topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Sep   October 2016   Nov
SMTWTFS
   1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Colômbia: acordo de paz avança paralelamente ao combate seletivo a movimentos sociais Imprimir E-mail
Escrito por José Antonio Gutiérrez   
Qui, 14 de Novembro de 2013
Recomendar

 

 

No dia 6 de novembro, foi anunciado em Havana um acordo fundamental, embora provisório, em torno da questão da participação política, um assunto espinhoso nas negociações de paz entre as FARC-EP e o Estado colombiano (1). Falta muito para acercar, esclarecer, especificar, mas a mesa de negociações mostrou algum progresso. Embora, como todos sabemos, nada está acordado até que tudo esteja acordado. Cada vez mais a caverna uribista fica mais isolada. Das profundezas escuras e ameaçadoras, rosnam, com muita violência e pouca inteligência, para excitar os temores, complexos, inseguranças e preconceitos no subconsciente das classes médias urbanas. Eles não têm absolutamente nada a oferecer ao povo da Colômbia, se nao mais circo romano: tripas, cabeças rolando, corpos sangrentos na televisão em horário nobre.

 

Por várias razões, a maioria do resto do espectro político é otimista. Com ares de sabedoria, diz um analista que com este acordo "um grupo armado marxista-leninista aceita princípios da democracia liberal. Não é pouca coisa" (2). Quão pouco sabe do marxismo-leninismo este doutor em ciências políticas! A valorização da democracia liberal tem uma longa tradição no marxismo-leninismo das várias teorias sobre a "fase de transição" para as "frentes populares" a fim de derrotar o fascismo (3).

 

O que realmente não é pouca coisa é que a oligarquia colombiana, tão acostumada a dominar através do uso e abuso da força, do Estado de Exceção ou agora de Emergência social, do terrorismo estatal e da guerra suja, da eliminação física da oposição, adere a um conceito de democracia liberal. Isso, sim, que há de novo. Não é por acaso que o modelo político colombiano é formalmente tão difícil de descrever. O padre Javier Giraldo, que não tem papa na língua, definiu como uma "democradura", ou, mais precisamente, como "esta democracia genocida" (4) ... Com a perspectiva sociológica, Antonio García descreveu com vasta eloqüência:

 

"A experiência histórica da Colômbia retifica a crença generalizada de que o absolutismo político só existe em países onde estão instalados cinicamente os governos de força e não pode funcionar em um sistema legal. Na verdade, o absolutismo político nunca apareceu na história como uma falta absoluta de legalidade, mas como um sistema que é capaz de criar, à vontade, a sua própria legalidade acomodatícia"(5).

 

O cerne das negociações não é se as insurgências trocam votos por fuzis, mas se a oligarquia colombiana renuncia à guerra suja contra o povo. Promessas são promessas, no entanto. O que realmente importa não é o que está sendo acordado em Havana, mas o que acontece no terreno dos fatos, na Colômbia. Até o momento, não há qualquer razão para pensar que a oligarquia vai deixar, assim de boa, seus velhos hábitos. Assim, seguem os ministros da guerra e da desapropriação agrária (Molano dixit (6)), torpedeando as negociações. Avança a militarização do sul da Colômbia, em Caquetá, Putumayo, os metralhamentos e bombardeios, enquanto o governo mesquinho quer um cessar fogo bilateral. Assim, fica intacta a desapropriação violenta, exemplificada com a revitimização da comunidade reclamante das terras de Pitalito, em Cesar. Segue a prática de dar chumbo a quem pede pão, como demonstraram as dezenas de mortos durante a paralisação agrária deste ano. Prossegue o extermínio sistemático de dirigentes populares, como testemunhado nos covardes assassinatos recentes de César Garcia em Tolima, de Edier Otero e de Ana Isabel Valencia, em Quindio. E o terrorismo de Estado segue blindado com dispositivos, como a chamada Lei de Segurança Pública e a insistência do governo de Santos em levantar uma versão modificada da ampliação do foro militar, que fora derrubada pela Corte Constitucional.

 

Por ora, parece que o governo de Santos estaria disposto a aceitar algumas reformas nada desprezíveis do sistema político e social da Colômbia. Em particular, parecem determinados a aniquilar as forças da sociedade que poderiam exigir que estes acordos fossem implementados na prática. Por isso, continua e até aumenta a repressão em massa e assassinato de movimentos populares, à medida que se avança no cobiçado acordo de paz. Isto é a democracia colombiana: uma bela fachada que abriga um repugnante matadouro. Isto não é original do sistema colombiano. Como Poulantzas explica em sua análise do fascismo clássico, quando o povo alcança certas conquistas econômicas ou políticas, "a burguesia se dedica principalmente em modificar a relação real das forças em que essas conquistas foram estabelecidas, e só então passa a atacar diretamente as mesmas conquistas. E isso por uma razão simples ( ... ), a fim de enganar o adversário e adormecê-lo, esconde o verdadeiro lugar da luta de classes" (7).

 

Embora o acordo, potencialmente, vá além da democracia liberal no sentido estrito (8), seria uma grande coisa para a oligarquia liderada por Santos comprometer-se a respeitar o quadro democrático na interpretação mais estreita do termo. Porém, carecemos tanto de consciência histórica para acreditar nas promessas da oligarquia mais mentirosa e violenta do hemisfério?

 

A paz com justiça social é inseparável de tranformações estruturais, vamos lutar por elas, sem falsas ilusões, sem se intimidar. O desmantelamento do paramilitarismo e do Estado terrorista nao passa por declarações de boa-fé, mas por uma profunda reforma agrária que os ataque em suas. O direito à participação política da oposição não passa por, agora, a oligarquia se comprometer a respeitar as regras da democracia, mas passa pela derrota política da oligarquia, através da mobilização de massas, a construção de expressões de poder popular e o desenvolvimento de um poderoso movimento que unifique, desde baixo e na luta, as várias expressões sociais que clamam por mudanças fundamentais.

 

As sementes deste movimento já foram lançados com os movimentos populares que agitam a Colômbia: falta um pouco de vontade política para avançar. Se a oligarquia tem demonstrado ter perdido todo o impulso histórico, é hora de o povo governar a si mesmo. Este processo irá revelar novamente o terreno real em que se luta pela Colômbia, o qual a oligarquia tenta por todos os meios esconder.

 

Notas:


1) Consulte o comunicado conjunto de Havana em:

http://www.rebelion.org/noticia.php?id=176504&titular=acuerdo-entre-el-gobierno-colombiano-y-las-farc-sobre-la-participaci%F3n-pol%EDtica-de-la-oposici%F3n-

(2) http://www.razonpublica.com/index.php/conflicto-drogas-y-paz-temas-30/7185-el-acuerdo-con-las-farc-%C2%BFfase-final-de-la-transici%C3%B3n-pol%C3%ADtica-colombiana.html

3) Ao uribismo, no atual contexto colombiano...

(4) Ver seu importante documento “Colômbia, esta democracia genocida”, 1994, Ed. Cristianisme i Justícia.

(5) “América Latina, História de meio século”, Ed. Século XXI, 1977, p.224

6) http://www.elespectador.com/opinion/acento-regional-columna-457520

(7) “Fascismo e Ditadura”, Nicos Poulantzas, Ed. Século XXI, 2005, p.158

8) Algo que já foi escrito por Alfredo Molano em sua coluna habitual no O Espectator: http://www.elespectador.com/opinion/acento-regional-columna-457520

 

José Antonio Gutiérrez é militante libertário residente na Irlanda, onde participa dos movimentos de solidariedade com América Latina e Colômbia, colaborador da revista CEPA (Colômbia) e O Cidadão (Chile), assim com site internacional www.anarkismo.net. Autor de “Problemas e Possibilidades do Anarquismo” (em português, Ed. Faisca, 2011) e coordenador do livro “Origens libertárias do Primeiro de Maio na América Latina” (Ed. Quimantú, 2010).


Retirado de Rebelión


Traduzido por Daniela Mouro, Correio da Cidadania.

Recomendar
Última atualização em Domingo, 17 de Novembro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates