topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

48 bases militares dos EUA na Itália para guerrear na África e no Oriente Médio Imprimir E-mail
Escrito por Achille Lollo, de Roma para o Correio da Cidadania   
Terça, 12 de Novembro de 2013
Recomendar

 

 

Durante a guerra fria os generais do Pentágono acreditavam que a Alemanha e a Itália eram as regiões geoestratégicas mais importantes da Europa e do Mar Mediterrâneo à causa de suas características geográficas, políticas e econômicas. Por isso, até 1990, os EUA aquartelaram na Alemanha 200.000 fuzileiros e 50.000 “especialistas”, isto é: pilotos, técnicos de radares, de telecomunicações e, sobretudo, as unidades operativas dos grupos especiais. Após a reunificação alemã, somente os “especialistas” permaneceram na Alemanha.

 

Aquartelamento da Itália pelos EUA

 

Na Itália, o contingente de militares estadunidenses permaneceu intacto até 1990, com seus 13.000 “especialistas”. Depois, houve um aumento gradual até 2001, quando 20.000 “especialistas” operavam nas 48 bases militares (da USArmy, USAF, USNavy e da OTAN), nas 40 estações radar e centros de telecomunicações (USAF e NSA) e nos 15 depósitos e polígonos que o Pentágono obteve do governo italiano graças aos acordos bilaterais ou no âmbito da OTAN. Uma máquina bélica que, em 1999, jogou um papel fundamental na “guerra humanitária nos Bálcãs” (Bósnia, Croácia, Macedônia, Sérvia e Kosovo) para a completa desestabilização da Federação Iugoslava. É suficiente lembrar que as duas esquadrilhas de F-16 do 31º Esquadrão de Caça da USAir Force (31st Fighter Wing) realizaram 9.000 missões de combates e bombardeios nos céus da Iugoslávia a partir da base italiana de Aviano em apenas 78 dias!!

 

Depois, em 2011, o sistema logístico e operacional criado pelo Pentágono na Itália teve uma importância decisiva na destruição do exército de Kadafi, pois, sem o suporte do referido sistema - em particular das bases de Aviano, de Pisa (Camp Darby), de Vicenza (Camp Ederle) e de Sigonella, na Sicília, a aviação francesa e a britânica e os navios lança-foguetes da VIª frota estadunidenses nunca teriam conseguido bombardear, sem interrupção, durante 29 dias, as cidades onde se havia entrincheirado o exército de Kadafi .

 

De fato, a Casa Branca, antes de criar as conjecturas diplomáticas e políticas para derrubar o governo dos Taleban no Afeganistão, para destruir fisicamente o Iraque de Saddam, para manter em estado de assédio o Irã, a Síria e o Líbano e, depois, em 2011, acabar com o regime de Kadafi, precisava exercer o controle total no Mar Mediterrâneo e, portanto, ter a absoluta certeza de que as múltiplas operações militares não teriam comprometido a regular exportação do petróleo e do gás dos países árabes para o Ocidente.

 

Foi nesse contexto que, a partir de 1990, todos os presidentes dos EUA aprovaram as opções geoestratégicas do Pentágono, segundo as quais a capacidade operacional do exército estadunidense em controlar o Mar Mediterrâneo passava, inevitavelmente, pela multiplicação das características operacionais das 48 bases militares italianas, pela capacidade logística dos 15 depósitos de armas e, sobretudo, pela qualidade da “espionagem” tecnológica das 40 estações radares e centros de telecomunicação, criados na Itália.

 

Um objetivo estratégico a quem o Congresso, desde 1992, destinou dotações orçamentárias que, em 2011, totalizaram um valor de 3 bilhões e 820 milhões de dólares. Infelizmente, permanecem secretados os “investimentos ocultos” que o Pentágono recebeu da Casa Branca para equipar as 48 bases militares italianas com “branches” para os serviços de inteligência (CIA, NSA, USArmy), departamentos logísticos para as operações secretas, comandos móveis para as missões especiais e centrais de espionagem eletrônica e urbana.

 

Foi nesse âmbito que, em 1991, o Congresso atribuiu uma verba especial ao orçamento do Pentágono de 300 milhões de dólares, para ampliar, em Nápoles, (centro-sul da Itália) o Comando da Security Force (dos Marines), o Comando da USAF (Força Aérea) para o Mediterrâneo, e construir uma base para os submarinos da USNavy, inclusive com cais para os submarinos armados de foguetes com ogiva nuclear. A seguir, em 1996, foram investidos mais 400 milhões de dólares para alugar, por 30 anos, vários territórios na província de Nápoles (Capodichino e Bagnoli), onde foi construída uma base aeronaval para a USAF e um porto militar logístico, capaz de movimentar anualmente 5.000 contentores da USArmy. Além disso, em Bagnoli a USNavy construiu o principal centro de coordenação das atividades de telecomunicação para o controle do Mar Mediterrâneo.

 

Também no nordeste italiano – a 500 km da fronteira com a Iugoslávia -, o Pentágono investiu pesado, destinando, em 1992, 305 milhões de dólares para a modernização da base aérea de Aviano. Depois, em 2004, mais de 115 milhões foram investidos para permitir a aterrissagem nesta base aérea dos bombardeiros estratégicos, armados com bombas nucleares, os grandes aviões-radar, os caças-interceptadores, além de transferir das bases aéreas da Alemanha grande parte das esquadrilhas de caças-bombardeiros de F-15 e F-16. Foram também construídos silos subterrâneos para 40 dos 90 foguetes nucleares que os EUA estacionaram (ainda hoje) na Itália desde o início da “Guerra Fria”.

 

Petróleo e crises na África e Oriente Médio: patrulha mais ostensiva do Mediterrâneo

 

Mas foi a dramática evolução das crises políticas no Oriente Médio e a perspectiva de dever patrulhar ostensivamente os céus e os mares da África do Norte que obrigaram o Pentágono a gastar mais dois bilhões de dólares na construção da maior base logística do Mar Mediterrâneo, chamada de “Camp Darby” e localizada entre Pisa e o porto de Livorno (região Toscana, no centro da Itália). Uma base que o Setaf administra fora da jurisdição italiana, com 1.400 “especialistas’ do 31st Munitions Squadron, estocando nos 125 depósitos subterrâneos uma reserva estratégica de armas e munições, capaz de munir todas as unidades do exército e da força aérea dos EUA que operam na região mediterrânea, durante seis meses de conflito. Além disso, em Coltano, foi instalada a maior central europeia de “espionagem eletrônica”, onde os técnicos da NSA podem copiar todas as telecomunicações captadas na região mediterrânea.

 

Em Vicenza (região do Veneto, na Itália do Norte), o Pentágono criou outra grande base aérea, denominada “Camp Ederle”, onde operam 2.000 “especialistas”. Nessa base foi instalado o Comando da Setaf da USArmy para dirigir as unidades estadunidense aquarteladas na Itália, na Grécia e na Turquia. A seguir, também a OTAN escolheu “Camp Ederle” para fixar seu Comando Geral Operativo. Em 2008, “Camp Ederle”, apesar dos protestos da população de Vicenza, foi novamente ampliado para permitir à Quinta Força Aérea Tática da USAF manusear os bombardeiros armados com bombas nucleares, além de estocar nos depósitos subterrâneos da base mais 40 ogivas nucleares.

 

Entretanto, a presença militar dos EUA na Itália aumentou sensivelmente a partir de 2001, quando George W. Bush decidiu promover o conflito contra os “estados canalhas” (produtores de gás e petróleo) e, assim, legitimar no Ocidente o alcance de uma nova geopolítica energética. Foi dentro dessa lógica que o Departamento de Defesa da Casa Branca e os generais do Pentágono argumentaram que, antes de mover qualquer tipo de ação militar contra o Iraque de Saddam Hussein, era necessário criar no Mar Mediterrâneo uma poderosa base aéreo-naval capaz de monitorar, em todos os sentidos, as operações no Oriente Médio e na África do Norte.

 

Por isso, o Congresso aprovou o investimento de 300 milhões de dólares para transformar a base italiana de Sigonella (na ilha da Sicilia) em “Sigonella Naval-Air Station”, evidentemente desligada de qualquer tipo de jurisdição territorial com a Itália.  Em 2002, essa base começou a ser usada para dirigir os aviões sem pilotos (drones) Global Hawk. A seguir, em 2003, vieram os aviões P-3 para realizar a espionagem eletrônica em altura atmosférica com seus scanners de altíssima resolução óptica. Depois, em 2008, o governo Berlusconi assinou com o chefe da AFRICOM, general Willian E. Ward, um “acordo secreto” que permitiu à USAF instalar na base de Sigonella o comando operacional de todos os drones estadunidenses que deviam operar no Mar Mediterrâneo, na África no Norte, no Oriente Médio e no Afeganistão. Enfim, em 2009 o Comando da AFRICOM inaugurava em Sigonella a “escola de antiterrorismo” para os militares e policiais de Botsuana, Djibuti, Burundi, Uganda, Tanzânia, Quênia, Tunísia e Senegal.

 

Em 2008, numa apresentação na Universidade Nacional de Defesa, o segundo comandante do AFRICOM, o vice-almirante Robert Moeller, declarava que  “...a África tem uma importância geoestratégica cada vez maior para os Estados Unidos e o petróleo é um fator chave, porém, o principal desafio para os interesses estratégicos norte-americanos na região é reduzir a crescente influência da China na África”.

 

Uma declaração que sintetizava as conjecturas políticas e estratégicas que os colaboradores de Obama estavam criando para poder derrubar o regime de Kadafi.

 

Hoje, a base de Sigonella está novamente de alerta geral à causa da crise política que explodiu na Líbia entre as “milícias jihadistas” – antigos aliados dos EUA – e os “países amigos” da OTAN. De fato, em menos de um ano as milícias atacaram o consulado dos EUA em Benghazi, em 11 setembro de 2012, matando o embaixador Chris Stevens; depois, atacaram em Trípoli as embaixadas da França e da Itália. Mais recentemente, sequestraram o primeiro ministro, Ali Zeidan, para depois sabotar gravemente o terminal petrolífero de Misrata, onde operavam os técnicos italianos da ENI.

 

Um caos político e institucional agravado pela queda na produção petrolífera, que, durante o governo de Kadafi, tocava os quatro milhões de barris por dia, enquanto, hoje, nem chega aos 150.000. Um bom motivo para os EUA começarem novamente a planejar, nas 40 bases aéreo-navais que têm na Itália, outra “guerra humanitária para livrar a Líbia dos terroristas da Al Qaeda!!!”.

 

Clique aqui para ver a lista das Bases Americanas na Itália.

 

Achille Lollo é jornalista italiano, correspondente do Brasil de Fato na Itália, editor do programa TV “Quadrante Informativo” e colunista do "Correio da Cidadania"

Recomendar
Última atualização em Segunda, 18 de Novembro de 2013
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates