topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A queda do muro do Moinho Imprimir E-mail
Escrito por Raphael Sanz, da Redação   
Sábado, 17 de Agosto de 2013
Recomendar

 

 

Entre uma infinidade de muros que precisam ser derrubados, cujas demolições foram colocadas em pauta pelo povo que toma as ruas do país inteiro desde o dia 6 de junho, um deles acabou de cair, no último dia 4, um domingo. Trata-se do muro da favela do Moinho, no centro de São Paulo, que separava o território atual da comunidade de sua antiga outra metade, hoje desalojada e aterrada pela prefeitura.

 

Esmagada entre linhas de trem e viadutos, a última favela do centro de São Paulo ainda briga para existir. A comunidade fica localizada em um ponto chave do projeto de remodelagem urbana do ex-prefeito Gilberto Kassab, que visava a demolição do elevado Costa e Silva (vulgo Minhocão) e a construção de um parque linear entre o Brás e a Lapa, onde hoje correm as linhas de trem.

 

Naquele domingo ensolarado, a associação de moradores convocou – amparada por uma liminar judicial e um laudo dos bombeiros que afirma que o muro poderia representar um perigo para os moradores em caso de novo incêndio, já que forma uma espécie de beco sem saída – uma manifestação na rua principal da comunidade, à qual foram chamados, além da própria comunidade, diversos movimentos que historicamente têm apoiado as pautas dos moradores.

 

O laudo dos bombeiros saiu no dia 16 de julho, após diálogo entre a associação de moradores da favela e a prefeitura, realizado quatro dias antes. Mas nenhum prazo havia sido dado para uma providência oficial em relação à derrubada do muro. Assim, a comunidade se organizou e, em meio a um domingo de sol e muita música no pé do muro, moradores se revezavam com marretas e britadeiras para pôr abaixo aquele muro que tanto incomodava suas vidas e ameaçava sua integridade física.

 

Durante o início das atividades do ato, houve alguns incidentes. O primeiro envolvendo a Mídia Ninja, que foi ao local para fazer a cobertura do evento e acabou expulsa por moradores. Organizadores afirmaram que a expulsão ocorreu por conta da organização Fora do Eixo (que mantém a Mídia Ninja), a qual, segundo eles, havia ganhado uma licitação para promover atividades culturais na comunidade, que deveriam começar no último mês de maio e que nunca foram realizadas (o Fora do Eixo já se pronunciou sobre o episodio, alegando que sua marca foi inserida na divulgação das atividades sem seu prévio conhecimento).

 

Por volta das 15h30, a Guarda Civil Metropolitana entrou na comunidade a fim de impedir a derrubada do muro, mas moradores, ativistas de fora de comunidade, comunicadores e advogados acompanharam a GCM até o lado de fora da favela, mostraram a liminar e o laudo e assim foi resolvido o imbróglio, com a GCM se retirando do local.

 

O ato acabou por volta das 20h, com um belo pedaço do muro destruído e muita música na comunidade, promovida por grupos de rap, funk e uma fanfarra carnavelesca ligada a movimentos sociais, a Fanfarra do MAL.

 

Histórico

 

Segundo Alessandra, 29 anos e moradora há 18 da comunidade, o terreno outrora foi usado como um cemitério clandestino da PM. Em meados de 95, quando ela chegou ao local junto a diversos ex-moradores de baixa renda do centro da cidade, que eram sistematicamente despejados das suas casas, o terreno era um grande matagal com um prédio enorme abandonado na área que o falecido muro isolara, desde o ano passado. A ocupação começou pelo prédio e se estendeu às outras áreas da comunidade.

 

Em 2011, houve um incêndio que atingiu o prédio, considerado criminoso pelos moradores, que acabou sendo usado como pretexto para a implosão da estrutura no primeiro dia de 2012,ao custo de 3,5 milhões de reais, deixando mais de cinco mil pessoas desabrigadas em pleno réveillon. Uma pessoa morreu e mais de 100 barracos foram destruídos. Depois deste, outros focos de incêndio com menos gravidade foram registrados e, meses depois, o muro construído. Após estes incêndios, houve uma pressão pela extinção da favela, visto que a população foi reduzida à metade.

 

Houve enfrentamentos entre moradores e a GCM, enquanto o ex-prefeito Kassab tentava retirar as famílias do local, oferecendo a famigerada bolsa-aluguel. Aproximadamente 810 famílias foram registradas no programa, mas muitas acabaram voltando ao Moinho, afirmando que os 400 reais da bolsa-aluguel não eram suficientes para financiar suas moradias.

 

Hoje, a comunidade estuda junto a um escritório de arquitetura um projeto de urbanização da favela que não exclua e desabrigue os moradores, pelo contrário. Entre os debates, está sendo pautada a questão do saneamento básico – água, esgoto e luz – prioritariamente.

 

alt

 

alt

 

Veja abaixo vídeo da implosão do prédio em 1 de janeiro de 2012

 

 

Raphael Sanz é jornalista.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 21 de Agosto de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates