Black Blocks e PMs

0
0
0
s2sdefault

 

 

Marilena Chauí está sendo criticada por haver feito uma palestra na Academia da Polícia Militar do Rio de Janeiro, onde teria declarado que os Black Blocks têm mais inclinações fascistas do que anarquistas. Segundo notícias publicadas na Folha de S. Paulo, ela teria afirmado que esses “grupos têm como foco o ataque a indivíduos”, e “não apresentam um plano de organização social futuro, em substituição à estrutura social vigente”. Eles se apresentariam como anarquistas, mas, ao contrário destes, seriam fascistas por terem as “pessoas..., tanto quanto as coisas", como alvo.

 

Ainda segundo a matéria da FSP, Marilena Chauí teria dito que as manifestações de junho em nada se assemelharam aos protestos de maio de 1968, na França, porque “as reivindicações atuais dialogam com o poder constituído, o Estado”. Enquanto as manifestações de 1968 não teriam reivindicado nada, as de junho, no Brasil, teriam se dirigido “ao poder, ao Estado”, e pedido “diminuição da tarifa, mais verba para educação, saúde, CPIs e auditorias contra a corrupção e contra a Copa”. Teriam feito “demandas institucionais ao poder”. A professora teria, ainda, falado sobre "o mito da não violência brasileira", descrevendo a estrutura social como "opressiva" em relação aos mais pobres.

 

Retornando aos "Black Blocks", ela teria considerado que eles não utilizam a “violência revolucionária”, porque esta “só se realiza se há um agente revolucionário que tem uma visão do que é inaceitável no presente e qual a institucionalidade futura que se pretende construir". Em vista disso, o modelo "Black Block" seria “uma mescla de partidos de extrema esquerda à procura de uma linguagem intempestiva de reconhecimento social e nacional" e "essa coisa anárquica". Ela teria defendido, ainda, que as manifestações previstas para setembro empunhem como bandeiras as reformas política e tributária.

 

Em resumo, ela está sendo criticada por haver feito, segundo alguns, uma “palestra aos 'companheiros' da PM”, sem que se saiba ao certo se ela pretendia “conscientizar os jovens oficiais relativamente aos princípios ético-políticos” que balizam os verdadeiros revolucionários, ou “simplesmente incentivar que se baixe o cacete nos cândidos mascarados”. Ainda segundo os críticos, na reportagem da FSP (cuja veracidade, acrescento eu, é sempre necessário colocar em dúvida), teria ficado evidente que Marilena Chauí apenas teria constatado o óbvio. Isto é, o que os ultraesquerdistas se recusariam a ver. Portanto, embora no conteúdo tenha estado certa, Marilena Chauí teria falado “o certo para as pessoas erradas”.

 

Esses críticos talvez não estejam tratando a questão como deveriam. Em relação à primeira crítica, a esquerda deve ou não travar a batalha ideológica e política no aparato do Estado, em particular no aparato que utiliza as armas? Não esqueçamos que a esquerda está à frente do governo federal e de governos estaduais e municipais, ou faz parte deles. O que há de errado em falar aos membros das corporações militares e militarizadas? Talvez filósofos, economistas, sociólogos e políticos da esquerda devessem ser criticados não por participarem de palestras e debates nas corporações militares, mas por participarem pouco, ou não participarem.

 

É evidente que não devem falar somente o que os homens das armas e cassetetes querem ouvir. Devem falar, justa e principalmente, o que quase certamente eles não querem ouvir. Isto é, que é antidemocrático, reacionário, opressivo e covarde baixar o cacete, espancar e atirar, mesmo que sejam balas de borracha, no povo em manifestação. E que a esquerda desconfia, e muito, que entre os Black Blocks haja policiais infiltrados, para realizarem o quebra-quebra, as depredações e saques, com a finalidade de desmoralizar as manifestações e retirar o apoio que a maior parte da população dá a elas.

 

Portanto, mesmo que entre os Black Blocks existam os que se intitulem anarquistas, socialistas, revolucionários, ou lá o que seja, e até carreguem cartazes com a foice e o martelo, não devemos esconder que a esquerda sabe e denuncia que eles são fascistas. E que entre eles se encontram policiais, porque foi assim que as legiões de Mussolini e Hitler se apresentaram e agiram para estabelecer o poder ditatorial de extrema-direita.

 

Portanto, quanto mais a PM se jogar, com balas e cassetetes, sobre os manifestantes sem máscaras ou capuzes, ao invés de utilizar seu poder investigativo para processar sem violência a minoria Black Block, mais evidente ficará sua articulação com essa facção.

 

A reportagem da FSP não informa se Marilena Chauí disse algo que os aspirantes a oficiais da PM não queriam ouvir. Se não disse, perdeu uma boa oportunidade que, tenho certeza, não desperdiçará de uma próxima vez.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Comentários   

0 #6 assassinatosoraia bastos 26-01-2014 21:38
filho único ,joao marcos ,17 anos, assassinado por futilidade ,seus carrascos livres ,leves ,soltos ,manifesto no palácio laranjeira 28 janeiro 1100 da manha,ajudem uma mae ,soraia one 21 78032812, a reivindicar justiça ,obrigado
Citar
0 #5 RE: Black Blocks e PMsLuis Ramirez 07-09-2013 11:11
Hipocrisia, aqui, amigo, é uma só: fingir que a polícia não tem um caráter praticamente nazista em sua atuação. praticando atos extra-legais a cada instante, mal respiram sem estuprarem a sua, e minha, querida constituição. fora que foi a covardia imunda desse aparato de guerra (de classe) que fez o jogo virar e colocar o povo de vez ao lado dos protestos. claro que a mídia bandida trabalha incessantemente com seu terrorismo, no sentido de esvaziar td e ver todos em casa de novo. o partido defendido pelo pomar idem, nao ve a hora de todo mundo voltar pra casa e doarem o petróelo em novembro. e assim segue...

e depois vamos falar em tom crítico do regime político de outros povos, claro, afinal, o nosso é uma exuberância.
Citar
0 #4 Violência é sempre pretexto ...Sala Fério 06-09-2013 19:17
Quem já supõe de antemão que a polícia agirá de forma repressora é porque pretende agir fora da lei também. É hipócrita protestar contra a violência do sistema, mas dar-se o direito de exercê-la também. Para os que não acreditam em pacifismo, Ghandi libertou a Índia do jugo colonial inglês sem disparar um tiro. Resistência pacífica não é milícia com máscaras, pedras, paus e escudos. Isso é o famoso grupo paramilitar, vedado pela CF/88.
Citar
0 #3 Concordo com o comenntário e discordo do artigoElson 03-09-2013 23:15
Só queria dizer que concordo completamente com o comentarista Luiz Ramirez!
Citar
0 #2 RE: Black Blocks e PMsMatheus 03-09-2013 13:47
Nossa, só faltou o Conde Wladi Pomar pedir para recriar os DOI-CODIS, com seus esquadrões da morte e centros de tortura secretos, para exterminar os manifestantes que resistem contra a brutalidade descontrolada da polícia militarizada genocida. No mínimo é um sintoma mórbido esse discurso imbecil acusando o Black Bloc de "fascista", enquanto há grupos fascistas de verdade convocando marchas por golpes militares. E esses grupos fascistas, pró-golpistas e pró-imperialistas, que mais defendem a ladainha "contra o vandalismo", são os aliados inconfessáveis do neopetismo, pelo visto.
Citar
0 #1 Dava pra esperar outra coisa?Luis Ramirez 03-09-2013 11:06
Temos uma esquerda que morreu e não sabe, e que agora tenta ressuscitar, achando que é dona exclusiva da varinha de condão da luta de classe e da mobilização popular. "esquerda" de mesmo perfil dos "socialistas" europeus (o 68 glorioso da Chauí), que nada mais sao do que os stalinistas de ontem, que nao fizeram revolução mas alcançaram o poder e fizeram o pacto da política binária com as representaçoes burguesas. foi assim na espanha, frança, portugal, grécia, itália... e vejam onde estão. o brasil padece do mesmo mal, stalinistas amorais chegaram ao poder, dele nao saem por nada, se aliam ao latifundio e entregam o petróleo e acham que agora como bons super-herois cairão de paraqueda nas ruas e vão dar linha no povo todo. belo delírio. "voltar às ruas", disse o triste Pomar no outro artigo. Agora? depois de 10 anos interditando toda e qualquer luta? No mesmo dia do MPL, de preferência (depois de descerem a lenha no movimento)? Nao podem ser mais sujos e oportunistas, nao?
Surgiu uma nova geraçao disposta pra luta no país e é evidente que ela enxerga o PT como partido de traição, de manutençao do esquemão, e quem tem herança de esquerda no sangue tem aversao total ao enorme lixo que virou esse partido. lixo puro, nao cabe sequer nos debates da nova esquerda q se quer construir, autonomista e descolada dos vicios institucionais. coisa q o pt nao larga nem morto mais.
Sendo assim, só a má fé ideológica pra colocar o PT no jogo de novo, com protagonismo e importancia. mas o pt nao quer luta de classe! entao sumam, pelo amor de deus, larguem esse trabalho imundo e indecente de caguetar black blocks. esse artigo, assim como a visita da chaui à polícia genocida do Rio, é só mais um desserviço petista à luta social e popular. sério mesmo q vcs nao sabem quem é o Black Block, sua inspiraçao, origens e principalmente açoes na rua? Nao existe isso de que agredirem outras pessoas (se bem que uma surra bem dada na ex-esquerda seria um bom marco histórico). nao existe de forma alguma, nao ha fato algum de cidadao que tenha sofrido alguma coisa da parte deles. quem impoem sofrimentos e dores fisicas imensuraveis é a PM de sempre mesmo, lixo da ditadura que o PT no poder nem ensaiou em alterar as estruturas. é pra resistir a essa repressão doentia das polícias brasileiras que se constituiu o grupo. Claro que "progressistas" de sofá e academia nao conseguem compreender. Por fim, pergunto: e a luta armada, Pomarzinho, nao foi fascista, nao? Nao havia metodos autoritarios inclusive na organizaçao dos movimentos de resistência (ou subversao, de acordo com os donos do poder, de ontem e hoje)? quem fazia esse papel desempenhado pelo senhor neste artigo era chamado do que mesmo? dedo duro? acontecia o que com dedo duro? A geração de ouro da Chaui nao era fascista com suas quebradeiras e protestos completamente desordeiros?

Que patético essa turma que nao fez a revoluçao mas se assentou no mundo oficial burguês, querendo denunciar as novas forças de combate, anticapitalistas, ANTIFASCISTAS, e antimilitaristas, nessa democracia de farda de merda, cujo governo "democrático-popular" só acrescentou entulhos autoritários, ao criar a Força Nacional, ocupar o haiti e treina-la pro bom e velho inimigo interno. Além do decreto da Dilminha VAR-Palmares que autoriza qualquer ministrinho vagabundo de acionar o dispositivo militar em grandes obras do governo (parece o que isso?).

Sendo assim, vamos todos pra casa, deixar Chaui, Pomar e outros gênios da raça na linha de frente da luta de classes. É a hora e a vez de vocês, como que a geração atual nao enxerga isso, é ou nao é?

Fica aqui meu repúdio a esses dois posicionamentos dignos de atestado de óbito político, que nao a toa vieram da fileira mais vendida e corrompida da esquerda mais repleta de stalinistas que temos.

Morre, PT!

Aliás, já morreu.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados