Bloqueio a Cuba

0
0
0
s2sdefault

 

A ausência do livre debate impede que tenhamos uma visão clara da realidade política que atravessamos. Em nome do “marxismo-leninismo” e do “trotskismo”, lendas e mentiras foram ditas. As distorções chegam ao ridículo. Um exemplo disso está nos discursos em que as culpas dos insucessos são debitadas ao inimigo. Esse ridículo se resume em dizer: “não vencemos porque o inimigo não permitiu”.

 

Vimos por ocasião do golpe contrarrevolucionário de 1964, no Brasil. Sob o titulo “o golpe nasceu em Washington” dizia-se que, em caso de conflito armado, naquela ocasião, os ianques desembarcariam e impediriam qualquer êxito revolucionário. Diziam: o inimigo rasgou a Constituição e atropelou a legalidade, assim, ele era culpado de não ter dado certo o projeto da conquista pacífica do socialismo.

 

O mesmo argumento foi apresentado em relação ao golpe chileno de 1973, afirmando-se que o insucesso do “socialismo”, ali, deveu-se ao papel da CIA. Esquecem que as tropas ianques desembarcaram no Vietnã com oitocentos mil homens e desfecharam vários bombardeios e, mesmo assim, não impediram os vietcongues da vitória.

 

Outro ridículo do discurso da “esquerda direitosa” dá-se em torno do bloqueio econômico a Cuba. Mais uma vez culpa-se o cruel inimigo de não colaborar com o processo de construção de um projeto socialista. Porém, cabem algumas indagações: quando se viu Cuba, através de seu governo monocrático, fazer algum apelo dirigido aos trabalhadores da América do Norte? Por que esses trabalhadores não impediram que se desse o bloqueio a Cuba?

 

Não nos consta nenhum apelo, nenhum manifesto dirigido ao povo ianque. Aliás, Cuba nunca conseguiu ultrapassar os limites do “pátria ou morte, venceremos” e o discurso mais avançado, produzido neste meio século, “A Segunda Declaração de Havana”, se volta contra o imperialismo ianque e nenhuma palavra diz sobre o imperialismo canadense, italiano, francês, inglês... O que demonstra um reducionismo do conceito de imperialismo.

 

Por essas razões é que o capitalismo, apesar das crises, mantém a hegemonia política. Precisamos de uma esquerda anticapitalista em palavras e ações, e devemos repudiar o desvio nacionalista, decorrente da substituição do princípio da luta de classes, para se assumir o dogma de que a contradição maior está entre nações opressoras e nações oprimidas.

 

Leia também:

Brasil, 1968

 

Gilvan Rocha é presidente do Centro de Atividades e Estudos Políticos – CAEP.

Blog: www.gilvanrocha.blogspot.com

Comentários   

0 #1 RE: Bloqueio a CubaMatheus 23-10-2013 10:17
Chega a ser engraçado esse texto: qual seria o efeito de um "apelo" aos trabalhadores norte-americanos?

Eu respondo: NENHUM. A mensagem sequer chegaria aos destinatários.

O Gilvan fala como se vivêssemos num mundo onde não existe a supremacia militar dos EUA e basta boa vontade para fazer a revolução socialista.

Se é tão fácil assim, vai lá e faz!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados