Brasil e Nero

0
0
0
s2sdefault

 

 

Ando às tontas com a conjuntura brasileira. Na economia, os índices lembram uma gangorra. Os investidores trafegam em areia movediça.

 

O Banco Central, frente ao dólar, lembra meu avô com seu cão Nero. Preso no quintal, este se inquietava quando à casa se aproximava uma visita. Os latidos prenunciavam a abertura do portão. Tão logo meu avô dava as boas vindas ao visitante, Nero, assanhado, livrava-se da coleira que o prendia ao canil e avançava sobre o estranho. Meu avô cobria o animal de safanões, desdobrado em desculpas.

 

A trégua era pouca. De novo, vinha Nero acelerado, rosnando, avançando sobre o estranho que lhe despertava o ciúme.

 

O dólar sobe, o Banco Central se empenha em abatê-lo, os investidores estrangeiros dão sinais de abandonar o barco Brasil, o governo acena com benesses e discursos otimistas.

 

Como denunciou o papa Francisco, se a Bolsa cai, acende-se nas elites o alarme da inquietação. O ouro transformado em pó de mico. Se, em consequência, a miséria aumenta, quem se importa, exceto os que não têm ações e sofrem a fome? Dois pontos a menos na Bolsa causam mais preocupação na mídia que duas mil pessoas levadas à morte por dia por falta de nutrientes básicos.

 

Enquanto a economia navega ao sabor de ventos imprevistos, o governo se arma de medidas “contracíclicas” a fim de manter acorrentado o dragão da inflação. Como meu avô se esforçava com Nero. “Qualquer desatenção, faça não. Pode ser a gota d’água”, alerta Chico Buarque. Tudo de olho nas eleições de 2014, o Norte que imanta a bússola Brasil.

 

Até maio tudo parecia sob controle, com altos índices de aprovação bafejando o ego do governo. Até que as ruas transbordaram de manifestantes. A nação, deitada em berço esplêndido, acordou.

 

Houve melhorias em 10 anos de governo do PT? Sem dúvida. Aí estão os Índices de Desenvolvimento Humano dos Municípios divulgados pelo IPEA; a queda significativa do valor da cesta básica; o aumento da renda e da longevidade dos brasileiros.

 

Vejam nossas ruas: entupidas de carros facilitados por créditos abundantes e prestações que quase se estendem ao Juízo Final.

 

Tudo parecia o país de Alice, uma maravilha! A desoneração da linha branca permitiu, a grande número de famílias brasileiras de baixa renda, adquirir geladeira, fogão, máquina de lavar e outros eletrodomésticos.

 

No interior do Nordeste o jegue deu lugar à moto e, na Amazônia, o remo ao motor de popa. Qual fênix livre das cinzas da pobreza, o brasileiro criou asas e alcançou melhores condições de vida. Os aeroportos, repletos, perderam o glamour de espaço reservado à elite. Chinelos de dedos são vistos nas salas de espera e, fora do país, o comércio aprende meia dúzia de palavras em português para bem receber esses turistas que, por semestre, despejam bilhões de dólares nos balcões das lojas.

 

Alice se transformou em bruxa? O que sucedeu? Se tudo ia bem, por que tantos protestos?

 

O governo subestimou o senso crítico do povo. Não criou canais de diálogo com os movimentos sociais (tolerados, mas não valorizados), nem com a base aliada. Súbito, viu Nero insatisfeito soltar-se da corrente.

 

O que deseja essa gente? Simples, caro Watson. Em países desenvolvidos, como Inglaterra, Holanda e Suécia, primeiro o governo assegurou à população bens coletivos, como transporte, educação e saúde. A “linha pública” precedeu a linha branca.

 

No Brasil, enveredou-se pela via contrária. Temos geladeiras, mas há que tomar cuidado para não beber muita água gelada. Pode irritar a garganta e causar rouquidão. O SUS, nosso sistema público de saúde, tem a (des)qualidade de nossos ônibus urbanos, e os planos privados de saúde se equivalem a uma matrícula mensal em escola particular.

 

O governo alegava falta de recursos para atender às demandas dos bens coletivos. O povo, paciente, acreditou. Até que o Brasil se transformou num imenso parque desportivo: Copa das Confederações; Copa do Mundo; Olimpíadas e Paraolimpíadas. Como na história infantil de “João e o pé de feijão”, estádios fabulosos brotaram como por encanto do chão. Até o Maracanã mereceu nova reforma, para gáudio das empreiteiras.

 

Ora, como não há dinheiro para ampliar o metrô, qualificar a educação e tornar acessível aos pobres o bom atendimento de saúde?

 

O rei está nu e a base aliada não sabe agora com que roupa comparecerá nas eleições de 2014. O governo federal vacila, ou melhor, oscila entre permanecer refém da promíscua aliança consagrada pelo “toma lá, dá cá” e as reformas de estruturas – política, tributária, agrária etc. – pelas quais a nação clama há um século e, em resposta, escuta apenas promessas que jamais se tornam realidade.

 

Pior que um bando de vândalos sair pelas ruas quebrando o patrimônio público e privado é usar recursos públicos para alimentar a ganância insaciável da especulação financeira e dos que mamam nas tetas do Estado graças às licitações fajutas e às obras faraônicas onde a corrupção grassa sem que os olhos da fiscalização enxerguem e o braço da punição alcance.

 

Frei Betto é escritor, autor de “Aldeia do Silêncio” (Rocco), entre outros livros. Página e Twitter do autor:

 http://www.freibetto.org/ -   twitter:@freibetto.

 

Copyright 2013 – FREI BETTO – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer  meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor. Se desejar, faça uma assinatura de todos os artigos do escritor. Contato – MHPAL – Agência Literária (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentários   

0 #1 Brasil e nerotiago thorlby 25-08-2013 16:51
Os paises citados tinham governos com tendência socialista para garantir estes direitos básicos.
Quem sabe, juntos-unidos-organizados, teremos governo assim.
Enquanto isso: "Brasil ... e zero!"
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados