topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Sep   October 2016   Nov
SMTWTFS
   1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Assassinato de funcionário da Unifesp é mais um retrato da falência do modelo repressor de segurança pública Imprimir E-mail
Escrito por Gabriel Brito e Leandro Iamin, da Redação   
Sábado, 14 de Setembro de 2013
Recomendar

 

 

Logo após o desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, após detenção por policiais militares das chamadas UPPs, o estado de São Paulo se deparou com sua própria versão do caso, com ligeiras diferenças, mas o mesmo ponto convergente: o completo descontrole da violência policial, revelando um Estado que ainda se relaciona com sua população sob bases dignas de regimes sanguinários de exceção.

 

Para tratar do caso, que continua à espera de esclarecimento, o Correio da Cidadania, em nova parceria com a Webrádio Central 3, entrevistou Mauricio de Oliveira, membro do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal do Estado de São Paulo (Unifesp).

 

O caso ocorreu em torno do campus da Baixada Santista, um dos mais extremos focos da violência policial brasileira, não à toa berço também do grupo Mães de Maio - formado pelas mães de vítimas dos ataques policiais de 2006, em resposta do governo do PSDB a ataques do PCC, um extermínio que na época vitimou imensa maioria de inocentes, mas que ainda não serve para obstruir as condutas extra-legais das forças repressivas do Estado brasileiro.

 

“O Alckmin esteve na Baixada e cometeu um ato falho: disse ‘política de repressão’, ao invés de política de segurança. E ele está certo. É repressão mesmo. Uma política que defende os interesses da propriedade privada e para isso, e só pra isso, faz o que for necessário contra aqueles que não temos a propriedade privada, que somos nós que trabalhamos e lutamos. Ricardo é mais uma vítima dessas. Auxiliar de limpeza. Não queremos que seja mais um”, resume Mauricio.

 

A entrevista completa pode ser lida a seguir.

Correio da Cidadania: O que aconteceu no dia 31 de julho, quando o funcionário terceirizado da Unifesp, Ricardo Ferreira Gama, foi abordado pela PM, agredido e detido, sendo encontrado morto na frente de casa dois dias depois?

 

Mauricio Oliveira: Ele foi agredido na frente da Unifesp, em um dos campus da Baixada Santista. Isso aconteceu quando ele fumava, na hora do almoço, em frente à universidade, após abordagem de três policiais militares. Por coincidência, era o dia da semana que mais tem estudantes na universidade, porque ocorrem muitos trabalhos de campo, muitos ônibus ficam por ali e muita gente viu. Várias pessoas ficaram revoltadas, intervieram, interpelaram os policiais, perguntando o que acontecera. Os policiais, além de agredirem o Ricardo, o colocaram dentro da viatura e mandaram o pessoal embora. Os estudantes começaram a filmar, perguntando pra onde ele seria levado. As informações foram desencontradas, disseram que o levaram pra um lugar quando o levaram pra outro. Disseram que foi ao 1º DP, mas foi pra Santa Casa.

 

Depois, os estudantes encontraram os policiais no 4º DP, onde ele deveria estar, caso houvesse acusação formal, caso houvesse o procedimento correto. Aí, alguns estudantes tentaram se informar, não conseguiram, foram ameaçados e intimidados pelos policiais. Voltaram pra Unifesp, encontraram o Ricardo, que disse “obrigado, me ajudaram bastante, mas gostaria de pedir que parassem de fazer essas coisas, pois os policiais disseram que, se não pararem, eles vão resolver as coisas de outro jeito”. Pois bem. Os estudantes recuaram e pararam com tudo, retirando inclusive o vídeo da agressão que circulava na internet. Dois dias depois, sexta de madrugada, Ricardo foi encontrado morto. Algumas testemunhas disseram que foi assassinado por quatro homens encapuzados em duas motos, com oito tiros.

 

Correio da Cidadania: E que tipo de satisfação foi dada pelo poder público desde então?

 

Mauricio Oliveira: A defesa dos policiais e a primeira versão oficial da PM foi a mais esdrúxula possível. Eles não reconhecem a própria agressão, dizendo que o Ricardo se machucou sozinho na abordagem policial, debatendo-se por não querer ir à delegacia. É claro que negam que os policiais estejam envolvidos. Dizem que, pelo registro de GPS, no dia 2, os envolvidos na operação de quarta-feira, quando ele foi agredido, estavam em outros lugares.

 

Porém, sustentamos que, mesmo se os policiais envolvidos na agressão da quarta-feira de fato estivessem em outros lugares (vamos imaginar que isso seja verdade), não quer dizer que a polícia, com a irmandade que existe ali dentro, nos faça deixar de crer que grupos de extermínio ligados aos policiais estejam envolvidos.

 

Correio da Cidadania: E como foi a audiência pública do dia 28, com participação do próprio DCE da Unifesp?

 

Mauricio Oliveira: A audiência foi o ponto alto de um processo que se desenrola desde a morte dele. No próprio dia 2, os estudantes envolvidos com o caso e que foram à delegacia, em parte, foram retirados da cidade e até do estado. Foram ameaçados e a questão já tinha culminado na morte de um companheiro. Saíram da cidade e, no dia seguinte, o DCE soltou uma nota, contando do caso, com grande repercussão.

 

A maior parte dos jornais procurou o DCE, o movimento se ampliou para além da universidade, com envolvimento das Mães de Maio, Tribunal Popular, Comissão de Direitos Humanos da universidade, e alguns docentes mais combativos entraram no caso. Começou-se uma campanha, envolvendo diversos movimentos sociais, figuras públicas como Carlos Latuff, Carlos Gianazzi, Marcelo Freixo, as próprias Mães de Maio, com apoios de todo o país, indagando: “quem matou Ricardo”.

 

Na verdade, não queremos apenas saber disso, e sim colocar o dedo na ferida da violência de Estado, principalmente na Baixada Santista. Tal esforço culminou na audiência, com participação do DCE, Mães de Maio, dos deputados estaduais Gianazzi e Telma de Souza, do Tribunal Popular, além da direção e reitoria da Unifesp. Serviu pra marcar posições, os movimentos colocaram uma posição clara e firme contra a violência de Estado.

 

A própria reitoria teve uma posição avançada, claro que nos limites institucionais, porém, avançada (a reitora da Unifesp é Soraya Smaili, professora de farmacologia e também diretora do Instituto de Cultura Árabe). Já a direção teve um posicionamento horrível. Ela foi a última a se pronunciar e, quando chegou sua vez, disse: “em vez de falar da morte do Ricardo, preferimos falar do vandalismo contra o patrimônio público, os projetores roubados do campus”... Depois, desenrolou-se uma sequência de pérolas, terminando numa saraivada histórica de vaias, que eu nunca tinha visto antes.

 

De toda forma, a audiência pública serviu pra marcar o posicionamento de quem quer discutir a violência contra a classe trabalhadora e quem prefere discutir a violência contra o patrimônio privado, vidraças, objetos, esse tipo de coisa.

 

Correio da Cidadania: Como está o clima na universidade depois do ocorrido? Alguém do ambiente de vocês já registrou ou comentou novas intimidações policiais?

 

Mauricio Oliveira: O clima, em princípio, há um mês, era de grande medo, muitas viaturas rondando, como a polícia já vinha fazendo, a universidade. No mês que antecedeu a morte de Ricardo, víamos policiais rondando as ruas próximas, chegando até a entrar em algumas repúblicas. Algumas moradias de estudantes foram invadidas, além de ocorrerem abordagens nos arredores. Isso terminou na agressão e morte do Ricardo. No mês seguinte, a tensão ficou muito maior, estudantes deixaram de frequentar as aulas, alguns até saíram da cidade e do estado.

 

Com a repercussão grande, os policiais não seriam tolos de reiterarem as ameaças. Mas sentimos o aumento da circulação de viaturas no próprio ato que fizemos, na sexta posterior à morte, quando se viram muitas e muitas viaturas, com muitos homens dentro, sem identificação, deixando claro: “não pensem que não estamos de olho”.

 

É verdade que diminuiu o sufoco, mas a sensação de terror não deixa de existir. No entanto, as pessoas se envolvem cada vez mais na luta e dessa forma o medo se transformou em coragem. Porque muitos medos reunidos nos empurraram pra frente e, na verdade, formaram uma grande coragem coletiva.

 

Correio da Cidadania: Como toda essa história e suas sequelas se relacionam com nossa política de segurança pública, que segue a mesma linha em todos os municípios, cidades e estados do país?

 

Mauricio Oliveira: Claro que queremos uma resposta pela morte de Ricardo, queremos de fato saber quem foram as pessoas responsáveis. Mas sabemos que quem matou Ricardo foi o Estado brasileiro, que vem matando a classe trabalhadora mais pauperizada, a classe trabalhadora que luta nos movimentos sociais etc. Desde sempre. Não é questão de décadas, mas de séculos. Agora, especificamente, pelo momento que vivemos, isso tem muito a ver com o ranço da ditadura militar.

 

Nosso modelo de segurança pública, apesar do processo, com muitas aspas, de redemocratização, pelo qual passamos nos anos 80, tem na estrutura da polícia civil e militar a mesma estrutura repressora montada pela ditadura militar. Depois do fim da ditadura, não houve avanço na política de segurança pública.

 

O Alckmin esteve na Baixada e cometeu um ato falho: disse “política de repressão”, ao invés de política de segurança. E ele está certo. É repressão mesmo. Uma política que defende os interesses da propriedade privada e para isso, e só pra isso, faz o que for necessário contra aqueles que não temos a propriedade privada, que somos nós que trabalhamos e lutamos.

 

Ricardo é mais uma vítima dessas. Auxiliar de limpeza. Não queremos que seja mais um. São muitos, muitos. Só neste ano, morreram 157 pessoas no estado, novamente entre muitas aspas, em “confrontos” com a polícia. Isso segundo números oficiais, contando com a morte de dois policiais. Esse modelo de segurança está falido, não há mais condição de seguir com ele. E temos de falar mesmo, se meter nessa discussão. Que modelo de segurança pública queremos? Alguns dizem que é preciso desmilitarizar a polícia, outros mais radicais defendem até a dissolução da PM. É importante olhar para as novas perspectivas de segurança, porque está claro que a nossa não funciona.

 

Aliás, funciona. Pra quem tem o capital e a propriedade.

 

Ouça aqui o áudio da entrevista.

Gabriel Brito e Leandro Iamin são jornalistas.

Recomendar
Última atualização em Segunda, 16 de Setembro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates