Pensadores acidentados

 

 

O destino cria coincidências e fica à espera de que alguém as perceba. Esse alguém se sentirá inteligente ao descobri-las, iludido pela convergência de informações...

 

Recentemente, dei-me conta de uma pequena coincidência que, insignificante, chamou-me porém a atenção, na falta de profundas reflexões sobre temas como o aquecimento global. A insignificante coincidênca de três escritores/pensadores do século XX morrerem em acidentes envolvendo automóveis.

 

Albert Camus morreu em janeiro de 1960, aos 47 anos de idade, num acidente de carro. O veículo era dirigido em alta velocidade por seu editor Michel Gallimard. Camus estava ao lado do motorista. Chocaram-se contra uma árvore. No banco traseiro, a esposa de Gallimard, a filha do casal, e o cão da família. Mãe e filha se salvaram. O cão nunca mais foi visto. Michel Gallimard, gravemente ferido, morreu dias depois.

 

Para Camus, costumava ele dizer aos amigos, não havia nada mais absurdo do que morrer num acidente de automóvel. Coincidência paralela... Ayrton Senna nasceu dois meses depois da morte do grande escritor, em março de 1960.

 

Duas décadas mais tarde, em 1980, morria Roland Barthes, vítima de atropelamento. No dia 25 de fevereiro daquele ano (dia nublado), a caminhonete de uma lavanderia o atingiu. O pensador atravessava tranqüilamente a rua des Écoles, diante do Collège de France, onde ocupava a cátedra de semiologia literária. Hospitalizado durante um mês, faleceu no dia 26 de março. Não estaria atento ao semáforo o genial semiólogo?

 

O filósofo tcheco Vilém Flusser viveu no Brasil nos anos 40-60. Naturalizou-se brasileiro, mas na década de 1970 voltou para a Europa. Morreu com 71 anos de idade, em 27 de novembro de 1991, um dia após ministrar brilhante conferência sobre mudança de paradigmas da ciência, no Instituto Goethe de Praga. Numa estrada de sua terra natal, seu carro colidiu com um caminhão branco em meio a forte neblina.

 

Uma quase-coincidência em 1999: Stephen King por pouco não morreu atropelado. Atravessava uma rua, quando um motorista, distraído pelo rottweiler que se agitava no banco traseiro do carro, não viu King e o arremessou longe. Bastante ferido, com múltiplas fraturas, o escritor norte-americano, habituado ao terror fictício, passou por várias cirurgias. Recuperado, usou em livros posteriores a experiência traumática.

 

Tudo isso por quê? Eis uma crônica meramente informativa, que comecei a escrever no último dia 22 de setembro — Dia Mundial Sem Carro.

 

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor - Web Site: www.perisse.com.br

 

Para comentar este artigo, clique {ln:comente 'aqui}.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados