topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Convite para o diálogo Imprimir E-mail
Escrito por Dom Demétrio Valentini   
Sábado, 28 de Setembro de 2013
Recomendar

 

 

Continua repercutindo em todo o mundo a longa entrevista que o papa Francisco concedeu ao diretor da revista La Civiltà Cattolica, dos Jesuítas. Sua própria extensão, e a diversidade de assuntos abordados, sinalizam com clareza a intenção do papa de fazer desta entrevista uma ampla plataforma de diálogo em torno de assuntos importantes, que ele acha necessário abordar.

 

Assim fazendo, começa a implementar o que ele mesmo aconselhou a fazer: “promover a atitude do encontro, que leva à cultura do diálogo”.

 

Quando se aposta no diálogo, é possível abordar assuntos, em torno dos quais não é preciso supor que todos tenham o mesmo posicionamento. Pois o diálogo estimula a busca de consensos, que não precisam ter de imediato o caráter de verdades absolutas, mas de realidades concretas, vividas por pessoas, que merecem contar, no mínimo, com nossa atenção respeitosa.

 

Com isto, se abre caminho para uma reflexão mais atenta, a respeito de situações vividas por pessoas que carregam problemas, que elas sentem no mínimo a necessidade de verbalizar.

 

A Igreja precisa estar atenta às oportunidades que estas pessoas nos oferecem, para mostrar ao menos nossa proximidade e nossa escuta.

 

A Igreja não precisa estar sempre com o braço levantado, pronta para condenar pessoas que vivem em situação irregular, do ponto de vista dos parâmetros legais.

 

Neste contexto, se entende melhor o que o Papa quis dizer com estas palavras: “Não podemos insistir somente sobre questões ligadas ao aborto, ao casamento homossexual e ao uso de métodos contraceptivos. Isto não é possível. Eu não falei muito destas coisas, e me censuraram por isto. Mas quando se fala disto, é necessário falar num contexto. De resto, o parecer da Igreja é conhecido, eu sou filho da Igreja, mas não é necessário falar disto continuamente”.

 

Mesmo em assuntos onde o parecer da Igreja já é definido, é possível estabelecer um diálogo construtivo, que aproxime as pessoas. Mas a Igreja não pode assumir, preventivamente, uma atitude de condenação radical, só baseada em princípios, e sem levar em conta a realidade concreta em que as pessoas vivem.

 

A propósito deste posicionamento, o papa Francisco reitera uma de suas recomendações mais insistentes: usar de misericórdia. Assim ele se expressa: “Esta é também a grandeza da confissão... O confessionário não é uma sala de tortura, mas lugar de misericórdia, no qual o Senhor nos estimula a fazer o melhor que pudermos. Penso na situação de uma mulher, que carregou consigo um matrimônio fracassado, no qual chegou a abortar. Depois esta mulher voltou a casar e agora está serena, com cinco filhos. O aborto pesa-lhe muito e está sinceramente arrependida. Gostaria de avançar na vida cristã. O que faz o confessor?”

 

Além da atitude de misericórdia, o papa apela para um princípio muito importante: é preciso, sempre, respeitar a dignidade pessoal de cada um, e partir da condição de liberdade, na qual fomos criados por Deus. Assim se expressa o papa: “Deus, na criação, tornou-nos livres: a ingerência espiritual na vida pessoal não é possível. Uma vez uma pessoa, de modo provocatório, perguntou-me se aprovava a homossexualidade. Eu, então, respondi-lhe com outra pergunta: ‘Diga-me: Deus, quando olha para uma pessoa homossexual, aprova a sua existência com afeto ou a rejeita, condenando-a?’ É necessário sempre considerar a pessoa. Aqui entramos no mistério do homem. Na vida, Deus acompanha as pessoas e nós devemos acompanhá-las a partir da sua condição. É preciso acompanhar com misericórdia”.

 

Portanto, é preciso levar em conta as situações que as pessoas vivem. Em todas elas “devemos anunciar o Evangelho... pregando a boa nova do Reino e curando todo o tipo de doença e de ferida. Em Buenos Aires recebia cartas de pessoas homossexuais, que são “feridos sociais”, porque me dizem que sentem como a Igreja sempre os condenou. Mas a Igreja não quer fazer isto. Durante o voo de regresso do Rio de Janeiro disse que se uma pessoa homossexual é de boa vontade e está à procura de Deus, quem sou eu para julgá-la”?

 

O papa está propondo uma postura nova, de acolhida, de compreensão e de misericórdia, que não se limite à repetição de juízos teóricos, ao mesmo tempo em que não abandona os princípios, leve sempre em conta o contexto vivido pelas pessoas.

 

Esta é a proposta. Ela levará a desdobramentos importantes na prática pastoral da Igreja. O papa lançou o desafio. Vamos seguir o exemplo que ele nos deixou.

 

D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales-SP.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates