitter do autor: http://www.freibetto.org -  twitter:@freibetto.


Copyright 2013 – FREI BETTO – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer  meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor. Se desejar divulgá-los, propomos assinar todos os artigos do escritor. Contato – MHGPAL – Agência Literária (mhgpal(0)gmail.com)

Recomendar
Última atualização em Terça, 19 de Novembro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates