Ela é feita para apanhar. Ela é boa de cuspir

 

 

Beijos, abraços, acenos e um largo sorriso no rosto. “Segura meu filho para eu tirar uma foto?”, pergunta uma mãe eufórica.

 

Em uma análise precipitada, alguns podem achar que este fato deva estar ligado a algum político cercado por meia dúzia de carentes. Quando digo carentes, lê-se brasileiros. Sim, porque a população sente falta de alguma autoridade que a represente. Há aquela falta de pertencimento. Mas não se trata de ninguém tentando angariar votos - não diretamente -, e sim do Papa. O “paladino” da moral e dos bons costumes. O representante de Deus na terra. Esqueci alguma coisa? Bom, caso minha memória tenha falhado, não me atira à fogueira. É que não sou muito religioso.

 

Chamou a atenção para a simplicidade, que há muito não era retomada pela Igreja Católica. Utilizou um carro relativamente básico, desfilou em um Papa Móvel aberto, abençoou a população, dividiu um gole de mate com um dos seguidores. Enfim, o Marketing Mundial da Juventude foi um sucesso. Conseguiu atrair até mesmo pessoas de outras religiões, contribuindo para um saldo de 3 milhões de seguidores na praia de Copacabana. Diria, ainda, que Francisco poderá ser candidato a santo quando se juntar aos anjos. O motivo? Simples, conseguiu quebrar, pelo menos em parte, a rixa entre brasileiros e argentinos.

 

Tudo isso seria perfeito se não fossem os protestos e as “vadias”. Onde já se viu uma mulher se expor dessa maneira? Desnudam os seios e querem a legalização do aborto? Isso é uma afronta. Como se não bastasse uma delas ter sido a culpada pelo pecado original... Vocês engravidam porque querem. Opa, esqueci que não se pode usar métodos contraceptivos.

 

Embora Francisco tenha se esforçado para representar as virtudes da igreja, não há como esquecer a história. Para uma mulher da Idade Média, seria melhor viver séculos antes, em Esparta, a este período. Como pode? A sociedade não deveria evoluir ascendentemente? Pois é. Não fossem as “vadias” de diferentes épocas - tal como aquelas que queimaram sutiãs -, o sexo “frágil” estaria, gozando da liberdade, trancafiado em casa. Seriam Genis, da canção de Chico Buarque, feitas para apanhar e cuspir.

 

O Papa já disse adeus. Apesar de alguns retrógrados, respirem fundo porque amanhã há de ser um novo dia.

 

Juan Filgueiras é estudante.

Comentários   

0 #1 RE: Ela é feita para apanhar. Ela é boa de cuspirSarah 31-08-2013 09:17
Boa linguagem,mas falta informações para construir o texto.
Durante a manifestação das mulheres peladas, eu estava lá rezando com mais de 4(isso mesmo,estou corrigindo),mais de 4 milhões de jovens ajoelhados em silêncio. Foi surpreendentemente lindo! Eu realmente não imaginava que não veria nenhum jovem se agarrando. Os únicos beijos que eu vi foram de casais do meu grupo ou do papa em crianças. Mas voltando ao assunto das mulheres,sinto lhe informar que está enganado quanto a nossa crença. Na era romana sim, acreditavam que a mulher era o fruto do pecado, a culpavam por tudo. Atualmente, somos livres, como solicita em seu texto. Durante a passeata das mulheres nuas, a única coisa que faltou foi respeito. Lá na praia estavam reunidas pessoas para orar,conhecer novas culturas e partilhar a FÉ. Quando mulheres com os seios de fora passaram jogando camisinhas e gritando: "A FAVOR DO ABORTO!" foi uma tremenda falta de respeito. Só isso. Falta de respeito. Aqui no Brasil não temos de vestir urcas,algumas até mesmo saem semi-nuas nas ruas, com mini-shorts,etc. A igreja católica é a favor da preservação da espécie e da valorização do corpo. Seu texto ficou confuso quanto ao seu julgamento contra a nossa crença.
Apoio manifestações com sentido. Matar uma pessoa,mesmo que não tenha nascido ainda, não tem sentido. Manifestações têm hora e lugar. Ninguém reclamou das "vadias" só não as entendemos. O Papa é apenas o coordenador da Igreja e não do "mundo",como antigamente
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados