topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Reunião na Agência de Segurança Imprimir E-mail
Escrito por Paulo Metri   
Quarta, 04 de Setembro de 2013
Recomendar

 

 

Em certos instantes, ocorre o que todos os responsáveis pela segurança nacional temem, que é um de seus agentes passar a ter consciência crítica dos atos de que participa. Recebi um texto, que parece ser de um destes agentes, que não conheço, e muito menos sei se é um caso real. Minha primeira reação foi pensar que, se verdadeiro, o texto era de uma pessoa atormentada, que escolheu transbordar as suas angústias com a minha pessoa, como se eu já não as tivesse em profusão.

 

Ao acabar de ler o texto, fiquei esperando alguns gângsteres derrubarem a porta da minha casa para me levar. Corri para ver se o meu seguro de vida estava em dia, pois pelo menos minha família teria algum dinheiro para se recuperar da desgraça.

 

Como a porta continuou intacta e estou ansioso para contar minha apreensão, transcrevo a seguir o texto, já traduzido.

 

Segundo quem o escreveu, trata-se da descrição de uma reunião em um salão com uma enorme mesa, em volta da qual estão muitos homens e mulheres.

 

Agente 1 – Vamos tratar, hoje, das nossas iniciativas para a colocação do petróleo do pré-sal brasileiro para ajudar o abastecimento da economia mundial.

 

Agente 2 – Desculpe-me por interromper tão cedo. Mas o gás de xisto já não teria resolvido a questão do abastecimento mundial de combustíveis?

 

Agente 1 – O esgotamento dos campos de gás de xisto tem ocorrido mais cedo do que o previsto, requerendo investimentos adicionais para a região poder continuar produzindo. Além disso, existem problemas ambientais não resolvidos, que a população passará a conhecer, graças à atuação de entidades ambientalistas.

 

Agente 3 – Mas, temos controle de muitas delas.

 

Agente 1 – Sim, mas não de todas. Entretanto, não vamos discutir, hoje, o gás de xisto. Em resumo, nossos especialistas garantem que ele será importante principalmente para nossa economia, mas não será suficiente para se contrapor ao declínio da produção mundial de petróleo e gás, se não considerarmos a entrada do Pré-sal e a adoção de outras medidas.

 

Agente 3 – Quais?

 

Agente 1 – Dobrar o México para permitir a exploração da sua parte no Golfo, “torcer” para muito petróleo ser descoberto na margem equatorial do Brasil, que já foi entregue em parte, e descobri-lo também em umas poucas regiões do planeta, que ainda podem possuí-lo.

 

Agente 4 – Contudo, o abastecimento mundial corre perigo. Certo?

 

Agente 1 – Com um energético ou outro, o mundo será abastecido durante, pelo menos, uns 30 anos, mas poderá ser com uma fonte mais cara que o petróleo atual, acarretando realinhamento de preços de produtos e serviços, abandono de alguns consumos, escassez e outros reflexos. Deverá ser traumático para a sociedade mundial.

 

Agente 2 – Se a OPEP aumentasse sua produção, acabando com o acordo de cotas...

 

Agente 1 – Quanto a aumentar a produção, estamos trabalhando para que isso ocorra. Se conseguirmos o aumento da produção é porque o sistema de cotas foi esquecido. O grande problema é a Arábia Saudita, pois o serviço de informações diz que suas reservas são menores do que as declaradas e, assim, ela não conseguirá aumentar muito sua produção. Já tomamos posse das reservas do Iraque e da Líbia e estamos trabalhando para tomar as do Irã. Obviamente, a queda do regime Sírio, neste momento, irá facilitar o acesso ao Irã.

 

Agente 3 – E o petróleo da Venezuela?

 

Agente 2 – A Venezuela tem a maior reserva mundial, mas grande parte dela é de petróleo pesado. E, para aumentar a produção venezuelana, as forças bolivarianas terão que aprovar. Por outro lado, não é oportuno abrir nova frente de atrito no mundo.

 

Agente 4 – E a situação do Brasil?

 

Agente 1 – Tem muito petróleo lá e de boa qualidade. Só o existente no Pré-sal é, no mínimo, 100 bilhões de barris. Os brasileiros não sabem o mar de petróleo que possuem. Trata-se de um país com um governo dócil, a mídia está completamente dominada e é a nosso favor, e consequentemente, possui uma sociedade bastante alienada. Enfim, existem as condições ideais para trabalharmos para nossas empresas assinarem contratos de transferência do petróleo deles para elas.

 

Agente 5 – Eles assinam estes contratos?

 

Agente 1 – Sim. São as concessões e os contratos de partilha que eles assinam. É preciso passar pelos leilões, cujo único problema era a estatal deles que, no governo anterior, disputava realmente os blocos. No atual governo, ela está contida pela administração brasileira e, desta forma, conseguiremos fechar muitos contratos de transferência da posse do petróleo deles, obviamente, pagando uma compensação pequena para eles, os royalties.

 

Agente 5 – Você vinha com uma linha de raciocínio sobre a importância da produção do petróleo brasileiro e creio que você não a concluiu.

 

Agente 1 – Sim. A entrada firme do petróleo brasileiro no mercado mundial será importante para o equilíbrio deste mercado e, assim, influir para o barateamento do preço do barril. Irá também diminuir o poder da OPEP de ditar este preço. Além disso, nossas empresas terão muitos lucros, a economia mundial continuará recebendo um combustível barato, nossas refinarias terão o insumo garantido durante razoável prazo e nossos fornecedores de bens e serviços do setor de petróleo terão encomendas garantidas.

 

Agente 4 – Vai ocorrer, agora, o leilão do campo de Libra, com 12 bilhões de barris, no mínimo. Você acha que vai ter reação popular? O ‘efeito Snowden’ irá interferir?

 

Agente 1 – Não. O povo não está sabendo de nada. A mídia esconde tudo muito bem. Nossos indicados para cargos no governo brasileiro têm se saído bem e o próprio governo tem se mostrado muito cooperativo. Enfim, temos tido êxito total. Só tenho um medo. Que o povo, alertado por incansáveis patriotas, desperte da letargia em que vive e reivindique o que é seu. O caso Snowden será esquecido, assim que o campeonato de futebol deles avançar.

 

Agente 4 – O Brasil vive em uma democracia. Não tem chance de aparecer um líder nacionalista, nas próximas eleições, que irá rever todos estes contratos assinados?

 

Agente 1 – Não. Não há esta hipótese. Para a eleição de 2014, existem cinco fortes nomes para a presidência da República e todos são neoliberais e do nosso lado. Não há grande liderança nacionalista no país, excetuando um senador de um estado do sul, que felizmente não conseguirá sair candidato a presidente pelo seu partido.

 

Agente 4 – Eles vão ter eleições gerais em 2014?

 

Agente 1 – Vão. Mas, graças à nossa eficiente estratégia de alianças e apoios, e aos trabalhos dos marqueteiros, vamos conseguir eleger os nossos candidatos, como tem ocorrido. Assim, chegamos ao objetivo principal desta reunião, que é distribuir tarefas.

 

Nota do autor: o presente texto é uma ficção. Qualquer semelhança com pessoas ou situações do mundo real, do momento atual ou do passado, é mera coincidência.

 

Paulo Metri é conselheiro do Clube de Engenharia

Blog do autor: http://www.paulometri.blogspot.com.br/

Recomendar
Última atualização em Sexta, 06 de Setembro de 2013
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates