topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Acordo nuclear: muitas pedras no meio do caminho Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Terça, 08 de Outubro de 2013
Recomendar

 

 

De repente, Obama telefona para Rouhani e sai feliz da conversa, falando em mudanças muito positivas no Irã.

 

E Kerry, o secretário de Estado, vai além, dá até prazos para se chegar a um acordo na questão nuclear: 3 a 6 meses, imagine! Basta que o Irã prove que seu programa atômico não é mal intencionado, tem apenas objetivos pacíficos.

 

Nada mais assustador para Netanyahu, que só sossegará se vir  seu odiado Irã de rastros.

 

Ele lembra 2011, quando aconteceu um caso de igual gravidade, Obama falando num Estado palestino, com base nas fronteiras de 1967.

 

Furioso, Netanyahu voara para Washington, onde invadiu a Casa Branca, passou um sabão em Obama, fechando seu périplo com uma recepção de herói no Congresso, sob as palmas vibrantes de senadores e representantes, enquanto Obama se desculpava na conferência da AIPAC (maior lobby judaico nos EUA): fora  mal- entendido, de 1967 para cá muita coisa mudara, nas negociações haveria que respeitar essas novas realidades…As fronteiras de 1967 seriam mera base de discussões.

 

Netanyahu pensava repetir a história. Mas isso costuma acontecer.

 

Na reunião com Obama, de 2013, o presidente norte-americano falou que os EUA permaneciam inflexíveis diante do Irã, as sanções não sairiam fácil e os ataques militares permaneciam sobre a mesa… E seu caso de amor com Israel era cada vez mais profundo.

 

Mas delimitar uma linha vermelha com clareza, dar prazo para o Irã atender às exigências dos aliados, acenando com represálias militares muito concretas, como o israelense queria… nada.

 

Netanyahu ainda foi à ONU. Clamou que Rouhani era um lobo em pele de cordeiro, que os iranianos continuavam os mesmos fanáticos ferozes, empenhados em destruir Israel e o Ocidente. Garantiu que, com seu programa de mísseis balísticos intercontinentais, o Irã poderia jogar bomba nucleares em Nova Iorque daqui três ou quatro anos.

 

Não impressionou.

 

Os EUA sabem que não existe programa nuclear militar iraniano, conforme relatórios de suas 16 agências de inteligência e até do Mossad.

 

A AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) nunca acusou o Irã de estar desviando urânio enriquecido para fins diferentes de usos pacíficos.

 

Mesmo assim, Obama, Kerry e Hagel (secretário da Defesa) não deixaram de dar declarações duras, insistindo na importância das sanções, da opção militar sobre a mesa, etc.

 

Afinal, é preciso abrandar a fúria anti-Irã dos congressistas, comprometidos em massa com os interesses de Israel.

 

Justo agora que o conflito com o Irã parece encaminhar-se para uma solução diplomática, o senador Lindsey Grahame e o representante Trent Franks vieram com um projeto de lei, autorizando o presidente a atacar o Irã sem ouvir o Congresso.

 

Mas o Israel Party não ficou nisso.

 

Lei existente fecha o mercado estadunidense a quem importar petróleo do Irã, admitindo, porém, certas exceções, de acordo com permissão (waiver) do presidente dosa EUA.

 

A Casa dos Representantes aprovou um projeto, reduzindo o volume de petróleo iraniano cuja importação é permitida por países como China, Índia e Japão.

 

As reduções seriam gradativas até se fecharem totalmente as torneiras de petróleo do Irã para o exterior no prazo de um ano.

 

O que representaria uma bomba no clima de entendimento que está se criando.

 

Para ser lei, esse projeto terá de ser aprovado também pelo Senado.

 

Como pensa seriamente na possibilidade de paz com o Irã, Obama apelou e conseguiu que os senadores adiassem sua discussão para depois de 15- 16 de outubro, data da reunião entre o Irã e as grandes potências para discutir a questão nuclear.

 

A qual, aliás, não vai ser nada fácil.

 

Certamente, Rouhani aceitará assinar os novos protocolos do Tratado de Anti-Proliferação Nuclear, abrindo totalmente instalações nucleares iranianas à fiscalização da AIEA. Ele já deu a entender que faria isso.

 

Espera-se que as grandes potências aceitem o direito de o Irã enriquecer o urânio (que, por sinal, é legal), limitando-o, porém, a 3,5% – muito longe dos 90% necessário para se construir uma bomba atômica.

 

Mas, e quanto ao urânio enriquecido a 20%, que o Irã usa na produção de isótopos para tratamento de câncer?

 

Até agora, houve uma discordância nesse ponto, nas reuniões anteriores.

 

O mesmo aconteceu quanto ao estoque de urânio enriquecido a 20%. As potências querem que seja entregue a outro país.

 

Para atender às suas necessidades medicinais, o Irã deveria recorrer à importação. O que criaria um problema: ficariam sem uso caríssimos equipamentos implantados no país para esse fim.

 

As partes também divergem a respeito do fim das sanções. Os EUA, principalmente, querem que primeiro o Irã faça sua parte, para que depois as sanções fossem tornadas sem efeito passo a passo.

 

Em outras palavras, o Irã teria de pagar para só depois receber.

 

Mesmo que a reunião prevista para 15 e 16 de outubro tenha um happy end, novos obstáculos ainda provavelmente surgirão.

 

Obama depende do Congresso para revogar as leis que criaram as sanções.

 

É verdade que ele tem poderes para considerá-las sem efeito. 
Mas, só temporariamente, o acordo de paz, é claro, teria de ser definitivo.

 

Os congressistas pró-Israel, que por enquanto são maioria, farão tudo para sabotar a paz. Têm no time deles os três maiores lobbies dos EUA: as principais associações judaico-americanas, a indústria de armamentos e a indústria do petróleo.

 

O primeiro atua negativamente por razões óbvias: segue a orientação de Netanyahu.

 

O segundo porque, fracassando o acordo, a guerra será quase certa e os lucros dessa indústria subirão aos céus.

 

E o terceiro por estar de olho no pra lá de apetitoso petróleo iraniano.

 

Claro, interesses tão poderosos necessariamente influenciam a mídia corporativa, que, em geral, apoia os interesses de Israel.

 

Some-se a isso o medo e a má vontade do povo norte-americano em relação ao Irã, cultivados durante décadas por uma campanha de propaganda que um jornalista estadunidense comparou à dirigida por Goebbels contra os judeus.

 

Dizia-se que, também no próprio Irã, Rouhani teria de enfrentar obstáculos talvez insuperáveis, por parte de Khamenei e dos políticos, radicalmente conservadores. Não é o que está acontecendo.

 

Apesar de Khamenei advertir a Guarda Revolucionária a não se pronunciar sobre política, seu chefe, Mohamed Jafari, criticou a boa vontade de Rouhani em relação a Obama. Para ele, precisaria ser precedida por concessões dos EUA. Disse ainda que o presidente jamais deveria ter atendido à chamada telefônica da Casa Branca, o que teria sido um “erro tático”.

 

E o jornal Kayhan, próximo ao Supremo Líder Khamenei, expressou “horror ante a possibilidade da mão limpa do nosso presidente estar por momentos nas garras sangrentas de Obama”.

 

Um dos assessores principais de Khamenei, Ali Akbar Nouri, defendeu Rouhani: “Alguns que a criticaram, não percebem que a viagem a Nova Iorque foi para desatar nós entre pessoas e sistemas”.

 

E, embora o Supremo Líder tenha, em 4 de outubro, considerado inadequadas “algumas coisas que aconteceram em Nova Iorque,” ele declarou enfaticamente: “Apoiamos a iniciativa diplomática do governo e atribuímos importância às suas (de Rouhani) atividades nesta viagem”.

 

É verdade que ele também confessou não confiar nos EUA, afirmação bem menos agressiva do que as reiteradas promessas de dureza feitas há pouco por Obama e os seus secretários.

 

Não é de se dar muita importância ao que as duas partes disseram: era para dar uma colher de chá à oposição das forças radical-conservadoras dos dois países.

 

Quanto à posição dos políticos iranianos, 230 dos 290 parlamentares assinaram uma mensagem dirigida ao presidente, elogiando sua postura “poderosa e de busca da paz”.

 

Finalmente, Rouhani conta com o apoio do seu povo. Pesquisa em Teerã revela que 78% da população aprovou a viagem a Nova Iorque.

 

Apesar de ser chamado “lobo em pele de cordeiro” por Netanyahu, não há nada, nem no passado, nem nas últimas atitudes, que negue a moderação e pacifismo do presidente iraniano.

 

Contra a avalanche de ataques ao acordo que ele deseja, existe o momento extremamente favorável à paz.

 

Até o povo norte-americano, apesar de influenciado pela maciça propaganda anti-Irã dos políticos, da imprensa e dos últimos presidentes, mostrou preferir esse caminho.

 

Na pesquisa da CNN/ORC International, 76%, contra apenas 21%, aprovaram negociações para solução da questão nuclear iraniana.

 

Daí a grande importância da reunião dos dias 15 e 16 de outubro, dos P+5 (EUA, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha) com o Irã, para se buscar um acordo final.

 

Vai depender muito da moderação e boa vontade de todos.

 

Só nos resta repetir John Lennon: “Give peace a chance”.

 

Luiz Eça é jornalista.

Website: Olhar o Mundo.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 09 de Outubro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates