topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

As escolas norte-americanas Imprimir E-mail
Escrito por Ronald Barata   
Quarta, 02 de Outubro de 2013
Recomendar

 

 

Além das intervenções militares, “cooperação” econômica, avassaladora atuação das grandes empresas de mídia, corrupção etc., o imperialismo norte-americano tem duas importantes escolas atuando na América Latina.

 

A primeira, a Escola das Américas. Em 1946, era sediada no Panamá, como “Centro de Adestramento Latino-Americano – Divisão da Terra”. Em 1950, mudou o nome para “Escola Caribenha do Exército dos Estados Unidos”, permanecendo no Panamá até 1964. Foi chamada por um jornal panamenho de “Escola de Assassinos” e por um ex-presidente do país, Jorge Illuaca, de “a base gringa para desestabilização da América Latina”.

 

Em 1963, adotou a denominação de “Escola das Américas”. Foi responsável direta por todos os golpes que implantaram ditaduras no continente. Somente nesse período, preparou 60 mil militares e policiais de 23 países. Inclusive ex-presidentes, como os generais argentinos Roberto Eduardo Viola e Leopoldo Galtieri, Hugo Banzer, da Bolívia, e Manoel Noriega, do Panamá, que acabou derrubado por ordem de Bush, por comandar o tráfico de drogas para os EUA.

 

Hoje, a Escola está sediada em Fort Benning, Columbus, Georgia – EUA. Quase todos os seus formados foram acusados de crimes contra a humanidade, em vários países.

 

Sustentada pelos EUA, promove cursos para militares de um país, em outros países. Ensina espionagem e contra-espionagem, técnicas de contra-insurgência, guerra psicológica, terrorismo, interrogatório e tortura, desaparecimentos etc. Formou muitos militares e policiais brasileiros.

 

Promove a “Doutrina de Segurança Nacional” dos EUA que, aqui no Brasil, pontificou no período da ditadura de 1964.

 

A outra escola é o IADESIL –Instituto Americano para Desenvolvimento do Sindicalismo Livre, com sede em Washington. Promove cursos para dirigentes sindicais. Sem disfarces, esses cursos são diretamente preparados pela CIA (Central Intelligence Agency), organização de espionagem e contra-espionagem do governo dos EUA.

 

Possuía um escritório no Rio de Janeiro, na Avenida Graça Aranha. Em 1963, instalou-se em São Paulo, atuando pela derrubada do governo João Goulart. É um organismo da CIOLS (Confederação Internacional das Organizações Livres), mas é mantida pelos norte-americanos da AFL-CIO (American Federation of Labor-Congress of Industrial Organizations), a maior central sindical dos EUA (12 milhões de sindicalizados).

 

Tanto o Iadesil como a AFL-CIO ministram cursos contrarrevolucionários de “liderança” sindical, desenhados sob medida para parecerem de esquerda, mas, na verdade, servem à política traçada pelo sistema dominante. Também sustentam várias ONGs. A CUT filiou-se à CIOLS em 1992.

 

Na atual conjuntura, com uma ofensiva imperial contra a América Latina progressista, esse centro de aperfeiçoamento de pelegos é tão importante quanto a atuação das grandes empresas de mídia. O norte-americano Noam Chomsky, filósofo e ativista político estadunidense, afirma que a América Latina é uma das únicas regiões do mundo onde há resistência real ao poder do império. Declara que há movimentos caminhando para uma verdadeira independência, onde, historicamente, os EUA derrubavam um governo após o outro.

 

Agora já não podem fazê-lo, diz Chomsky.

 

Os EUA reativaram a IV Frota que atua no Atlântico Sul e instalaram várias bases militares em alguns países satélites. Só na Colômbia, colocaram sete bases militares.

 

Ronald Barata é bacharel em direito, aposentado, ex-bancário, ex-comerciário e ex-funcionário público. Também foi militante estudantil e hoje atua no Movimento de Resistência Leonel Brizola. Autor do livro O falso déficit da previdência.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 02 de Outubro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates